Ptolemeu (filho de Pirro)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados de Ptolemeu, veja Ptolemeu (desambiguação).
Ptolemeu
Nascimento 295 a.C.
Épiro
Morte 272 a.C. (23 anos)
Esparta
Progenitores Mãe:Antigona do Épiro
Pai:Pirro
Irmão(s) Olímpia II de Épiro, Heleno, Alexandre II de Epiro

Ptolemeu foi um filho de Pirro, rei do Epiro e inimigo de Roma. Sua mãe era enteada de Ptolemeu I Sóter, e seu nome é uma homenagem ao faraó.

Ele era um guerreiro valente, e capturou a cidade da Córcira com apenas sessenta homens; também consta que, em uma batalha naval, ele pulou do seu barco, com sete homens, para uma trirreme inimiga de cinquenta remos, e a capturou.[1]

Ele morreu em 272 a.C.,[2] quando Pirro, com ambições de conquistar a Grécia e a Ásia, invadiu o Peloponeso e tentou capturar Esparta, sem sucesso, perdendo seu filho Ptolemeu no ataque,[1] ou durante a retirada.[3]

Família[editar | editar código-fonte]

Antigona, sua mãe, era filha de Berenice e um nobre macedônio chamado Filipe.[4] Berenice, sua avó, foi para o Egito junto de Eurídice, filha de Antípatro, quando esta se casou com Ptolemeu I Sóter, e se tornou concubina de Ptolemeu.[5]

Pirro, seu pai, era filho de Eácides I de Epiro e Fítia.[6]

Aos dezessete anos, Pirro, rei do Epiro, foi destronado, e Neoptólemo II de Epiro tornou-se rei.[7] Nas guerras entre os diádocos, após a divisão do Império de Alexandre III, tomou parte pelo seu cunhado Demétrio I da Macedónia [8] e lutou a seu lado na Batalha de Ipso [9] (301 a.C.). Mais tarde, tornou-se refém de Ptolomeu I do Egito, num acordo entre este e Demétrio.[9]

Pirro, vendo que, entre as mulheres de Ptolemeu I Sóter, a que tinha mais influência, virtures e compreensão era Berenice, passou a agradá-la, e foi escolhido, dentre os vários príncipes, para ser o marido de Antígona, filha de Berenice e Filipe.[4]

Para homenagear Ptolemeu e Berenice, Pirro chamou seu filho com Antígona de Ptolemeu, e uma cidade que ele construiu no Epiro de Berenicis.[10] Possivelmente Antígona foi a mãe de Olímpia,[11] que se casou com seu irmão, Alexandre, e teve três filhos, Pirro, Ptolemeu e Fítia.[12] Chris Bennett supõe que Olímpia fosse filha de Antígona pelo fato dela ter um filho de nome Ptolemeu.[11]

Campanha contra Antígono Gônatas[editar | editar código-fonte]

Pirro, após se retirar da Itália,[13] invadiu a Macedônia e derrotou Antígono Gônatas, e se tornou rei da Macedônia.[14]

Antígono ainda tentou renovar a guerra, com um bando de mercenários gauleses, porém foi derrotado por Ptolemeu, e conseguiu escapar com apenas sete companheiros.[14]

Campanha contra Esparta[editar | editar código-fonte]

Em 272 a.C.,[2] Pirro invadiu o Peloponeso com vinte e cinco mil soldados de infantaria, dois mil de cavalaria e vinte e quatro elefantes.[15] Pirro não quis atacar Esparta à noite, para que seus soldados não pilhassem a cidade, e porque achava que a cidade estava sem defesas, porque um dos reis, Areu I, estava em Creta, e a cidade estava com poucos homens.[16] Os espartanos pensaram em enviar as mulheres a Creta, porém uma delas, Arquidâmia, foi até a Gerúsia, de espada na mão, dizendo que as mulheres não queriam viver se Esparta morresse.[17] A defesa da cidade foi organizada pelos jovens e pelas mulheres, que os exortaram a morrer em glória nos braços de suas mães e esposas.[18]

Ptolemeu, com dois mil gauleses e soldados de Chaon, tentou forçar o ataque através das trincheiras e dos vagões.[19] Quando os gauleses estavam quase abrindo o cerco, o jovem Acrótato, com três mil homens, atacou Ptolemeu por trás, e derrotou os gauleses.[20] A batalha terminou de noite.[21]

Segundo Justino, Ptolemeu morreu no ataque a Esparta, ao entrar no meio da cidade e ser cercado pelos inimigos. Pirro teria dito, ao ver o filho morto, que ele havia morrido por sua audácia.[1]

Pirro tentou atacar de novo a cidade, porém deparou com a tenaz resistência dos homens e mulheres de Esparta.[22] Quando Esparta estava a ponto de ser derrotada, chegaram reforços, forças de Corinto, forças enviadas por Antígono Gônatas e as tropas do rei Areu, vindas de Creta.[23]

Campanha contra Argos[editar | editar código-fonte]

Pirro, sem conseguir conquistar a cidade, devastou o campo.[24] Vendo uma nova oportunidade em Argos, Pirro levanta acampamento e começa a marchar contra esta cidade, porém Areu e os espartanos continuam atacando as forças de Pirro.[25]

Pirro ordenou a Ptolemeu que fosse em ajuda à retaguarda de suas tropas, atacadas pelos espartanos, e houve uma batalha feroz.[26] Ptolemeu foi morto por um soldado de nome Oryssus, natural de Aptera, cidade de Creta.[3]

Referências

  1. a b c Justino, Epítome das Histórias de Pompeu Trogo, 25.4 [la] [en] [en] [fr] [ru]
  2. a b William Smith, Dictionary of Greek and Roman Biography and Mythology, Helenus, son of Pyrrhus [em linha]
  3. a b Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Pirro, 30.4
  4. a b Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Pirro, 4.4 [em linha]
  5. Pausânias (geógrafo), Descrição da Grécia, 1.6.8 [em linha]
  6. Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Pirro 1.3
  7. Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Pirro, 4.1
  8. Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Pirro, 4.2
  9. a b Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Pirro, 4.3
  10. Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Pirro, 6.1
  11. a b Chris Bennett, Ptolemaic Dinasty, Antigone [em linha]
  12. Justino, Epítome das Histórias de Pompeu Trogo, 28.1 [la] [en] [en] [fr] [ru]
  13. Justino, Epítome das Histórias de Pompeu Trogo, 23.3 [la] [en] [en] [fr] [ru]
  14. a b Justino, Epítome das Histórias de Pompeu Trogo, 25.3 [la] [en] [en] [fr] [ru]
  15. Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Pirro, 26.9
  16. Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Pirro, 27.1
  17. Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Pirro, 27.2
  18. Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Pirro, 27.5
  19. Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Pirro, 28.1
  20. Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Pirro, 28.2
  21. Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Pirro, 29.1
  22. Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Pirro, 29.3-5
  23. Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Pirro, 29.6
  24. Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Pirro, 30.1
  25. Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Pirro, 30.2
  26. Plutarco, Vidas Paralelas, Vida de Pirro, 30.3