Antônio Chimango

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Antônio Chimango é um poema em versos heptassílabos de sátira política que surgiu em 1915, assinado por Amaro Juvenal (pseudônimo), atribuído a Ramiro Barcellos, correligionário político de Antônio Augusto Borges de Medeiros.[1] Ramiro Barcellos tinha tido sua candidatura ao Senado obstada por Borges. Em vista disso teria resolvido ironizá-lo num longo poema, de linguajar regional e humor refinado, em que propõe contar-lhe a vida e a carreira política.

Adota o estilo do poema argentino Martin Fierro, de José Hernández, em que há uma narração de fatos que se passam no dia-a-dia de uma estância. Em Antônio Chimango, entretanto, o autor agudiza a crítica política.[2] A partir da publicação, Borges e os borgistas passaram a ser chamados de chimangos pelos opositores.

Na ilustração de capa, o personagem Antonio é apresentado graficamente como um 'chimango', pequena ave de rapina com roupagem gauchesca.

Referências

  1. «eBookCult - Biblioteca Digital (+ download do poema)». Consultado em 6 de dezembro de 2009. Arquivado do original em 10 de março de 2010 
  2. «Maquiavel gaudério». Consultado em 6 de dezembro de 2009. Arquivado do original em 8 de junho de 2009 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre poesia ou um poema é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.