Apolônio Mólon

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Apolônio Mólon
Nascimento ca. 70 a.C.
Alabanda, na Cária
Morte
Rodes
Nacionalidade grego
Ocupação retor

Apolônio Mólon (português brasileiro) ou Apolónio Mólon (português europeu) ou Molo de Rodes (ou simplesmente Mólon; em grego antigo: Ἀπολλώνιος ὁ Μόλων; em latim: Apollonius Molon) foi um retor grego, que floresceu aproximadamente em 70 a.C.

Vida e obra[editar | editar código-fonte]

Ele era natural de Alabanda, na Cária, um discípulo de Menecles, e se estabeleceu em Rodes. Visitou duas vezes Roma como embaixador de Rodes, e muitos romanos importantes foram seus alunos, inclusive Cícero (que o visitou durante sua viagem à Grécia em 79-77 a.C.) e Caio Júlio César. Tem a fama de ter citado Demóstenes ao contar para seus alunos que os três primeiros elementos de retórica eram "Entrega, Entrega e Entrega". Ele tinha uma reputação estelar nos tribunais romanos, e até foi convidado para discursar no senado romano em grego - uma honra normalmente não concedida a embaixadores estrangeiros.

Apolônio escreveu sobre Homero e se esforçou para moderar o estilo asiático demasiado lírico e cultivar uma tendência "aticista". Flávio Josefo, em Contra Apionem, acusa Apolônio Mólon de fanático antissemita e de ter sido uma das fontes usadas por Apião para falar contra os judeus.[1]

Notas

  1. Louis H. Feldman, Gōhei Hata Josephus, Judaism and Christianity 1987 p18 "Deste grupo, Manetão, Lisímaco, Querêmon, Apião, Posidônio, e Apolônio Mólon (os dois últimos são os fornecedores de material para Apião) são severamente criticados por Flávio Josefo, em Contra Apionem, porque eles caluniaram e atacaram Moisés e os judeus ao afirmarem que: 1) os ancestrais dos judeus eram egípcios... 10) Moisés foi uma fraude e um charlatão cujos mandamentos ensinaram apenas o mal, e nenhuma virtude (Apolônio Mólon, Lisímaco)".

Referências