Areobindo (cônsul em 434)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outras pessoas de mesmo nome, veja Areobindo.
Flávio Areobindo
Nacionalidade Império Bizantino
Filho(s) Dagalaifo
Ocupação General
Religião Catolicismo
Soldo de ouro de Teodósio II (r. 408–450)
Dracma de Vararanes V (r. 420–438)

Flávio Areobindo (m. 449) foi um general do Império Bizantino de origem gótica, que tornou-se comandante-em-chefe do Oriente. Areobindo foi o destinatário de duas cartas de Teodoreto de Cirro, que mostram que ele tinha terras na cidade, entre outras atestadas em Eufratense.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Areobindo foi um godo que se tornou parte da classe política do Império Bizantino; seu filho Dagalaifo foi cônsul em 461 e seu neto Areobindo Dagalaifo Areobindo manteve o consulado em 506. Ele tomou parte na guerra de 422 contra o Império Sassânida do Vararanes V (r. 420–438), que o posto de conde dos federados, o comandante dos contingentes bárbaros que lutavam como aliados do exército romano.[1][nt 1] Nesta ocasião Areobindo derrotou em um duelo um dos sassânidas, Ardazanes e após sua vitória a paz foi concluída.[3]

Em 434, Areobindo foi escolhido para cônsul do Oriente em recompensa, segundo João Malalas, a derrota dos persas. No mesmo ano foi nomeado mestre dos soldados do Oriente (magister militum per Orientem; talvez "na presença", praesentalis), uma posição que manteve até sua morte. Em 441 foi escolhido por Teodósio II (r. 408–450) como um dos comandantes na expedição contra os vândalos na África; a expedição não foi bem sucedida porque seus líderes perderam tempo na Sicília. Em 443, foi enviado junto com outros generais contra Átila (r. 434–453), mas foi derrotado pelo rei dos hunos. Em 447, recebeu o título de patrício, mas pelo ano de sua morte Areobindo tinha caído em desgraça com Teodósio II.[1]

Notas

  1. De acordo com alguns estudiosos, contudo, o posto não foi de conde dos federados, mas de conde dos assuntos militares (comes rei militaris.[2]

Referências

  1. a b c Martindale 1980, p. 145-146.
  2. Shahîd 1989, p. 53.
  3. Rawlinson 2004, p. 396.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Martindale, J. R.; Jones, Arnold Hugh Martin; Morris, John (1980). «Areobindus 1». The prosopography of the later Roman Empire - Volume 2. A. D. 395 - 527. Cambridge e Nova Iorque: Cambridge University Press 
  • Rawlinson, George (2004). The Seven Great Monarchies of the Ancient Eastern World, Or: Parthia; Sassanian, or New Persian empire; Notes and index. Piscataway, Nova Jérsei: Gorgias Press LLC. ISBN 1593331711 
  • Shahîd, Irfan (1989). Byzantium and the Arabs in the fifth century. Washington: Dumbarton Oaks. ISBN 0-88402-152-1