Atacama Large Millimeter Array

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Atacama Large Millimeter Array
ALMA Antennas on Chajnantor.jpg
Informações gerais
Organização Observatório Europeu do Sul, Fundação Nacional da Ciência Edite no Wikidata
Tipo de telescópio radiotelescópio Edite no Wikidata
Páginas Web www.almaobservatory.org
Informações do telescópio
Localização atual Deserto de Atacama, Santiago, Chile Editar isso no Wikidata
Coordenadas 23°01′09″S 67°45′12″O / 23.0193°S 67.7532°O / -23.0193; -67.7532Coordenadas: 23°01′09″S 67°45′12″O / 23.0193°S 67.7532°O / -23.0193; -67.7532
Altitude 5,058.7 m (5,058.7 m)
Antenas do projeto ALMA

O Atacama Large Millimeter Array (ALMA) é um rádio-observatório constituído por um conjunto de 66 antenas, das quais 54 com 12 metros de diâmetro e as demais com 7 metros de diâmetro.[1]

História[editar | editar código-fonte]

Sua construção começou em 2003 e as observações científicas tiveram início em 2011. ALMA está localizado a uma altitude de 5000 metros, na Zona de Chajnantor, a leste da vila de San Pedro de Atacama, no Chile - um dos maiores sítios de observação astronômica do mundo. Foi inaugurado no dia 13 de março de 2013.[2] Orçado em um bilhão de euros, ele faz parte de uma parceria entre países da Europa, da Ásia Oriental e da América do Norte em cooperação com a República do Chile. O Observatório Europeu do Sul é o parceiro europeu no projeto ALMA.[3]

Características[editar | editar código-fonte]

A sensibilidade do conjunto de antenas torna possível a observação de galáxias muito distantes. Espera-se para outubro de 2015 observações com as 66 antenas em pleno funcionamento.[4]

Resultados científicos[editar | editar código-fonte]

Em 11 de agosto de 2014, os astrônomos liberado estudos, utilizando o Atacama Large Millimeter/submillimeter Array (ALMA), pela primeira vez, que detalhou a distribuição de HCN, HNC[5], H2CO e poeira no interior do [[Coma (astronomia)|cauda de cometas C/2012 F6 (Lemmon)[6] e C/2012 S1(ISON).[7][8]

Referências

  1. «ALMA's Antennas» (em inglês). European Southern Observatory. Consultado em 19 de outubro de 2014. 
  2. «g1.globo.com/». g1.globo.com  Megaobservatório é inaugurado a 5 mil metros de altitude nos Andes
  3. ESO, the European Southern Observatory (18/01/2012 23h48), http://www.eso.org/public/about-eso/esoglance.html
  4. Radiotelescópio ALMA instala 66ª antena e tem recorde de pedidos de uso (17/06/2014 20h39), «em.com.br». www.em.com.br 
  5. O sufixo 'ylidyne' refere-se à perda de três átomos de hidrogênio a partir do átomo de nitrogênio em amónio (NH4+) See theVeja «IUPAC Red Book 2005» (PDF). www.iupac.org  Table III, "Suffixes and endings", p. 257.
  6. Kronk, Gary W. «C/2012 F6 (Lemmon)». Cometography.com. Consultado em 5 de março de 2015. 
  7. Zubritsky, Elizabeth; Neal-Jones, Nancy (11 de agosto de 2014). «RELEASE 14-038 - NASA's 3-D Study of Comets Reveals Chemical Factory at Work». NASA. Consultado em 5 de março de 2015. 
  8. Cordiner, M.A; et al. (11 de agosto de 2014). «Mapping the Release of Volatiles in the Inner Comae of Comets C/2012 F6 (Lemmon) and C/2012 S1 (ISON) Using the Atacama Large Millimeter/submillimeter Array». The Astrophysical Journal. 792 (1). doi:10.1088/2041-8205/792/1/L2. Consultado em 5 de março de 2015. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Atacama Large Millimeter Array
Ícone de esboço Este artigo sobre astronomia é um esboço relacionado ao Projeto Astronomia. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.