Augusto de Figueiredo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book.svg
Este artigo ou secção não cita fontes confiáveis e independentes (desde maio de 2013). Ajude a inserir referências.
O conteúdo não verificável pode ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Augusto de Figueiredo
Nascimento 13 de fevereiro de 1910
Covilhã
Morte 15 de junho de 1981 (71 anos)
Lisboa
Ocupação Ator
IMDb: (inglês)

Augusto de Figueiredo (Covilhã, 13 de Fevereiro de 1910Lisboa, 15 de Junho de 1981) foi um actor português.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Vindo da Covilhã para Lisboa, estroeu-se no Teatro da Trindade, em 1937, com a opereta de Lehar O Conde de Luxemburgo.
Em 1938 chegava à Companhia Rey Colaço-Robles Monteiro, sedeada no Teatro Nacional D. Maria II.
Em Março de 1957, com a inauguração da RTP, aparece em diversas peças dirigidas por Artur Ramos, como O Doido e a Morte, Sapateira Prodigiosa, As Três Máscaras, ou O Avarento.
Noutra passagem pelo Trindade, destacam-se as suas interpretações em Fantasmas e Lutar até de madrugada, que lhe valem o Prémio de Melhor Actor no I Festival Internacional de Teatro, em 1961. Três anos depois, na qualidade de encenador e intérprete de Alfama obtém duas Menções Honrosas no mesmo festival. Em 1965, noutra edição, alcança o prémio para Melhor Intérprete de Gil Vicente. Em 1972 obtém o Prémio Eduardo Brazão, para a melhor interpretação do ano. Na televisão e no cinema recordam-se as suas interpretações em Chaimite, de Jorge Brum do Canto, e Benilde ou a Virgem Mãe, de Manoel de Oliveira.

Prémios[editar | editar código-fonte]

  • Prémio de Melhor Actor no I Festival Internacional de Teatro (1961)
  • Prémio de Melhor Actor no Festival Internacional de Teatro (1965)
  • Prémio Eduardo Brazão (1972)

Filmografia[editar | editar código-fonte]