Jorge Brum do Canto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, comprometendo a sua verificabilidade (desde Agosto de 2012).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto. Material sem fontes poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Jorge Brum do Canto
Nascimento 10 de Fevereiro de 1910
Lisboa,  Portugal
Nacionalidade  Portugal
Morte 7 de fevereiro de 1994 (83 anos)
Ocupação Cineasta
IMDb: (inglês)

Jorge Brum do Canto OSEGCIH (Lisboa, 10 de Fevereiro de 1910Lisboa, 7 de Fevereiro de 1994) foi um cineasta português.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Jorge Brum do Canto nasceu em Lisboa, a 10 de Fevereiro de 1910, de uma família com raízes açorianas e madeirenses. Em Lisboa faz o liceu e ingressa na Faculdade de Direito, curso que não concluiria. Ainda criança começa a publicar textos sobre cinema, em 1925 faz um primeiro papel no cinema (em O Desconhecido de Rino Lupo), em 1927 é O Século que o tem como crítico cinematográfico onde, a partir do ano seguinte, assinaria uma página semanal, O Século Cinematográfico, que duraria até 1929. Seria entretanto redactor e/ou colaborador de várias revistas de cinema que então floresceram (Cinéfilo, Kino, Imagem).

Fascinado pelo vanguardismo francês,[carece de fontes?] aos 18 anos de idade realiza o filme A Dança dos Paroxismos, cuja rodagem arranca nos últimos dias de 1929.[1] O filme, produzido pela firma Mello, Castello Branco, Lda., só teve uma exibição pública em Novembro de 1930, voltando a ver projectado a 27 de Outubro de 1984, na Cinemateca Portuguesa, que possui o negativo e as únicas cópias existentes. Dois anos depois tenta uma nova fita, que ele próprio produz (Paisagem), mas que nunca completara por razões financeiras. Até 1935 filma alguns documentários, mas o profissionalismo só ocorreria nesse ano,[carece de fontes?] quando é autor do roteiro de As Pupilas do Senhor Reitor, de Leitão de Barros,[2] a que se segue, em 1936, O Trevo de Quatro Folhas, de Chianca de Garcia, filme em que é assistente geral.

Em 1936-1937, no meio de vicissitudes de produção várias, realiza a sua primeira longa-metragem, A Canção da Terra, filme que seria recebido como um acontecimento. A carreira de Brum do Canto estava lançada e até os primeiros anos da década de 1950 rodaria mais seis longas-metragens. De 1953 a 1959 interrompe os seus trabalhos no cinema e até à residência em Lisboa, fixa-se na ilha de Porto Santo, onde possui largas propriedades, dedicando-se à administração agrícola e à pesca desportiva, uma das suas paixões. Voltaria ao cinema na década seguinte com três filmes. A 17 de Abril de 1967, foi feito Oficial da Ordem Militar de Sant'Iago da Espada.[3] Em 1973 o grande público descobre-o como actor, em peças teatrais na RTP, onde faz, com grande sucesso, O Grande Negócio, de Paddy Chayefsky, e 12 Homens em Conflito, de Reginald Rose (ambas dirigidas por Artur Ramos). Ainda como actor voltaria à RTP em 1975 na série Angústia para o Jantar, de Jaime Silva.

As suas paixões pela pesca e pela culinária deixaram também alguns registos públicos, nomeadamente como director gráfico e responsável pela secção de pesca da revista Diana e como co-autor (a partir da 23.ª edição) de O Livro de Pantagruel, de sua mãe, Bertha Rosa Limpo.

Sobre Jorge Brum do Canto foi realizada, em 1982, a média-metragem Jorge Brum do Canto para a RTP (série Quem é Quem, realizador João Roque) e a Cinemateca Portuguesa, em 1984, editou um catálogo (com organização literária de José Matos-Cruz).

A 9 de Junho de 1994, foi agraciado com a Grã-Cruz da Ordem do Infante D. Henrique a título póstumo.[3]

Homenagem[editar | editar código-fonte]

Possui desde 1994 uma rua com o seu nome no Bairro do Caramão da Ajuda, Lisboa.

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Como realizador[editar | editar código-fonte]

  • O Crime de Simão Bolandas (1984)
  • Cruz de Ferro (1967)
  • Fado Corrido (1964)
  • Retalhos da Vida de Um Médico (1962)
  • Chaimite (1953)[4]
  • Ladrão, Precisa-se!… (1946)
  • Um Homem às Direitas (1945)
  • Fátima, Terra de Fé (1943)
  • Lobos da Serra (1942)
  • João Ratão (1940)[5]
  • A Canção da Terra (1938)
  • A Hora H (1938)
  • Berlengas (1934)
  • A Doença dos Ulmeiros (1934)
  • A Obra da Junta Autónoma das Estradas (1934)
  • O Bicho da Seda (1934)
  • Abrantes (1933)
  • Nada de Novo… em Óbidos (1933)
  • Sintra, Cenário de Filme Romântico (1933)
  • Uma Tarde em Alcácer (1933)
  • Fabricação de Mangueiras (1932)
  • A Dança dos Paroxismos (1929)[1]

Como actor (nos seus filmes)[editar | editar código-fonte]

  • A Dança dos Paroxismos
  • A Hora H (como membro da Orquestra Aldrabófona)
  • Chaimite[4]
  • Fado Corrido
  • A Cruz de Ferro

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências bibliográficas

  1. a b RTP, A Dança dos Paroxismos [em linha]
  2. RTP, As Pupilas do Senhor Reitor [em linha]
  3. a b «Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "Jorge Brum do Canto". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 16 de fevereiro de 2016 
  4. a b RTP, Chaimite [em linha]
  5. RTP, João Ratão [em linha]

"RAMOS, Jorge Leitão". Dicionário do Cinema Português (1962-1988). Editorial Caminho, SA, Lisboa, 1989

Ligações externas[editar | editar código-fonte]