Baanes III Camsaracano

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Baanes.
Baanes III Camsaracano
Morte 636[1]
Nacionalidade
Derafsh Kaviani.png
Império Sassânida
Etnia Armênio
Progenitores Pai: Simbácio I Mamicônio
Filho(s) Tigranes I Mamicônio
Ocupação General
Religião Catolicismo

Baanes III Camsaracano (em armênio/arménio: Վահան Գ Կամսարական; transl.: Vahan III Kamsarakan) foi um nobre armênio do final do século VI e começo do VII, conhecido apenas a partir da História de Taraunita de João Mamicônio. Supostamente esteve ativo em Taraunita na luta contra os invasores persas do Cosroes II (r. 590–628).

Vida[editar | editar código-fonte]

Era filho de Simbácio I.[1] É conhecido apenas a partir do relato da História de Taraunita de João Mamicônio, obra considerava como não fiável, e autores como Christian Settipani questionam sua existência.[2] Cyril Toumanoff considera-o personagem histórica e data sua morte em 636. O mesmo autor considera como filho de Baanes Tigranes I (citado na História) e Estêvão.[1] Apesar de membro da família Mamicônio, é melhor conhecido por seu sobrenome Camsaracano, herdado de sua mãe.[3]

História de Taraunita[editar | editar código-fonte]

Soldo de Focas (r. 602–610)
Dinar de Cosroes II (r. 590–628)

Aparece pela primeira vez em 603, 2º ano do reinado do imperador Focas (r. 602–610), quando o Cosroes II (r. 590–628) ordenou que Vactangue atacasse Taraunita. Numa das lutas, seu pai leva seus cavalos a Muxe para que transformasse a infantaria da cidade em cavalaria e fosse enviado rapidamente; Baanes reuniu 2 500 cavaleiros e enviou-os a Simbácio. Depois, quando Surena invade o país, Simbácio obriga-o a se converter ao cristianismo e conduz-o ao Mosteiro de Glaco. Na viagem, leva consigo sua esposa e filho, mas quando chegam ao rio Aracani, deixa-os numa das margens enquanto atravessa com Surena à outra; pretendia matá-lo quando atravessasse.[4]

Após a morte de Surena, o conflito se arrasta com as tropas persas e num dos embates, Simbácio e Varazes veem-se cercados pelo inimigo. Simbácio de Astianena e Baanes chegam com 6 000 homens para auxiliá-los e Varazes gritou: "Filho do caje [Simbácio I], Baanes, onde estava que não veio para [nossa] ajuda mais cedo?" Baanes então pergunta: "Meu pobre pai ainda vive ou foi ao Senhor descansar?". Simbácio ouviu e disse: "São Precursor veio em meu auxílio quando eu estava prestes a morrer nas mãos dos ímpios". Ao saber que seu pai estava bem, Baanes ataca, abrindo caminho e avançando. Abre uma das alas enquanto Simbácio limpou a outra, e assumindo a conduta da guerra, começaram a matar os líderes do exército persa. Movendo, Baanes cercou a outra ala, e tendo prendido as tropas iranianas no meio, eles as destruíram até a noite.[4]

Tempos depois, Cosroes envia outro exército de 20 000 sob o zorapetes Tigranes. Tão logo chega em Apaúnia, convoca Simbácio que envia Baanes para ver o que queria. Após tomar ciência do que o general persa queria, Baanes envia uma resposta a seu pai:[5]

Tigranes muitas vezes prometeu coisas boas, e muitas coisas más. Mas ele exige os restos do príncipe Muchel e de seu pai Baanes, bem como os restos da esposa de Vactangue e seu filho a quem Varazes matou em batalha'. Caso contrário', diz ele, 'eu irei para o lugar sagrado para sua fé, eu arrancarei e arruinarei isto e tornarei sua igreja em um templo de fogo e levarei você para a corte real.' Agora, isso é o que ele disse: 'Quer vir através de Astianena.' Eu irei junto com ele. Enquanto isso, reúna nossas forças, vá à igreja de São Precursor e implora aos clérigos que rezem por nós. Fica bem no Senhor.
 
João Mamicônio, História de Taraunita, capítulo III.

Simbácio preparou-se à guerra. Após torturar os emissários enviados a ele por Tigranes, dirigiu-se ao monte Esremavair, onde acampou em frente a Tigranes. Assim que chegou a noite, Baanes levantou-se e cortou a cabeça do filho de Tigranes e dos 3 príncipes que estavam na mesma tenda. Tomando suas cabeças, foi a seu pai. Então retornou ao mesmo lugar e secretamente entrou sob a aba da tenda de Tigranes. Agora, quando Tigranes viu a espada nua na mão de Baanes, não se atreveu a chamar a atenção de ninguém, pensando que queria roubar o equipamento. Mas Baanes de repente pegou um travesseiro, rapidamente jogou-o na boca de Tigranes e atacou-o. Outro servo de Baanes entrou na tenda e cortou a cabeça de Tigranes. Então ele reuniu todos os móveis, pedras preciosas e espadas escolhidas e partiu. As tropas armênias ficaram encantadas e ofereceram grandes graças a Deus.[5]

Baanes, cheio de sabedoria, pegou 200 escudos de couro e os prendeu a 100 mulas selvagens, colocando um pedaço de ferro em cada lado do escudo. Então, com 8 000 homens sob sua direção, foi perto do campo do Hon que havia sido substituído por Tigranes. Acampou perto do penhasco que fica em frente aos montes Tauro e ficou separado dos outros campos. Baanes pegou as 100 mulas selvagens e levou-as à borda do acampamento com um homem acompanhando cada 10 mulas. Com suas espadas, incitaram as mulas no acampamento enquanto as seguiam, soando as trombetas de guerra. Começaram a cortar as pessoas próximas, gritando e aterrorizando persas e fazendo uma grande confusão. As mulas invadiram o acampamento de todas as direções, atormentadas pelos ruídos dos escudos, pela gritaria dos soldados e pelo clamor das trombetas. As tropas persas pensaram que os atacantes estavam montados e que o barulho das espadas era o resultado de um massacre. Cada homem só poderia gritar "Vay!" não conhecendo o estado real das coisas, pois o Senhor lutou contra eles.[5]

Após tal sucesso, volta a tenda de Simbácio que nomeia-o tenente durante a noite, com 4 000 homens. Pouco depois, o exército persa atacou Simbácio como enxame de abelhas. Simbácio começou a enfraquecer, pois era um homem velho. Levantou a voz e gritou: "Onde você está Baanes, meu filho? Venha para mim". E ele gritou para São Precursor: "Oh João Precursor, batizador de Cristo, a hora chegou. Onde estão as orações dos meus santos clérigos?" Entrando em batalha, Baanes espalhou as pessoas reunidas sobre seu pai. Os armênios tomam a dianteira do combate e os persas recuam. Simbácio os persegue e os alcança no dia seguinte. Os persas foram reforçados por 3 000 soldados armênios, obrigando o exército de Simbácio a descer à margem do rio Aracani através da passagem de Marcuque e lá acampar. Perseguidos pelos persas e encurralados no rio, Simbácio coloca toda sua esperança em Deus, cuja intervenção através de São Precursor (que aparece como um homem luminoso, cujos cabelos lançam luz) permitiu-os contra-atacar. Quando Baanes o viu e soube que o homem era Precursor, alegremente atacou matando 3 000 soldados. Conduzindo o resto diante dele através de Astegunque / Astegonque, forçou-os a descer até que estivessem em frente à igreja. O inimigo queria subir ao mesmo lugar e matar os clérigos, mas foram abatidos primeiro. Os remanescentes fugiram à floresta que fica em frente ao mosteiro e se esconderam ali, mas Baanes apressadamente foi lá e os colocando à espada, deixando nenhum vivo.[5]

18 anos depois, Cosroes enviou 50 600 soldados a Taraunita com intenção de atacar o Mosteiro de Glaco e pegar os ossos de seus inimigos. Eles acamparam em Muxe e Baanes convocou seu filho Tigranes I e lhe disse:[6]

Meu filho, não seja enganado em pecado porque você é poderoso, e não seja enganado por mulheres bonitas por causa de sua juventude. Em vez disso, lembre-se de seus pais e com que santidade e pureza serviram a Deus. não se esqueça do serviço a São Precursor, pois nas batalhas foi ele quem nos ajudou. Se você quer viver muito tempo, não seja tentado à devassidão. E se eu morrer em guerra, tenho meus restos levados para Servir a Deus e aos seus clérigos com santidade como eu, pois não fui enganado pela beleza nem expulsei ou assediei os desafortunados, pois cuidei de todos sob a autoridade, homens, mulheres e crianças, crentes em Cristo, como irmãos e famílias de meu país como meus pais fizeram, com preocupação. Filho, se você fizer o mesmo, o Senhor fortalecerá você. Agora vamos à batalha.
 
João Mamicônio, História de Taraunita, capítulo V.

Foram à batalha, enviaram carta ao abade Gregório e levaram à batalha 385 clérigos encapuzados. Quando a batalha começou nas margens do rio Aracani próximo a floresta chamada Colina de Cagamaqueaque, os clérigos vestidos de preto usando camisas de pelo e bois também estavam presentes e para cada 10 homens havia um sineiro, e entre cada 2 homens uma bandeira num suporte alto. Eles se aglomeraram em frente um do outro, do outro lado do rio na planície. Quando o inimigo viu isso, ficaram surpresos. O comandante persa Varduri não entrou em batalha, mas disse: "Vou ver o que eles fazem." Quando a batalha começou e os armênios quiseram fugir (ou postadores dos escudos, dependendo da tradução), então os clérigos dobraram seus joelhos e em uníssono imploraram a Deus com orações chorosas: "Ó Senhor, vence a nossa batalha. Ó Precursor, ouça as vozes de seus servidores." Tendo dito isso juntos, se levantaram, fizeram o sinal da cruz e se voltaram contra o inimigo, com os sinos soando fortes.[6]

Baanes olhou à brigada dos clérigos e viu em sua ala direita um jovem de aparência impressionante usando na cabeça uma coroa roxa e uma cruz. De suas vestes fogo brilhou. Diante dele, Baanes viu dois outros jovens com asas. Quando o inimigo viu isso, ficaram furiosos e se amontoaram no rio. Aqueles que chegaram ao outro lado se dirigiram para Megueti. Agora Baanes chamou Tigranes e as outras tropas, dizendo: "Eis que o Senhor da Criação, Cristo, aparece entre os seus servos. Porque Ele é seu rei e o rei de todos nós Quem deu ouvidos às vozes de Seus servos e desceu para salvá-los e a nós. Agora vá atrás do inimigo! " Os ímpios persas chegaram a Megueti, encontraram 12 antigos clérigos e os mataram. Baanes entrou no rio, amarrou o cavalo de costas junto com sua arma e cruzou para o outro lado, para a aldeia chamada Parsiquedem. Todos os soldados de Baanes se reuniram lá. E os clérigos estavam rezando no mesmo lugar até que o abade os alcançou com a cabeça do chefe dos iranianos, Varduri. Baanes expulsou os soldados inimigos e chegou à planície acima de Matravanque, onde fez um círculo e enfileirou suas tropas em formação de batalha. Depois encontra-se com Varazes e seu filho Simbácio e é dito que estava fatigado por ter matado muitos inimigos.[6]

Em cerca de 627, no 17º ano do reinado do imperador Heráclio (r. 610–641), Baanes foi a Cesareia, deu ao patriarca João 36 000 daecans e levou um pedaço da Vera Cruz à Igreja de São Precursor no Mosteiro de Glaco, onde foi colocado num armário no altar, onde permaneceu por 6 anos. Nesse tempo, o católico Narses III, o Construtor (r. 641–661) foi a Glaco para ver a Vera Cruz acompanhado de Baanes, mas não a encontraram. Os príncipes, o católico e os bispos lamentaram e por sete dias Baanes não comeu nem bebeu. Quando dormia próximo a porta da igreja na sexta, Baanes viu-se com um homem luminoso que cruzada sobre os limites da igreja e disse: "Me roubaram e construíram Arzeque. Então permita que [fique lá], desde que aquele país é seguro e não podem roubar de lá". Baanes acordou cheio de alegria e correu para informar o católico. No dia seguinte, uma celebração foi realizada e depois todos foram ao lugar mostrado na visão de Baanes, o clérigo que roubou a Vera Cruz foi entregue ao católico que ordenou que seus dois olhos fossem arrancados pelo roubo e Baanes lidou com os dois nobres que ordenaram o roubo: Cicarnique foi decapitado e Jorge, o Tagarela foi levado à fortaleza de Ogecano e lá ficou até pagar 100 000 daecans. Baanes construiu a igreja situada na colina de Muxe em homenagem a seu filho mais novo, Estêvão (que estava enterrado na porta da mesma igreja), e deu a cruz ao bispo de Arzeque. Depois disso, Baanes falece e é sepultado na Igreja de São Precursor.[7]

Referências

  1. a b c Toumanoff 1990, p. 331-332.
  2. Settipani 2006, p. 147.
  3. Bedrosian 1985, Colofão.
  4. a b Bedrosian 1985, Capítulo III.
  5. a b c d Bedrosian 1985, Capítulo IV.
  6. a b c Bedrosian 1985, Capítulo V.
  7. Bedrosian 1985, História.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Settipani, Christian (2006). Continuidade das elites em Bizâncio durante a idade das trevas. Os príncipes caucasianos do império dos séculos VI ao IX. Paris: de Boccard. ISBN 978-2-7018-0226-8 
  • Toumanoff, Cyril (1990). Les dynasties de la Caucasie chrétienne de l'Antiquité jusqu'au xixe siècle: Tables généalogiques et chronologiques. Roma: Edizioni Aquila