Custódio Ferreira Leite

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Barão de Aiuruoca)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Custódio Ferreira Leite
Custódio Ferreira Leite, barão de Aiuruoca. Note-se em seu peito a insígnia da Imperial Ordem de Cristo.
Dados pessoais
Nascimento 3 de dezembro de 1782 Rio das Mortes
Morte 17 de novembro de 1859 (76 anos) Mar de Espanha
Nacionalidade Brasil
Vida militar

Custódio Ferreira Leite, primeiro e único barão de Aiuruoca (Rio das Mortes, atual São João del-Rei, 3 de dezembro de 1782Mar de Espanha, 17 de novembro de 1859), foi um cafeicultor e político brasileiro, que teve papel destacado na história do vale do Paraíba, principalmente das cidades de Barra Mansa, Mar de Espanha, Sapucaia e Aiuruoca. Foi, à época, uma das maiores, senão a maior fortuna da província de Minas Gerais.[1]

Décimo filho do português José Leite Ribeiro e de Escolástica Maria de Jesus Moraes, era irmão de Francisca Bernardina do Sacramento Leite Ribeiro, baronesa consorte de Itambé, e de Francisco Leite Ribeiro, capitão de Ordenanças e Comendador da Imperial Ordem da Rosa. Foi também tio dos barões de Vassouras e de Itamarandiba, e tio-avô dos barões de Santa Margarida e de Vidal, da filantropa Eufrásia Teixeira Leite, da viscondessa consorte de Taunay, e de Domiciano Leite Ribeiro, Grande do Império e visconde de Araxá.

Bacharel em direito, casou-se com Teresa Maria Rosa de Magalhães Veloso, com quem teve ao menos três filhos que chegaram à idade adulta: José Custódio Ferreira Leite; Antonio de Pádua Ferreira Leite e Francisco Galdino Ferreira Leite.

Juntamente com seus familiares o barão de Itambé e seu irmão o Comendador Anastácio Leite Ribeiro, inaugurou em 1820 a Estrada da Polícia, ligando o Rio de Janeiro às Minas Gerais.[2] Depois de passar por Barra Mansa, Piraí, Vassouras e Valença, fixou-se definitivamente com seu irmão Francisco José em Mar de Espanha.[1]

O viajante George Gardner, ao visitar suas fazendas em 1841, relatou que a produção dos cafezais de suas propriedades atingira as dez mil arrobas por safra, e na de seu irmão Francisco, onze mil. Segundo ele, suas propriedades produziam ainda queijo, açúcar e aguardente que eram vendidos aos mercados do Rio de Janeiro.[3]

Como muitos membros da elite colonial, foi também um importante comerciante e utilizador da mão-de-obra escrava, e registros apontam que traficou ao menos 267 escravos, em 8 remessas, com destino às suas fazendas no interior de Minas Gerais.[4] As mesmas fontes apontam que, somados, outros membros de sua família traficaram mais de mil escravos durante a mesma época,[4] e seu irmão Francisco, ao falecer, deixou como herança, dentre numerosos bens, 228 escravos.[1]

Comendador da Imperial Ordem de Cristo, recebeu o baronato por decreto de 14 de maio de 1855 de D. Pedro II,[5] por seu esforço no desenvolvimento do Vale do Paraíba. Seu título, originalmente grafado Ayuruoca, faz referência à cidade de Aiuruoca, cujo nome em tupi significa "casa dos papagaios".[6]

Coronel da Guarda Nacional, tomou assento na Assembléia Provincial de Minas Gerais durante o biênio 1858/1859.

Foi "benemérito e emancipador" da cidade de Mar de Espanha, tendo sido o responsável por encaminhar ao governo provincial seu atual nome, que substituiu o anterior "Arraial do Cágado".[7] Fundou o vilarejo de Barra Mansa.[8]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c Carrara, Angelo Alves (1999). Estruturas agrárias e capitalismo: contribuição para o estudo da ocupação do solo e da transformação do trabalho na zona da Mata mineira (séculos XVIII e XIX). Mariana: [s.n.] ISBN 85-288-0031-8 
  2. Oliveira, Mônica Ribeiro. «Avô imigrante, pai lavrador, neto cafeicultor: análise de trajetórias intergeracionais na América Portuguesa (séculos XVIII e XIX)». Varia Historia. doi:http://dx.doi.org/10.1590/S0104-87752011000200012 Verifique |doi= (ajuda). Consultado em 2015  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  3. Gardner, George (1942 [1846]). Viagens no Brasil. São Paulo: Nacional. p. 447-8  Verifique data em: |ano= (ajuda)
  4. a b Martins, Roberto Borges. «A TRANSFERÊNCIA DA CORTE PORTUGUESA PARA O BRASIL: IMPACTOS SOBRE MINAS GERAIS». Anais do XIII Seminário sobre a Economia Mineira. Consultado em 2015  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  5. Brügger, Silvia Maria Jardim (2007). Minas patriarcal: família e sociedade, São João del Rei, séculos XVIII e XIX. São Paulo: Annablume. ISBN 8574197084 
  6. CÓDICE Costa Matoso (1999). Coleção das notícias dos primeiros descobrimentos das minas da América que fez o doutor Caetano da Costa Matoso sendo ouvidor-geral das de Ouro Preto, de que tomou posse em fevereiro de 1749 & vários papéis. Belo Horizonte: Fundação João Pinheiro. p. 183 
  7. Fallabela, Nicola (2003). Antes que a luz se apague: Memórias. Belo Horizonte: Lê. p. 31 
  8. Fridman, Fania. «As cidades e o café» (PDF). Revista Rio de Janeiro, n. 18-19, jan.-dez. 2006. Consultado em 2015  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.