Beni Haçane

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Beni Haçane
بني حسن
Vista exterior das tumbas de Queti e Baquete III
Localização atual
Beni Haçane está localizado em: Egito
Beni Haçane
Localização de Beni Haçane no Egito
Coordenadas 27° 56' N 30° 53' E
País  Egito
Dados históricos
Fundação Idade do Bronze
Abandono século XVIII a.C.
Notas
Escavações Desde anos 1900
Acesso público Sim

Beni Haçane ou Bani Haçane (em árabe: بني حسن‎; transl.: Beni Hasan) é uma necrópole do Antigo Egito situada na margem direita do rio Nilo, cerca de 23 quilômetros ao norte de Minia, no Médio Egito, entre Assiute e Mênfis. Foi usada no Reino Médio durante as XI e XII dinastias (2125–1795 a.C.), apesar de haver tumbas da VI dinastia (2345–2181) do Reino Antigo.[1][2] Há 39 tumbas de pedra, das quais várias pertencem aos nomarcas do nomo do Órix, que governaram em Hebenu. Pela qualidade e distância das falésias no oeste, foram construídas na margem direita. Há uma distribuição espacial na necrópole (há dois cemitérios, um superior e outro inferior) ligada aos diferentes níveis de recursos disponíveis ao falecido; as pessoas mais importantes foram enterradas perto do topo do penhasco.[3]

Na necrópole inferior, há 888 tumbas de poço do Reino Médio, escavadas por John Garstang nos anos 1900; em sua maioria, partilham um desenho geral semelhante que incluía uma pequena câmara ou recesso ao pé do poço (voltado para o sul) para receber o caixão e os depósitos fúnebres.[4] Alguns dos túmulos das XI e XII dinastias estão decoradas com pinturas murais de rituais funerários e cenas da vida cotidiana, incluindo comerciantes do Oriente Próximo, cenas de batalhas e filas de lutadores, enquanto os túmulos na necrópole inferior, todos não decorados, possuíam caixões pintados e modelos, formas e importantes corpos ligados às crenças funerárias do Reino Médio. No extremo sul do sítio, há um templo de pedra do Reino Novo, a Gruta de Ártemis.[5]

Referências

  1. Baines 2000, p. 120.
  2. Robins 1997, p. 8.
  3. Richards 2005, p. 80.
  4. Garstang 1907, p. 45.
  5. Shaw 1995, p. 52.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Baines, John; Malek, Jaromir (2000). Cultural Atlas Of Ancient Egypt. Revised Edition. Condado de Oxônia, Inglaterra: Andromeda Oxford Limited 
  • Garstang, John (1907). The Burial Customs of Ancient Egypt. Londres: Archibald Constable & Co Ltd 
  • Richards, Janet (2005). Society And Death In Ancient Egypt. Cambrígia: Cambridge University Press 
  • Robins, Gay (1997). The Art Of Ancient Egypt. Cambrígia, Massachusetts: Harvard University Press 
  • Shaw, Ian; Nicholson, Paul (1995). «Beni Hasan». In: Harry N. Abrams. The Dictionary of Ancient Egypt (em inglês). Nova Iorque: Princeton University Press. ISBN 0810932253