Benny Parsons

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde janeiro de 2017). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Benny Parsons
Nascimento 12 de julho de 1941
Condado de Wilkes
Morte 16 de janeiro de 2007 (65 anos)
Charlotte
Cidadania Estados Unidos
Ocupação piloto de automóvel, locutor desportivo
Causa da morte cancro do pulmão
Página oficial
http://www.BennyParsons.com/

Benny Parsons (Condado de Wilkes, Carolina do Norte, 12 de julho de 1941Charlotte, Carolina do Norte, 16 de janeiro de 2007), foi um condutor de NASCAR norte-americano, e mais tarde um locutor/analista na TBS, ESPN, NBC e TNT. Tornou-se famoso em 1973 como o vencedor da Winston Cup (actual NEXTEL Cup) da NASCAR.

As suas alcunhas eram BP e The Professor, a últina, em parte, devido aos seus comentários populares e comportamento descontraído.

Antes da NASCAR[editar | editar código-fonte]

Parsons passou os anos da sua infância nas "Blue Ridge Mountains" da Carolina do Norte e jogou futebol no liceu de Millers Creek no Condado de Wilkes. Depois de acabar o liceu, mudou-s epara Detroit, Michigan onde o seu pai onde o seu pai operava uma companhia de táxis. Parsons trabalhou num posto de gasolina e conduziu táxis em Detroit antes de entrar para a competição da NASCAR.

Carreira de condutor[editar | editar código-fonte]

Carro de Benny Parsons na NASCAR em 1983.

Parsons começou a sua carreira na NASCAR fazendo uma corrida em 1964 por Holman-Moody com um jovem Cale Yarborough. Venceu o campeonato do Auto Racing Club of America em 1968 e 1969. Parsons acabou entre o terceiro e o quinto lugar nas pontuações finais entre 1974 e 1980. Venceu a Daytona 500 em 1975. Venceu a World 600 de 1980, em Charlotte.

Apareceu no filme "Stroker Ace" (1983), de Burt Reynolds.

Parsons correu em cerca de metade das corridas entre 1983 e 1986 para o proprietário Johnny Hayes. A vitória de final de carreira de Parsons veio com a Coca-Cola 500 em Atlanta.

Parsons correu para Junie Donlavey na sua época final na NASCAR, em 1988.

Prémios e Estatísticas[editar | editar código-fonte]

Locutor da NASCAR[editar | editar código-fonte]

Começou a fazer locução na década de 1980 na ESPN e na TBS enquanto ainda corria em part-time. Depois de se retirar permanentemente, em 1988, Parsons tornou-se um locutor; primeiro na ESPN, e depois na NBC e na TNT em 2001. Recebeu um Emmy ESPN em 1996, e o ACE Award em 1989.

Parsons co-actuou como mestre de cerimónias na cobertura da Winston Cup Qualifying na "North Carolina radio station" (WFMX) com Mark Garrow no início da década de 1990. Continuou a apresentar um programa de rádio chamado "Fast Talk with Benny Parsons" na "Performance Racing Network" (PRN) até à sua morte.

Em 2005, Parsons fez uma aparição como ele próprio no filme "Herbie: Fully Loaded". Em 2006, apareceu novamente como ele próprio em "Talladega Nights: The Ballad of Ricky Bobby".

Doença e Morte[editar | editar código-fonte]

Parsons começou a ter problemas respiratórios no Verão de 2006. Foi-lhe diagnosticado um cancro do pulmão. Ele anunciou mais tarde que o tratamento fora um sucesso. Teve então dificuldade em respirar, o que justificou com o facto de a radioterapia lhe ter danificado o pulmão esquerdo, tornando-o inapto para funcionar correctamente. Os médicos disseram que o seu corpo se ajustaria ao pulmão saudável.

A sua saúde privou-o de comparecer a uma cerimónia em Novembro de 2006, na qual seria agraciado com o Myers Brothers Award, honrando as suas contribuições para a corrida.

No dia 26 de Dezembro de 2006, Parsons foi re-hospitalizado e internado nos cuidados intensivos devido a complicações relacionadas com o cancro do pulmão.

No dia 16 de Janeiro de 2007, Parsons morreu, aos 65 anos, devido a complicações no tratamento ao cancro do pulmão na Unidade de Cuidados Intensivos do Carolinas Medical Center, em Charlotte.