Bosque da Princesa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Bosque da princesa é um local brasileiro aprazível e bucólico, criado em 1868 no município de Pindamonhangaba, sendo conhecido antigamente como Largo do Porto, em razão do porto fluvial que lá havia, sendo desativado 1 ano depois, após a construção da E.F.C.B. - Estrada de Ferro Central do Brasil.

Neste bosque podem ser encontrados diversos exemplares de espécies vegetais de mata nativa, bem como de espécimes exóticas, sendo algumas delas espécimes trazidas do Jardim Botânico pelo Imperador D. Pedro II. Nessa época do Império, o bosque foi visitado pelo casal imperial Conde D'Eu e Princesa Isabel.

Nos primeiros tempos, havia apenas caminhos e alamedas, mas na década de 1970, recebeu o parque infantil, banheiros masculino e feminino, 3 lagos com 2 pontes, coreto e bancos simulando troncos de árvores.

Entre as várias espécies temos o Pau-Brasil, Jambolão ou Jamelão, Tamarindo, palmeiras imperiais, Cajá-manga, Araçá, e outras mais, além de uma mina d'água natural, que brota do terreno acima, onde está localizado o Museu Histórico e Pedagógico "D. Pedro I e Dª Leopoldina; mina esta, que forma 3 lagos, repletos de belas tilápias.

História em resumo[editar | editar código-fonte]

  • Em 1952, de acordo com a Lei Municipal nº 113, surgiu o titulo "Bosque da Princesa".[1]
  • Em 1970,houve sua primeira remodelação,recebeu o parque infantil, banheiros masculino e feminino, 3 lagos com 2 pontes, coreto e bancos simulando troncos de árvores, além de uma limpeza geral com poda e cortes de algumas arvóres.
  • Em 1978 houve a criação do rancho do Bosque, um bar e restaurante e também o serviço de passeio de barco. Anos depois transformou-se em casa noturna com bar e pista de dança, após algum tempo abrigou o departamento de Educação e Cultura, o Conselho Municipal de Turismo e o serviço de merenda escolar.
  • Em 1984 cogitou-se a possibilidade de transforma-lo em museu florestal.
  • Em 1990 foi novamente remodelado, com a participação do artesão Zé Monteiro.
  • Em 2007 o Bosque passou por um programa de revitalização, contando com um trabalho de mapeamento das árvores existentes no local, ao todo o Bosque conta com 669 árvores e 53 espécies mapeadas, recebeu também nova iluminação, e melhoria de toda sua infra-estrutura, passando então a ficar aberto até as 22h, para visitação, prática de esportes, além de programas culturais como o "Domingo no Bosque","Luar no Bosque","Pescaria no Bosque",e apresentações musicais, capoeira, apresentação de bandas e uma feira de artesanato local.
Pindamonhangaba - SP

Principais pontos turísticos[editar | editar código-fonte]

Biblioteca Municipal[editar | editar código-fonte]

O Bosque conta também com uma biblioteca, considerada uma das melhores do Estado, com cerca de 40.000 volumes.

Notas Pitorescas[editar | editar código-fonte]

O Bosque foi palco de muitos amores,tragédias,tradições e histórias engraçadas, vamos ver algumas:

Tragédia no Bosque[editar | editar código-fonte]

No século XIX iniciou-se um romance entre dois jovens de diferentes classes sociais. Quando suas famílias tomaram conhecimento foram contra o namoro. Após dois anos de encontros escondidos, o amor cada vez mais ardente, não podiam mais viver separados Certa noite, o casal combinou um encontro no bosque. O rapaz que era estudante de medicina, levou com ele um frasco com veneno. Os dois sentaram-se embaixo de ipê amarelo e de comum acordo, tomaram o veneno e adormecendo para sempre. Na manhã seguinte, os corpos foram encontrados por um pescador, cobertos de flores amarelas. A partir desse dia o ipê foi secando até morrer e durante algum tempo no local onde o casal foi encontrado, não brotou nenhum tipo de vegetação.

Cemitério de Escravos[editar | editar código-fonte]

Contam os antigos que antes de se tornar Bosque naquele local havia um cemitério de escravos, e por isso ouviam sons de corrente, gritos e luzes de velas, que passavam de um lado ao outro.

A figueira torta[editar | editar código-fonte]

O Bosque é mesmo um lugar de romance, contam os antigos que havia no bosque uma figueira que era muito usada pelos casais para se encostar e fugir dos olhares curiosos. Com o passar do tempo à figueira foi entortando e ficando cada vez mais torta.

Tradição das Noivas de Pindamonhangaba[editar | editar código-fonte]

O bosque também é usado como cenário de pedidos de namoro e casamento, e muitos desses casais após a cerimônia religiosa do casamento dirigem-se ao bosque para tirar fotos, para que conste em seu álbum de casamento,após ser feito isso retornam a festa.

Horário de Funcionamento[editar | editar código-fonte]

Horário de funcionamento do Bosque da Princesa: Diariamente, das 6h às 20h

Entrada: franca

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • [1] - Site da Prefeitura.