Brito (apelido)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde dezembro de 2015).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas.
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde dezembro de 2015).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde dezembro de 2015)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.
Ambox grammar.svg
Esta página ou secção precisa de correção ortográfico-gramatical.
Pode conter incorreções textuais, podendo ainda necessitar de melhoria em termos de vocabulário ou coesão, para atingir um nível de qualidade superior conforme o livro de estilo da Wikipédia. Se tem conhecimentos linguísticos, sinta-se à vontade para ajudar.
Brasão de Armas da Família Brito.
Escudo do Brasão de Armas da Família Brito.

A família Brito tem raízes originárias na vila de Brito, por volta de 1033 da era cristã, onde vivia Dom Hero de Brito, Senhor de muitas herdades em Oliveira, Carrazelo e Subilhães, todas situadas entre o rio Ave e a Portela dos Leitões, região muito rica e onde se encontrava o Solar dos Brito. Dom Hero foi também fundador do Mosteiro de Oliveira, Par do Reino e Conselheiro do Rei de Castela e Leão, Dom Afonso V, tornando-se nobre da corte. Posteriormente, ao longo dos séculos, esta família teve oscilações no seu nível nobiliárquico.

No ano de 1608, o rei D. Filipe II de Portugal (Filipe III de Espanha) fez a concessão de novas armas a Filipe de Brito Nicote, como forma de pagamento pelos vários serviços que este deu à Coroa na conquista do Reino de Pegu e também na defesa da fortaleza de Seriam.

Brasão de armas antigas[editar | editar código-fonte]

O brasão tem origem no ano de 1072, possuindo cor vermelha, com nove lisonjas em cor de prata, estas apontadas e firmadas nas bordas do escudo, postas em três fileiras com três lisonjas cada, na qual cada lisonja contêm um leão na cor púrpura, presente também no timbre do escudo.

Novas armas atribuídas a Filipe Brito Nicote[editar | editar código-fonte]

Estas novas armas apresentam-se com um escudo cortado, sendo a primeira parte de cor vermelha, apresentando um castelo de ouro, lavrado a negro, encontra-se aberto e iluminado de azul. É flanqueado de seis besantes em cor de prata alinhados em pala, três à destra e três à sinistra. A segunda parte do escudo apresenta-se em cor de prata, ondado de azul. O Timbre é o castelo do escudo, encimado por um dos besantes.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Dicionário das Famílias Portuguesas, D. Luiz de Lancastre e Távora, Quetzal Editores, 2ª Edição, Lisboa, pg. 113.
  • A Descendência Portuguesa de El-Rei D. João II, Fernando de Castro da Silva Canedo, Fernando Santos e Rodrigo Faria de Castro, 2ª Edição, Braga, 1993, vol. III-pg. 45.
  • Gayo,Manoel J.c.Felgueiras;Biblioteca Publica Nacional;on line; famílias Brito,Cardoso.
Ícone de esboço Este artigo sobre heráldica é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.