Cœur fidèle

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Cœur fidèle
França
87 min 
Direção Jean Epstein
Roteiro Jean Epstein
Marie Epstein
Elenco Gina Manès
Léon Mathot
Edmond Van Daële
Marie Epstein
Companhia(s) produtora(s) Pathé
Lançamento 23 de novembro de 1923
Idioma filme mudo
intertítulos em francês

Cœur fidèle é um filme de drama francês de 1923 dirigido por Jean Epstein. Tem o título alternativo inglês Faithful Heart. O filme conta uma história melodramática de romance frustrado, tendo como pano de fundo as docas de Marselha e experiências com muitas técnicas de trabalho de câmera e edição.

Enredo[editar | editar código-fonte]

Marie (Gina Manès) era uma órfã adotada por um dono de bar e sua esposa no porto de Marselha, e agora ela é duramente explorada por eles como serva no bar. Ela é desejada por Petit Paul (Edmond van Daële), um leigo teimoso, mas está secretamente apaixonada por Jean (Léon Mathot), um estivador. Marie é forçada a sair com Petit Paul, mas Jean os segue para um recinto de feiras onde os dois homens lutam. Na briga, um policial é esfaqueado e, enquanto Petit Paul escapa, Jean é preso e preso. Um ano depois, Jean reencontra Marie, agora com um bebê doente e vivendo com Petit Paul, que gasta todo o seu dinheiro em bebida. Jean tenta apoiar Marie, ajudada por uma mulher aleijada (Marie Epstein, creditada como "Mlle Marice"), que mora na casa ao lado; Mas Petit Paul, alertado por fofocar vizinhos que Jean está vendo Marie, retorna para um confronto violento, desta vez armado com uma arma. Na luta que se segue, a mulher aleijada obtém a arma e mata Petit Paul. Em um epílogo, vemos Jean e Marie finalmente livres para amar umas às outras, embora seus rostos sugiram que a experiência tenha afetado suas vidas.

Produção e estilo[editar | editar código-fonte]

Jean Epstein já havia se estabelecido como um teórico do cinema com a publicação de vários livros, e ele começou a explorar suas idéias na prática com seus dois primeiros filmes, Pasteur (1922) e L'Auberge rouge (1923). Epstein agora escolheu filmar uma história simples de amor e violência "para ganhar a confiança daqueles, ainda tão numerosos, que acreditam que apenas o melodrama mais baixo pode interessar ao público", e também na esperança de criar "um melodrama tão despojado todas as convenções normalmente ligadas ao gênero, tão sóbrias, tão simples, que poderiam se aproximar da nobreza e excelência da tragédia ". [1] Ele escreveu o cenário em uma única noite.

Epstein ficara muito impressionado com a recém-concluída La Roue, de Abel Gance, e em Cœur fidèle ele aplicava de forma semelhante edição rítmica, sobreposições, close-ups e tomadas de ponto de vista. A sequência de abertura estabelece a situação de Marie no bar do porto por meio da montagem: vemos imagens em close do rosto, das mãos e da mesa e dos óculos que ela está limpando. Mais tarde, imagens do mar e do porto são intercaladas e cobertas para transmitir seu relacionamento com Jean. A sequência mais célebre do filme, ambientada em um recinto de feiras, emprega edição rítmica para traçar a crescente tensão do triângulo amoroso. Na segunda metade do filme, Epstein emprega efeitos de iluminação dramáticos e efeitos de distorção da lente para transmitir o melodrama da situação, bem como estados subjetivos, como o consumo de Petit Paul.

Os experimentos técnicos do filme são equilibrados por todo o realismo do cenário. Os personagens não são glamourosos e pertencem a um ambiente de classe trabalhadora, vivendo em alojamentos baratos, frequentando salas de bar ásperas. Cœur fidèle é um dos vários filmes antigos a utilizar a localização do porto de Marselha (na esteira da Fièvre de Louis Delluc e aguardando a chegada de Alberto Cavalcanti à En rade), e as imagens evocativas de navios imponentes e cais desertos contribuem a um estilo que se caracterizaria na próxima década e meia como "realismo poético" (cf. L'Atalante, Quai des brumes (Porto das Sombras)).

Recepção[editar | editar código-fonte]

O filme não foi um sucesso com o público. Sua corrida inicial em Paris em 1923 foi encerrada após três dias (devido a disputas entre o público). Um relançamento no ano seguinte viu um declínio constante no tamanho de seu público. [2] Entre críticos e outros cineastas, no entanto, Cœur fidèle atraiu considerável atenção e continuou a fazê-lo. Georges Sadoul disse que o filme "foi uma sensação, e foi permanecer o melhor filme de [Epstein]"; "nos toca ainda por sua fidelidade à vida cotidiana". [3] René Clair escreveu entusiasticamente sobre isso: " Cœur fidèle deve ser visto se você quiser entender os recursos do cinema hoje. ...Para um filme ser digno do cinema, isso já é um milagre muito bem vindo! Cœur fidèle é digno disso em mais de uma conta." [4]

Referências

  1. Jean Epstein. Présentation de "Cœur fidèle", in Écrits sur le cinéma, 1, 124 (jan. 1924) [quoted in Richard Abel, French cinema: the first wave 1915-1929 (Princeton University Press, 1984), p.360.
  2. Richard Abel, French cinema: the first wave, 1915-1929. (Princeton University Press, 1984). p.359.
  3. Georges Sadoul, Le cinéma français, (Flammarion, 1962): "Cœur fidèle fit sensation, et devait rester sa meilleure oeuvre." (p.29); "Et Cœur fidèle nous touche encore, par sa fidélité au quotidien." (p.30)
  4. René Clair, Cinéma d'hier, cinéma d'aujourd'hui. (Gallimard, 1970), quoted in booklet accompanying Pathé Classique DVD (2007): "Il faut voir Cœur fidèle si l'on veut connaître les ressources du cinéma d'aujourd'hui. […] Qu'un film soit digne du cinéma, voilà déjà un bien plaisant miracle! Cœur fidèle en est digne à plus d'un titre."

Ligações externas[editar | editar código-fonte]