Cabelo preto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde Maio de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Jovem etnicamente japonesa de cabelos pretos.

O cabelo preto ou cabelo negro é caracterizado por sua presença como cor de cabelo predominante da humanidade, especialmente nos povos de raça não-europeia fora do Pacífico Sul.

Embora em algumas regiões da África, da Ásia e do extremo norte da América haja uma eventual presença de cabelos castanhos entre povos indígenas (devido à migração de pessoas com algum percentual mínimo de ascendência europeia ou médio-oriental ou a uma mutação independente na região ao redor do estreito de Bering), na Oceania haja um gene diferente do europeu que causa cabelos louros, e o gene causador do rutilismo originou-se na África subsaariana e espalhou-se para todos os continentes menos o americano (os povos ameríndios são descendentes de uma população fundadora composta por apenas 68 indivíduos, embora haja uma maior variação genética entre os Na-Déne e os esquimós), com exceção da eventual expressão de uma mutação recessiva de um gene não relacionado ao laurismo dos europeus entre 55% dos aborígenes australianos, os números de cores diferentes de cabelo nestas regiões são muito minoritários.

Em contraste com os cabelos loiros, loiro-alaranjados, grisalhos ou brancos (por poliose ou albinismo), o cabelo preto possui grande quantidade do pigmento biológico melanina, e em constraste com cabelos alaranjados, vermelhos ou castanho-avermelhados, quantidade muito mais intensa da eumelanina (em contraste com estes tons, ricos em feomelanina e pobres em eumelanina). Considera-se que essa tonalidade, ou pelo menos uma tonalidade bastante escura, era a cor original do cabelo do Homo sapiens, já que possui grande distribuição pelo mundo e as mutações responsáveis por cabelos de cores diferentes são relativamente recentes, com exceção da mutação que causa cabelos láureos nos aborígenes e melanésios, ou antigas porém minoritárias em qualquer grupo humano antes de muito recentemente, como o rutilismo que causa cabelos avermelhados, ou quando na presença de genes que também conferem o blondismo, cabelos ruivos vívidos.

Cabelo preto nos países lusófonos[editar | editar código-fonte]

Cabelo preto em Portugal[editar | editar código-fonte]

A atriz Carmen Miranda é um exemplo de portuguesa de cabelo preto

Entre pessoas etnicamente europeias nos quatro cantos do mundo (denominados brancos, ou raramente, ocidentais), cabelos pretos são raros, entretanto pessoas indígenas de cabelos pretos são encontradas em números minoritários por todo o continente europeu, inclusive na Escandinávia, por causa da influência genética dos lapões e dos povos fino-úgricos vizinhos. Mais comuns entre pessoas etnicamente europeias são os cabelos castanhos-profundos e castanhos escuros.[carece de fontes?]

A maioria da população portuguesa tem tom de cabelo variando do castanho-profundo ao castanho claro, sendo a presença de cabelos loiros, ruivos e castanho-avermelhados também comuns, especialmente para os padrões de uma região do Sul da Europa tão próxima do Médio Oriente ou do Norte de África.[carece de fontes?]

Cabelo preto no Brasil[editar | editar código-fonte]

A jornalista Maju Coutinho é um exemplo de brasileira de cabelo preto

Cabelos pretos ou castanhos escuros são provavelmente o tom dominante da América Latina, devido à miscigenação que caracteriza esta região do mundo. Embora ~65-77% do DNA brasileiro seja traçado à Europa, o fato dos genes que caracterizam traços fenotípicos estereotipicamente europeus serem recessivos faz com que a aparência "morena" ou "mestiça" seja dominante nesta população, com o percentual de pessoas autodeclaradamente brancas superando o de pardas por apenas 5,3% de acordo com o censo demográfico do IBGE de 2010.


No Brasil, pessoas de diversas "raças" (a forma como pessoas desta nação se referem a uma gama enorme de fenótipos, em distinção dos conceitos tradicionais europeus quanto ao termo) podem vir com todas as cores de cabelos e olhos diferentes, e é acreditado que suas pessoas negras (com 37.1% de ascendência europeia e 12.8% de ascendência ameríndia em média) geralmente possuem cabelos castanhos. O nome que se dá ao negro, mulato ou juçara (mestiço de cafuzo com europeu, mulato/sarará com indígena, caboclo com africano, caboclo com mulato/sarará, ou qualquer raça com juçara) que possui cabelos loiros ou ruivos é sarará, e o nome que se dá ao negro, mulato ou juçara albino é negro-aço.[carece de fontes?]

Galeria[editar | editar código-fonte]

Notas e referências

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Cabelo preto