Calau-grande

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Como ler uma infocaixa de taxonomiaCalau-grande
Dzioborozec abisynski Bucorvus abyssinicus RB2.jpg
Estado de conservação
Espécie vulnerável
Vulnerável (IUCN 3.1)
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Aves
Ordem: Bucerotiformes
Família: Bucorvidae
Género: Bucorvus
Espécie: B. abyssinicus
Nome binomial
Bucorvus abyssinicus
(Boddaert, 1783)
Bucorvus abyssinicus MHNT

O calau-grande (Bucorvus abyssinicus) é um calau africano, que se encontra da Gâmbia ao Quénia.[1]

Esta ave de grande porte, que pode atingir pode atingir mais de um metro de comprimento e cerca de 180 centímetros de envergadura, pertence à família dos Buconídeos, destacando-se pela sua plumagem negra, com rebordos brancos nas extremidades das asas, e pelo seu bico de grandes dimensões, exornado com uma protuberância óssea junto aos olhos.[2]

Nomes comuns[editar | editar código-fonte]

Também dá pelos seguintes nomes comuns: abago, abagum, alma-de-biafada[3], calau-do-chão e calau-terrestre-da-abissínia[4].

Distribuição e habitat[editar | editar código-fonte]

A alma-de-biafada medra em zonas rochosas (como falésias e cumes de montanhas), em zonas de planície (como prados e savanas), em zonas nemorais (como matagais e florestas) da África subsaariana, desde o Senegal, passando pela Gâmbia e Sul da Mauritânia até à África Ocidental e, ainda, pelo Norte do Quénia, Uganda, Eritreia, Etiópia e Noroeste da Somália.[2]

Pode tolerar regiões com alteração humana e embora viva essencialmente no solo, necessita de árvores grandes para poder nidificar.[5]

Comportamento[editar | editar código-fonte]

Esta espécie vive essencialmente no solo, embora possa voar para caçar presas ou para defender o território.[2]

A alma-de-biafada trata-se duma espécie monogâmica que tanto pode ser avistada aos pares, como em grupos maiores.[2] Os espécimes juvenis, apesar da sua tendência para formar novos grupos, costumam permanecer dentro dos mesmos territórios ocupados pelos respectivos progenitores, mesmo depois de atingirem a maturidade.[2]

Dieta[editar | editar código-fonte]

Trata-se de uma espécie carnívora, que se nutre-se mormente de pequenos mamíferos, répteis e artrópodes.[2] Excepcionalmente também se pode alimentar de matéria vegetal.[2]

Nidificação[editar | editar código-fonte]

No que toca à construção do ninho, costumam privilegiar ocos de árvores grandes, sendo certo que também podem nidificar em caboucos e brechas entre rochedos.[2]

O ninho é construído pelo macho, que cobre o interior da cavidade com folhas secas. Por seu turno, as fêmeas costumam pôr entre 1 e 2 ovos, que são depois chocados durante 37 a 41 dias.[2] Findos os primeiros 21 a 33 dias a fêmea sai do ninho e junta-se ao macho na busca de alimento.[2]

Referências

  1. «Plano de Gestão - Guiné-Bissau» (PDF) 
  2. a b c d e f g h i j «Calau-terrestre da Abissínia». Badoca. 26 de fevereiro de 2019. Consultado em 31 de agosto de 2021 
  3. Infopédia. «alma-de-biafada | Definição ou significado de alma-de-biafada no Dicionário Infopédia da Língua Portuguesa». Infopédia - Dicionários Porto Editora. Consultado em 31 de agosto de 2021 
  4. Infopédia. «calau-terrestre-da-abissínia | Definição ou significado de calau-terrestre-da-abissínia no Dicionário Infopédia da Língua Portuguesa». Infopédia - Dicionários Porto Editora. Consultado em 31 de agosto de 2021 
  5. Krause, Brianne. «Bucorvus abyssinicus (northern ground hornbill)». Animal Diversity Web (em inglês). Regentes da Universidade do Michigan. Consultado em 6 de janeiro de 2020 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Calau-grande
Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Calau-grande
Ícone de esboço Este artigo sobre Aves, integrado ao Projeto Aves, é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.