Camaleão-pantera

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Como ler uma infocaixa de taxonomiaCamaleão-pantera
Panther Chameleon (Furcifer pardalis).jpg
Estado de conservação
Espécie pouco preocupante
Pouco preocupante
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Reptilia
Ordem: Squamata
Família: Chamaeleonidae
Género: Furcifer
Espécie: F. pardalis
Nome binomial
Furcifer pardalis
Cuvier, 1829
Distribuição geográfica
Furcifer pardalis distribution.png

Camaleão-pantera (Furcifer pardalis) é uma espécie de camaleão nativa de Madagascar.[1] Populações introduzidas também são encontradas nas ilhas Reunião e Maurícia, cerca de 500 quilômetros a leste de Madagascar.[2] Sua dieta é composta por artrópodes como grilos, larvas de moscas e baratas.[3] Pesquisas empreendidas por Michel Milinkovitch, da Universidade de Genebra, propõem que o camaleão-pantera é um termo que indica 11 espécies distintas, em vez de apenas uma.[4]

Descrição[editar | editar código-fonte]

Sua coloração varia naturalmente de acordo com a localização geográfica (temperatura, clima e luz) em que se encontra. Os machos são os mais coloridos, enquanto as fêmeas, normalmente, podem ser encontradas em tons marrons, com toques em pêssego, rosa ou laranja.[2][3][5][6]

Essa não é a única diferença física entre os desta espécie. Quanto ao tamanho, as fêmeas levam a desvantagem de medir a metade do que os machos medem (esses podem crescer até 50 centímetros de comprimento), e quanto ao tempo de vida, elas também ficam para trás, durando cerca de 2 ou 3 anos, e eles ultrapassando os 10 anos. A morte precoce delas se da ao grande estresse que sofrem após carregarem os ovos.[2][3]

Sua língua é especializada em prender insetos em sua superfície e é disparada a 1600 km/h. Sua extremidade é repleta de muco.[7]

Comportamento[editar | editar código-fonte]

Como a maioria das espécies de sua família, estes camaleões são bem territoriais. Exceto durante o período reprodutivo, vivem isolados. Quando dois machos entram em contato, automaticamente suas cores mudam e seus corpos inflam, com o objetivo de afirmar o seu domínio. Posteriormente, o perdedor recua e ambos voltam às suas cores normais.[3]

Reprodução[editar | editar código-fonte]

O acasalamento ocorre durante todo o ano, porém, na costa leste de Madagascar, costuma acontecer durante a primavera e o verão (de outubro a março). Os machos cortejadores exibem um clareamento de cores, com coloração listrada, destacando-se (semelhante em exibições territoriais a machos rivais) e começam a sacudir a cabeça verticalmente quando uma fêmea aparecer.[6]

A cópula dura de 10 a 30 min. As fêmeas retêm esperma por dois ou mais ciclos férteis. [6]

As fêmeas desta espécie, após o acasalamento, mudam de cor para sinalizar que não querem acasalar, de modo a adquirirem coloração escura com listras cor-de-rosa ou alaranjadas. São postos de 10 a 40 ovos por desova, que demoram de 5 a 14 meses para eclodir. A maturidade sexual é alcançada entre o quinto e o sétimo mês de vida.[6]

Cativeiro[editar | editar código-fonte]

Para os criadores de répteis é interessante saber que estes animais requerem um ambiente bem aquecido, iluminado e úmido, parecido com o de uma selva.[3]

Galeria[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Animal Diversity Web - Furcifer pardalis». animaldiversity.org 
  2. a b c «Camaleão-Pantera (Furcifer pardalis)». Klima Naturali. Consultado em 1 de maio de 2018. 
  3. a b c d e Marcel, Guellity (8 de agosto de 2012). «Camaleão-pantera: Furcifer pardalis». EU QUERO BIOLOGIA. Consultado em 1 de maio de 2018. 
  4. AJB (26 de maio de 2015). «O camaleão-pantera é na realidade 11 espécies diferentes». ZAP. Consultado em 1 de maio de 2018. 
  5. «CAMALEÃO PANTERA 'NOSYBE'». TORTUGA. Consultado em 1 de maio de 2018. 
  6. a b c d «Panther Chamaeleon». WAZA. Consultado em 1 de maio de 2018. 
  7. «A Exoticidade no Mundo Animal - A Curiosa Evolução de Alguns Animais - Documentário». RV Entretenimento. 2 de setembro de 2017. Consultado em 1 de maio de 2018.