Carrie (filme de 2002)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde julho de 2012). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Carrie
Carrie, A Estranha (BRA)
Capa do DVD do filme no Brasil
Estados Unidos
2002 •  cor •  132 min 
Direção David Carson
Roteiro Stephen King
Bryan Fuller
Elenco Angela Bettis
Patricia Clarkson
Kandyse McClure
Rena Sofer
Emilie de Ravin
Música Laura Karpman
Cinematografia Victor Goss
Edição Anthony A. Lewis
Lançamento Estados Unidos 4 de novembro de 2002
Idioma inglês

Carrie (Brasil: Carrie, A Estranha) é um telefilme americano de 2002, baseado na obra de mesmo nome do escritor Stephen King, exibido originalmente pelo canal NBC. Foi inicialmente planejado como um piloto de uma série de TV em que Carrie se mudaria para a Flórida para ajudar outras pessoas com problemas de telecinese, porém nunca realizado. Serviu como um piloto de dois episódios de uma série de TV no National Broadcasting Corporation, por esta razão que Carrie foi resgatada no final, em vez de morrer. Os executivos da NBC esperavam que a ideia da série seguiria o sucesso de uma série semelhante, The Dead Zone, entretanto, devido à baixa audiência, a NBC logo abandonou a ideia da série.O filme conta a história da jovem Carrie White que após uma brincadeira de mal gosto dos colegas de classe desencadeia uma catastrófe na cidade em que vive devido aos seus poderes telecineticos,

Livro e Filme[editar | editar código-fonte]

Carrie White (Angela Bettis) é uma garota estranha vítima de bullying por todos os colegas do colégio e ainda possui uma mãe fanática religiosa Margaret White (Patricia Clarkson) que a oprime, já que considera tudo pecado e por isso protege bastante a filha. A vida de Carrie é complicada, até que ela decide investigar a causa de estranhos acontecimentos que ocorreram desde a sua infância de objetos se movendo sozinhos, quando na verdade ela possui um dom chamado Telecinese, que é a capacidade de mover e manipular objetos com a mente e isso faz com que ela entenda que foi a responsável por esses acontecimentos ocorridos quando era criança. Após menstruar no banheiro do colégio, volta a ser humilhada pelas colegas por nunca ter passado por isso antes e pensa estar morrendo, mas, a professora de ginástica Rita Desjardin (Rena Sofer) disposta a dar um basta em todas as humilhações infligidas a Carrie, coloca todas as envolvidas em detenção. A líder do grupo Chris Hargensen (Emilie de Ravin) se recusa a sofrer o castigo pelo que fez a Carrie junto com as outras e acaba sendo suspensa e barrada do baile, porém promete vingança. No entanto Sue Snell (Kandyse McClure) arrependida do que fez, tenta convencer seu namorado Tommy Ross (Tobias Mehler) a levar Carrie ao baile como um pedido de desculpas. Chris com a ajuda de seu namorado Billy Nolan (Jesse Cadotte) e mais dois amigos resolvem matar um porco. Escolhendo a noite do baile para executar uma pegadinha de mau gosto Chris derrama o sangue do animal em Carrie sendo ridicularizada por todos que ficam presos no ginásio com a revolta dela utilizando seus poderes de Telecinese como castigo.

Produção[editar | editar código-fonte]

As músicas tocadas durante o as cena do baile são as do Dartmouth College, interpretada pela Dartmouth College Marching Band. O produtor executivo Mark Stern,que é um ex-aluno da Dartmouth, solicitou uma gravação das músicas do diretor da faculdade Max Culpepper para usar no filme.[1]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. FOXALL, Devin. "Marching band gets a taste of Hollywood", The Dartmouth, 24 de outubro de 2010.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]