Carta de povoamento

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Carta de povoamento de Fuente Encarroz, Potríes e Rafelcofer (copia de 1627).


Carta de povoamento (em latim, chartae populationis) é a denominação do documento pelo qual os reis cristãos, seculares e eclesiásticos da Península Ibérica concediam uma série de privilégios a grupos populacionais, com o propósito de obter o repovoamento de determinadas áreas de interesse económico ou estratégico durante a Reconquista. Foi a primeira manifestação da lei local que apareceu durante esse processo.


As cartas de povoamento[1] estão intimamente relacionados com os forais municipais. Em alguns casos, a principal diferença entre as cartas e os forais é dada pela circunstância de sua concessão. Certas cartas expressam isso em seu texto: concessão do lugar ad populandum, estabelecimento dos limites, especificação do número de habitantes e sua origem. Outros, no entanto, pelo seu conteúdo não diferem muito dos forais.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. «Zezerepédia». Forais e Cartas de Povoação e Emprazamento no Concelho de Ferreira do Zêzere. Fundação Maria Dias Ferreira. Consultado em 1 de julho de 2018