Celulose Riograndense

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

A Celulose Riograndense é uma empresa gaúcha de celulose branqueada de eucalipto. Foi comprada pelo grupo chileno Empresas CMPC em 2009.[1][2]

A empresa tem sua fábrica instalada na cidade de Guaíba, onde sua unidade industrial tem capacidade para produzir 450 mil toneladas anuais de celulose branqueada, produto obtido a partir da fibra curta da madeira de eucalipto.[3][4] A unidade também produz 60 mil toneladas anuais de papéis.[5]

Em 2018, a Celulose Riograndense gerava 24 mil empregos, empregando diretamente cinco mil funcionários.[6]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Celulose Riograndense anuncia demissões em Guaíba». Tissue Online. 15 de março de 2019. Consultado em 10 de julho de 2019 
  2. Adriana Lampert (5 de fevereiro de 2016). «Celulose Riograndense investirá R$ 220 milhões». Jornal do Comércio. Consultado em 10 de julho de 2019 
  3. Matheus Schuch (29 de novembro de 2014). «Celulose Riograndense usará mais de mil caminhões no transporte de madeira em Guaíba». Gaúcha. Consultado em 10 de julho de 2019 
  4. Stella Fontes (7 de novembro de 2017). «CMPC retoma produção de celulose na linha 2 da fábrica de Guaíba». Valor. Consultado em 10 de julho de 2019 
  5. Patrícia Comunello (11 de agosto de 2017). «Celulose Riograndense em Guaíba interrompe produção até novembro - Jornal do Comércio». Jornal do Comércio. Consultado em 10 de julho de 2019 
  6. Heron Vidal (29 de maio de 2018). «Celulose Riograndense para sua produção por falta de suprimentos». Correio do Povo. Consultado em 10 de julho de 2019 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]