Charles Batteux

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Charles Batteux nasceu em Alland’Huy-et-Sausseuil (Ardenes-França), em 6 de maio de 1713 e faleceu em Paris, França em 14 de julho de 1780, foi um filósofo, humanista e retórico francês, e se dedicou ao estudo da Poética e da Literatura.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Batteux nasceu em Alland'Huy-et-Sausseuil, Ardennes, (próximo a Vouziers) em 6 de maio de 1713 e estudou teologia em Reims. Em 1739, ele mudou-se para Paris, e depois de lecionar nas faculdades de Lisieux e Navarre, foi nomeado para a cadeira de filosofia grega e romana no Collège de France.

O seu tratado de 1746, As Belas-Artes Reduzidas a um Mesmo Princípio[1] (Les beaux arts réduits à un même príncipe), foi uma tentativa de encontrar uma unidade entre as teorias existentes de beleza e gosto sobre "um único princípio", ele aponta esse princípio como sendo o da imitação geral. Seus pontos de vista foram aceitos,[2] não só na França, mas em toda a Europa.

De acordo com P. O. Kristeller, “o passo decisivo para o sistema das belas artes (assim, para a ideia moderna, ‘belas artes’) foi tomada pelo abade Batteux em seu famoso e influente tratado... o primeiro a estabelecer um sistema de corte claro das belas artes em um tratado dedicado inteiramente a este assunto.”[3]

Através da tradução de Horácio (Horace), em 1750, Batteux ganhou boa reputação entre os acadêmicos franceses o que fez com que ele se tornasse membro da Academia de Inscrições (Académie des Inscriptions), em 1754 e da Academia Francesa (Académie Française), em 1761, onde ocupou a cadeira 37. Seu Curso das Belas-Letras (Cours de belas-lettres), de 1765 foi mais tarde incluído com alguns escritos menores no tratado Princípios da Literatura (Principes de la littérature), em 1774.

Seus escritos filosóficos foram: Moralidade em Epicuro Retirados de Seus Próprios Escritos (La morale d'Épicure tirée de ses propres écrits), de 1758 e a História das Causas Primárias (Histoire des causes premières), editado em 1769. Por causa desta obra onde ele atacou o abuso da autoridade na filosofia, perdeu sua cadeira de professor. Seu último e mais extenso trabalho foi o Curso de Estudos Para o Uso dos Alunos da Escola Militar (Cours d’études à l’usage des élèves de l’École royale militaire), em quarenta e cinco volumes.[4]

Na obra As Belas-Artes Reduzidas a um Mesmo Princípio (Les beaux arts réduits à un même príncipe), Batteux desenvolveu uma teoria influenciada por John Locke através do sensualismo cético de Voltaire. Ele considerou que as belas artes são artes (coleção de regras do bem), para produzir coisas boas ou belas (em si mesmas), sempre "na imitação da bela natureza" e necessitando do gênio. Aplicando este princípio à arte da poesia, e analisando, linha por linha e até mesmo palavra por palavra, as obras dos grandes poetas, ele deduziu a lei que a beleza da poesia consiste na precisão, beleza e harmonia da expressão individual. Sua História das Causas Primárias (Histoire des causes premières) foi uma das primeiras tentativas de uma história da filosofia, e em seu trabalho em Epicuro (Epicurus), defendeu o Epicurismo contra os ataques gerais contra a filosofia de Epicuro.[5]

Em termos filosóficos estéticos, Batteux estabelece o princípio único das artes plásticas na imitação da natureza, e isso no modelo de ideal de perfeição para alcançar um conjunto harmonioso: "vamos escolher as partes mais belas da natureza, para fazer uma obra requintada, mais perfeita que a própria natureza, mas que nunca será natural...”[6] Neste conceito, claramente, Batteux segue uma longa tradição, presente pelo menos em Leon Battista Alberti; bem como para a expressão de belas artes, presente em Giovanni Battista Armenini e antes em Sebastiano Serlio.

Livros[editar | editar código-fonte]

Les Beaux-arts réduits a um même príncipe (1746), em português: As Belas-Artes Reduzidas a um Mesmo Princípio

Cours de belles-lettres (1765)

Traité de la construction oratoire (1763)

Estes três livros foram relançados posteriormente em seis volumes, em 1774, sob o título "Príncipes abrégés de la littérature. A arte deve ser imitada pela beleza da natureza.

La Morale d’Épicure tirée de ses propes écrits (1758)

Histoire des causes premières (1769)

Cours d’études à l’usage des éleves de l’École royale militaire (45 volumes)

Referências[editar | editar código-fonte]

Fontes Biográficas[editar | editar código-fonte]

R. Létinois, Biographie générale des Champenois célèbres, morts et vivants, Paris: Journal of pintores, 1834 p. 20

Ludwig Tavernier, L’imitation de la belle nature. Zum Verständnis de Kunstlers Nachahmungstheorie in der von Charles Batteux. In: Empfindung und Reflexion. Ein Problem de 18. Jahrhunderts. Hrsg. v. Hans Körner, Constanze Peres Reinhard Steiner Ludwig Tavernier (Münchner Beiträge zur Geschichte und Theorie der Künste, 1), Olms: Hildesheim, Zurique, Nova York, 1986, p. 49-98.

R. Toscano, Charles Batteux: Les Quatre Poëtiques, Rivista di Estetica, Vol. 39, 1991; p. 67-78 (ISSN 0.035-6.212)

Imagens[editar | editar código-fonte]

Arquivo:Les_beaux-arts_reduits_1.png Source: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/7/73/Les_beaux-arts_reduits_1.png License: Public domain Contributors: Bibliothèque nationale de France Original artist: Charles Batteux (1713-1780)

  1. Charles Batteux: As Belas-Artes Reduzidas a um Mesmo Princípio (Les beaux arts réduits à un même principe), coleção a formação estética, editora humanitas, São Paulo, Brasil, 2009
  2. Uma ou mais das frases precedentes incorporam texto de uma publicação atualmente de domínio público: Chisholm, Hugh, ed. (1911). "Batteux, Charles". Encyclopedia Britannica A Dictionary of Arts, Sciences, Literature, and General information (em ingles). 3 (11º ed.). Cambridge University Press. P. 533. Isto cita Dacier et Dupuy, Éloges, em Mémoires de l'Académie des Inscriptions.
  3. Paul Oskar Kristeller, "O Sistema Moderno das Artes" (1951-1952), repr. Em Kristeller, Pensamento do Renascimento e as Artes (Nova York: Harper & Row, 1965), pp. 163-227. O tratado completo de Batteux não foi traduzido, mas as passagens-chave sobre a idéia das belas artes são traduzidas em Estética, S. Feagin e P. Maynard, eds (Oxford: Oxford UP, 1997), pp. 102-104.
  4. Livro I, parte I: "à faire un choix des plus belles festas de natureza para en ex en tout exquis, qui fùt plus parfait que a natureza elle-méme, sans plusseuse d'étre naturel". Ver: TOSCANO A. (1991). Charles Batteux: Les Quatre Poëtiques. RIVISTA DI ESTETICA, vol. 39; P. 67-78, ISSN 0035-6212
  5. Dezobry et Bachelet, Dictionnaire de biographie, t.1, Ch. Delagrave, 1876, p. 238
  6. Livro I, parte I: "à faire un choix des plus belles parties de la nature pour en former en tout exquis, qui fùt plus parfait que la nature elle-méme, sans cependant d'étre naturel". Ver: TOSCANO A. (1991). Charles Batteux: Les Quatre Poëtiques. RIVISTA DI ESTETICA, vol. 39; P. 67-78, ISSN 0035-621