Choke (livro)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Choke
Choke - Asfixia (PT)
No sufoco (BR)
Palahniuk choke.jpg
Capa da versão traduzida para português brasileiro
Autor(es) Chuck Palahniuk
Idioma inglês
País EUA
Gênero humor negro, sátira
Arte de capa Rodrigo Corral e Bob Larkin
Editora Doubleday
Lançamento 22 de maio de 2001
Páginas 304
ISBN 0-385-50156-0
Edição portuguesa
Editora Casa das Letras
Páginas 260
ISBN 9789724618883
Edição brasileira
Tradução Paulo Reis e Sérgio Moraes Rego[1]
Editora Editora Rocco
Lançamento 2005
Páginas 263
ISBN 0-385-50156-0
Cronologia
Invisible Monsters
Lullaby (livro)

Choke é um romance de 2001 escrito por Chuck Palahniuk, foi lançado no Brasil em 2005 com o título No sufoco pela Editora Rocco.[2] e como Choke - Asfixia em Portugal pela Editora Casa das Letras.[3]

Enredo[editar | editar código-fonte]

Choke segue Victor Mancini e seu amigo Denny através de alguns meses de suas vidas com flashbacks frequentes para os dias em que Victor era criança. Ele cresceu passando de um lar adotivo para outro, porque sua mãe foi considerada incapaz de criá-lo. Várias vezes ao longo de sua infância, sua mãe o sequestrava de seus vários pais adotivos, apesar de cada vez que acabava por ser capturado novamente detido pela agência governamental de bem-estar infantil.

No presente cenário do livro, Victor é agora um homem de vinte e poucos anos que abandonou a escola médica a fim de encontrar trabalho para sustentar sua mãe que agora está em um lar de idosos. Porque não consegue arcar com os custos que sua mãe está recebendo, Victor recorre a ser um vigarista. Ele sempre vai a vários restaurantes e propositadamente engasga-se durante sua refeição, atraindo um "bom samaritano" para salvá-lo através da manobra de Heimlich. Ele mantém uma lista detalhada de todos os que o salva e os envia cartas frequentes sobre faturas fictícias que é incapaz de pagar. As pessoas sentem tanta pena dele que passam a enviar-lhe dinheiro. Ele trabalha em um museu de reencenação dos tempos coloniais, onde a maioria dos funcionários são viciados ou, no caso do seu amigo Denny, um companheiro recuperando do vício em sexo. Victor passa a maior parte do seu tempo no trabalho protegendo seu amigo Denny (que está constantemente sendo pego com "contrabando", itens que não correspondem ao período de tempo encenado do museu). Victor conheceu Denny em um grupo de apoio a vício sexual e mais tarde se candidataram para o mesmo trabalho. Denny posteriormente é demitido do museu e começa a coletar de pedras em torno da cidade para construir sua "casa dos sonhos"; Palahniuk baseou esta parte do romance sobre na verdadeira história de Ferdinand Cheval.[4]

Enquanto crescia, a mãe de Victor ensinou-lhe inúmeras teorias da conspiração e fatos médicos obscuros que tanto confusos e assustava. Este e seus movimentos constantes de uma casa para outra não deixaram Victor incapaz de formar relações duradouras e estáveis ​​com mulheres. Victor, como resultado, encontra-se recebendo a gratificação sexual de mulheres em um nível apenas superficial (usando as reuniões de viciados em sexo para encontrar muitas de suas parceiras sexuais).

Adaptação para o cinema[editar | editar código-fonte]

A adaptação para o cinema dirigido por Clark Gregg, protagonizado por Sam Rockwell e Anjelica Huston foi lançada comercialmente em 26 de setembro de 2008. Palahniuk faz uma aparição no filme.

Comentários[editar | editar código-fonte]

Chuck Palahniuk prefacia o livro com um aviso: "Se você vai ler este livro, não se incomode. Depois de algumas páginas, você não vai querer estar aqui. Então esqueça. Vám embora, Saia enquanto está inteiro. Salve-se."[5]

Referências

  1. Sacha Bali, "Como fazer o que o senhor não faria?", Rio de Janeiro, março de 2009, p.6
  2. Livraria Saraiva, No sufoco
  3. FNAC. Choke - Asfixia , A voz de Uma Geração Inquieta, o Mestre das Vidas Marginais
  4. John Allen Brooks, Rewriting the Human: Death Anxiety and Posthuman Vision In Literature Since 1945, p.80, University of South Carolina Scholar Commons
  5. Tim Adams (22/0/2002). «Playing the choker» (em inglês). The Guardian. Consultado em 1 de julho de 2014.  Verifique data em: |data= (ajuda)