Claudio Daniel

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Claudio Daniel
Nascimento 1962 (55 anos)
São Paulo
Nacionalidade Brasil Brasileiro
Ocupação Escritor
Principais trabalhos Todo começo é involuntário: a poesia brasileira no início do século 21

Claudio Daniel, pseudônimo de Claudio Alexandre de Barros Teixeira, [1] (São Paulo, 1962) é um escritor brasileiro.

Seu livro de estréia, Sutra, foi publicado em 1992, época em que o autor trabalhava como revisor do jornal Diário Popular e residia no bairro Bela Vista, em São Paulo, também conhecido como Bexiga. Nessa época, suas leituras poéticas incluíam autores latino-americanos como Olivério Girondo, Vicente Huidobro e César Vallejo, além de João Cabral de Melo Neto e da Poesia Concreta.

Nos anos seguintes, publicou os livros de poesia Yumê (Ciência do Acidente, 1999), A Sombra do Leopardo (Azougue Editorial, 2001, prêmio Redescoberta da Literatura Brasileira, oferecido pela revista CULT) e Figuras Metálicas (Perspectiva, 2005). Este último título é uma antologia de seus três primeiros livros, mais o inédito Pequenas Aniquilações, que o autor organizou, a convite de Haroldo de Campos, para a coleção Signos.

Claudio Daniel publicou também os livros de poesia Escrito em osso (2008, publicado em Portugal), Fera Bifronte (2009), Letra Negra (2010), Cores para cegos (2012), o volume de contos Romanceiro de Dona Virgo (Lamparina, 2004) e a antologia Na Virada do Século, Poesia de Invenção no Brasil (Landy, 2002, em parceria com Frederico Barbosa), entre outros títulos. Como tradutor, publicou Jardim de Camaleões, A Poesia Neobarroca na América Latina (Iluminuras, 2004) e coletâneas de autores como o cubano José Kozer, o dominicano Leon Félix Batista, o argentino-peruano Reynaldo Jiménez e os uruguaios Víctor Sosa e Eduardo Milán.

Tem ainda colaborado em diversos jornais e revistas literárias, no Brasil e no exterior, como a Folha de S. Paulo, Suplemento Literário de Minas Gerais, CULT, Coyote, Et Cetera, Crítica (México), Tsé Tsé (Argentina), Serta (Espanha), Docks a Lire (França) e Hispanic Poetry Review (EUA).

Participou também de antologias de poesia contemporânea como Pindorama, 30 Poetas de Brasil, com organização e tradução de Reynaldo Jiménez (in revista Tsé Tsé n. 7/8,Buenos Aires, 2001), New Brasilian and American Poetry, organizada por Flávia Rocha e Edwin Torres (in revista Rattapallax, n. 9, New York, 2003, Cetrería, Once Poetas de Brasil, organizada e traduzida por Ricardo Alberto Pérez (Ed. Casa de Letras, Havana, 2003), a "Antologia comentada da poesia brasileira do século XXI", organizada por Manuel da Costa Pinto (Publifolha, São Paulo, 2006) e "Novos Olhos sobre a Poesia: Brazilian Poetry Journals of the 21st Century", organizada por Raymond Bianchi (Aufgabe, Journal of Poetry, Number 6, Spring 2007, Berkeley, CA, Estados Unidos).

O autor organizou eventos internacionais de poesia, como o "Kantoluanda, Poetas Angolanos em São Paulo", realizado na Casa das Rosas em setembro/2006, "Tordesilhas, Festival Ibero-Americano de Poesia Contemporânea", promovido pela Caixa Econômica Cultural, em São Paulo, em 2007, e o " II Festival Tordesilhas, Poetas de Língua Portuguesa", realizado na Casa Fernando Pessoa, em Lisboa, 2010.

Na internet, edita o blog Cantar a Pele de Lontra (http://cantarapeledelontra.blogspot.com) e a Zunái, Revista de Poesia e Debates (www.revistazunai.com)

O autor é mestre em Literatura Portuguesa pela Universidade de São Paulo e publicou em livro sua dissertação, com o título "A estética do labirinto -- barroco e modernidade em Ana Hatherly" (2011). Atualmente, cursa o doutorado na mesma universidade e é curador de Literatura e Poesia do Centro Cultural São Paulo.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]