Claudio Daniel

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Claudio Daniel
Nascimento 1962 (56 anos)
São Paulo
Nacionalidade Brasil Brasileiro
Ocupação Escritor
Principais trabalhos Todo começo é involuntário: a poesia brasileira no início do século 21

Claudio Daniel, pseudônimo de Claudio Alexandre de Barros Teixeira, [1] (São Paulo, 1962) é um poeta e escritor brasileiro. Formado em Jornalismo pela Faculdade de Comunicação Social Cásper Líbero, cursou o mestrado e o doutorado em Literatura Portuguesa na Universidade de São Paulo (USP) e concluiu i pós-doutorado em Teoria Literária pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Foi diretor adjunto da Casa das Rosas, Espaço Haroldo de Campos de Poesia e Literatura, curador de Literatura e Poesia no Centro Cultural São Paulo e colunista da revista CULT.

Seu livro de estréia, Sutra, foi publicado em 1992, época em que o autor trabalhava como revisor do jornal Diário Popular. Nessa época, suas leituras poéticas incluíam autores latino-americanos como Olivério Girondo, Vicente Huidobro e César Vallejo, além de João Cabral de Melo Neto e da Poesia Concreta. Nos anos seguintes, publicou os livros de poesia Yumê (Ciência do Acidente, 1999), A Sombra do Leopardo (Azougue Editorial, 2001, prêmio Redescoberta da Literatura Brasileira, oferecido pela revista CULT) e Figuras Metálicas (Perspectiva, 2005). Este último título é uma antologia de seus três primeiros livros, mais o inédito Pequenas Aniquilações, que o autor organizou, a convite de Haroldo de Campos, para a coleção Signos.

Claudio Daniel publicou também os livros de poesia Escrito em Osso (2008, publicado em Portugal), Fera Bifronte (2009), Letra Negra (2010), Cores para Cegos (2012), Livro de orikis (2015), Esqueletos do nunca (2015), Cadernos bestiais (2018) e Portão 7 (2018), além do volume de contos Romanceiro de Dona Virgo (Lamparina, 2004) e da antologia Na Virada do Século, Poesia de Invenção no Brasil (Landy, 2002, em parceria com Frederico Barbosa), entre outros títulos. Como tradutor, publicou Jardim de Camaleões, A Poesia Neobarroca na América Latina (Iluminuras, 2004) e coletâneas de autores como o cubano José Kozer, o dominicano Leon Félix Batista, o argentino-peruano Reynaldo Jiménez e os uruguaios Víctor Sosa e Eduardo Milán. No campo do ensaio e da teoria literária, publicou os livros "A estética do labirinto -- barroco e modernidade em Ana Hatherly" (2011) e "Pensando a poesia brasileira" (2018).

Tem ainda colaborado em diversos jornais e revistas literárias, no Brasil e no exterior, como a Folha de S. Paulo, Suplemento Literário de Minas Gerais, CULT, Coyote, Et Cetera, Crítica (México), Tsé Tsé (Argentina), Serta (Espanha), Docks a Lire (França) e Hispanic Poetry Review (EUA).

Participou de antologias de poesia contemporânea como Pindorama, 30 Poetas de Brasil, com organização e tradução de Reynaldo Jiménez (in revista Tsé Tsé n. 7/8,Buenos Aires, 2001), New Brasilian and American Poetry, organizada por Flávia Rocha e Edwin Torres (in revista Rattapallax, n. 9, New York, 2003, Cetrería, Once Poetas de Brasil, organizada e traduzida por Ricardo Alberto Pérez (Ed. Casa de Letras, Havana, 2003), a "Antologia comentada da poesia brasileira do século XXI", organizada por Manuel da Costa Pinto (Publifolha, São Paulo, 2006) e "Novos Olhos sobre a Poesia: Brazilian Poetry Journals of the 21st Century", organizada por Raymond Bianchi (Aufgabe, Journal of Poetry, Number 6, Spring 2007, Berkeley, CA, Estados Unidos).

O autor organizou eventos internacionais de poesia, como o "Kantoluanda, Poetas Angolanos em São Paulo", realizado na Casa das Rosas em setembro/2006, "Tordesilhas, Festival Ibero-Americano de Poesia Contemporânea", promovido pela Caixa Econômica Cultural, em São Paulo, em 2007, e o " II Festival Tordesilhas, Poetas de Língua Portuguesa", realizado na Casa Fernando Pessoa, em Lisboa, 2010.

Na internet, edita o blog Cantar a Pele de Lontra (http://cantarapeledelontra.blogspot.com) e a Zunái, Revista de Poesia e Debates (www.zunai.com.br)

Atualmente, ministra cursos online de poesia e literatura no "Laboratório de Criação Poética".

Vive em São Paulo com sua esposa Scheila Sodré e a enteada Alexia Bibi.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • http://www.elsonfroes.com.br/claudio.htm