Claus Offe

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ambox important.svg
Foram assinalados vários aspectos a serem melhorados nesta página ou se(c)ção:
Claus Offe
Nascimento 16 de março de 1940 (79 anos)
Berlim, Alemanha
Residência Berlim
Nacionalidade alemão
Empregador Hertie School of Governance
Escola/tradição Escola de Frankfurt
Principais interesses sociologia política

Claus Offe (Berlim, 16 de março de 1940[1]) é um sociólogo da política, de orientação marxista.[2] Ele recebeu o título de PhD pela Universidade de Frankfurt e sua habilitação pela Universidade de Konstanz. Na Alemanha, assumiu cadeiras de ciência política e sociologia política nas universidades de Bielefeld (1975 a 1989), Bremen (1989 a 1995) e na Universidade Humboldt de Berlim (1995 a 2005). Ele trabalhou como professor visitante na Universidade Stanford, Universidade de Princeton, Universidade Nacional da Austrália, Universidade da Califórnia em Berkeley e a Universidade New School em Nova Iorque. Atualmente, ensina sociologia política em uma universidade privada de Berlim, a Hertie School of Governance.

Claus Offe casou-se com Ulrike Poppe em 2001.

Pensamento[editar | editar código-fonte]

Tendo sido aluno de Jürgen Habermas, Claus Offe é considerado parte da segunda geração da Escola de Frankfurt. Fez notáveis contribuições para a compreensão das relações entre democracia e capitalismo. Seu trabalho recente aborda economias e estados em transição democrática.

Claus Offe é mais conhecido do grande público por sua obra "Capitalismo desorganizado", de 1985, na qual descreve a relação entre a sociedade e o Estado no capitalismo avançado e trata de várias questões relacionadas a esse estágio do capitalismo. O desenvolvimento do Estado, segundo Claus Offe, é determinado pelos seguintes critérios : 1) promoção da paz social, 2) promoção dos direitos da cidadania, 3) ação ativa da cidadania como fonte da sua legitimidade, 4) distribuição de recursos e a administração da sociedade, nos termos do Estado de bem-estar keynesiano. Cabendo ao Estado regular a relação entre a sociedade civil e sua matriz do poder social e a autoridade política. Produzir, enfim, um equilíbrio entre as forças sociais e as funções políticas. As políticas keynesianas visam manter o crescimento econômico e o Estado de bem estar social objetiva garantir os direitos dos trabalhadores, principalmente quando ameaçados por crises econômicas. Uma multiplicidade de funções são exercidas pelo Estado moderno, sendo impossível reduzir essa complexidade.

Um novo estado da relação entre as forças do trabalho e do capital se constituiu, no momento em que escreve. A interação regular entre as empresas e suas entidades de representação e o trabalho, através dos sindicatos, característica da sociedade das grandes corporações e do capitalismo financeiro, sofreu uma ruptura, resultado da reestruturação e da recessão vivida no período.

Uma série de fatores afetaram o processo econômico e o sistema político dessa sociedade. Fatores como a mudança na estrutura ocupacional, fim do pleno emprego, divisão crescente entre empregados e desempregados, crescimento do setor de serviços e do setor informal, dificuldade das organizações corporativas em cumprir os seus objetivos e de administração das demandas políticas e conflitos distributivos implicaram em profundas mudanças no processo político das democracias liberais, favorecendo o surgimento de uma cultura pós-moderna e de interesses fragmentados. Um desafio colocado para essa sociedade. [3] [4]

Referências

  1. «Claus Offe. Curriculum Vitae» (em inglês). Hertie School of Governance. Consultado em 10 de outubro de 2014. Arquivado do original em 10 de outubro de 2014 
  2. Gonzales, Francisco Colom (1989). «Razão e política: entrevista de Claus Offe». São Paulo. Lua Nova (19): 81-106. ISSN 0102-6445. doi:10.1590/S0102-64451989000400007. Consultado em 10 de outubro de 2014. Cópia arquivada em 10 de outubro de 2014  "Gonzalez - (...) Você recorreu, no decorrer do tempo, a distintas tradições teóricas (marxismo, teoria de sistemas, teoria da decisão racional), inclusive se definiu sem dificuldades como metodologicamente eclético." "(...) Offe - (...) A este respeito existem na tradição marxiana dois conceitos que considero sumamente importantes. Um deles é a idéia de uma contraposição entre apropriação privada e produção social. A privacidade da produção é, no entanto, aparente. Na realidade, quando entramos nas relações de mercado, quando produzimos, geramos uma socialidade inconsciente, irresponsável e incontrolável de nossa vida. Esta desproporção talvez seja em parte inevitável, inclusive inócua, mas muitas das coisas que fazemos, sem poder controlá-las voluntária e conscientemente, não são nem necessárias nem inócuas, mas prejudiciais, exploradoras, destrutivas e perigosas. O outro conceito relevante da obra de Marx - a famosa frase do Dezoito Brumário - afirma que os homens realizam sua própria história, mas sem consciência disso. Aí está implícito o ideal de um controle consciente do caráter social das relações vitais. Não é, pois, uma teoria elaborada, mas este motivo normativo de uma crítica da sociedade que me leva a colocar as questões com as quais me ocupo."
  3. Capitalismo desorganizado: transformações contemporâneas do trabalho e da política, Claus Offe, Resenha Revista História, Ufba
  4. Capitalismo desorganizado: transformações contemporâneas do trabalho e da política, Claus Offe
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.