Competição intrasexual feminina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Existem dois modos de seleção sexual: seleção intersexual, e seleção intrasexual. seleção Intersexual é a seleção aonde os membros de um sexo mostram características desejáveis, a fim de chamar a atenção de um parceiro(a) em potencial, aumentando suas chances de ser selecionado como um companheiro(a). Seleção Intrasexual é quando os membros do mesmo sexo competem uns com os outros por um parceiro(a) em potencial. Competição intrasexual entre as mulheres é o comportamento em que as mulheres se envolvem na tentativa de conseguir um parceiro em potencial. Tais comportamentos podem incluir táticas de autopromoção e derrogação (formas diretas e indiretas de agressão), em relação a outras mulheres. Aspectos que influenciam a competição intrasexual feminina incluem: qualidade genética do sexo masculino, hormônios, e variações nas dinâmicas interpessoais .

A autopromoção como tática[editar | editar código-fonte]

Táticas de autopromoção são uma das principais estratégias que podem ser utilizadas durante a competição intrasexual em busca dos companheiros.[1] muitas vezes é percebida como uma forma mais socialmente desejável de estratégia, pois pode ser percebido como o auto aperfeiçoamento, em vez de um ataque sobre as concorrentes. Táticas de autopromoção são especialmente úteis quando as mulheres estão à procura de companheiros de curto prazo, como forma de promover diretamente a sua disponibilidade sexual.[2]

Consumo De Luxo[editar | editar código-fonte]

Esta é uma imagem de uma mulher a comprar de uma marca de luxo:

Taticas de autopromoção refere-se a diferentes estratégias que as mulheres podem utilizar para serem notadas de melhor maneira em comparação com outras mulheres. Por exemplo, as mulheres se interessam por itens de luxo que aumentam a sua atratividade.[3] Artigos de Luxo podem indicar a capacidade de atração, enfatizando um status mais elevado, que é um fator que os potenciais parceiros podem levar em consideração. Pesquisas sobre a competição intra sexual feminina, tem mostrado que as mulheres escolhem itens de luxo que aumenta o seu nível de atratividade, e ignoraram itens sem atrativos, mesmo que eles também sejam itens de luxo. Quando consomem artigos de luxo, as mulheres parecem ser mais atraente, jovens e sedutoras, por outras mulheres.

Quando as mulheres estão chegando a sua fase de ovulação, que é o seu pico de fertilidade, elas têm uma maior tendência em escolher produtos que  melhoram a sua capacidade de atração, como roupas mais sexy e mais reveladoras. Tem sido demonstrado que, quando as mulheres estão em seu pico de fertilidade, elas vão ter uma maior consciência e sensibilidade para a competição intra sexual . Isto é devido ao fato de que quando as mulheres estão no seu pico de fertilidade, este é o horário ideal para, terem relações sexuais e produzir descendentes.[4] no entanto, isso tende a ser aplicado apenas em situações em que as mulheres são confrontadas com as rivais que elas consideram serem atraentes. Quando confrontadas com rivais consideradas pouco atraentes, as mulheres podem não necessariamente vê-las apresentando qualquer tipo de ameaça, pois irão se sentir mais atraentes, em comparação com suas rivais.[5]

Derrogação do concorrente[editar | editar código-fonte]

Uma mulher sendo vitima de fofocas e socialmente excluída por colegas do sexo feminino

Há uma série de estratégias competitivas que as mulheres podem usar em uma tentativa de aparecer mais atraente em comparação com outras mulheres. Enquanto os homens podem usar formas diretas de agressão durante a competição intra-sexual [6][7] As mulheres competem tipicamente para o acesso aos companheiros desejados utilizando a agressão indireta. Ao contrário da agressão direta que envolve ofender face a face,[8] Agressão indireta descreve atos que são feitos indiretamente, onde um indivíduo pretende causar dano, mas tenta parecer como se não tivesse intenções nocivas.[9] No contexto da competição intrasexual, a agressão indireta trabalha para reduzir as oportunidades que o rival pode ter em garantir o acesso ao parceiro desejado para, portanto, aumentar suas chances de sucesso reprodutivo.[10] Isso inclue comportamentos como a rejeição, a exclusão social, fazer com que os outros não gostem do indivíduo, espalhar rumores e criticar a aparência da rival.

Derrogação Feminina[editar | editar código-fonte]

A derrogação feminina é uma forma de agressão indireta em que as mulheres tentam reduzir o valor percebido de outra "rival" feminina. Fisher (2004)[11] estudou a derrogação feminina e os efeitos dos níveis de estrogênio sobre esta forma de competição. As mulheres revelaram seu status de ovulação e classificaram a atratividade de rostos masculinos e femininos, dando baixas classificações para rivais do mesmo sexo. Isso ocorreu com mais frequência quando as mulheres estavam em sua fase mais fértil. Em contraste, as mulheres deram às rivais do mesmo sexo classificações mais altas durante os estágios menos férteis de sua ovulação. Essa forma indireta de competição parece exclusiva para as mulheres, pois os resultados também mostraram que as mulheres, independentemente do estado da ovulação (alta ou baixa), não mostraram diferença na classificação das faces masculinas. A pesquisa de apoio também descobriu que as mulheres mais jovens que são consideradas tendo alta fertilidade, fofocam sobre outras mulheres mais do que as mulheres mais velhas, que já não estão em seu estágio mais fértil.[12]

De fato, a agressão indireta parece ser mais prevalente entre o sexo feminino do que entre o sexo masculino no que aparentemente predominam formas mais diretas de competição[13] Pesquisas que estudam a relação entre indicadores de atratividade, como atratividade física e vitimização indireta, mostraram que a probabilidade de experimentar a vitimização indireta aumentou 35% para as mulheres que se percebiam como fisicamente atraentes.[14] Em contraste, ser um homem fisicamente atraente diminuiu as chances de experimentar tal vitimização indireta. Isso também destaca como a atratividade física de uma mulher pode ser um gatilho para a agressão indireta e faz parte central da seleção entre os sexos.

Envergonhar(Slut-shaming)[editar | editar código-fonte]

Outra forma de derrogação de concorrentes que é instrumental em fazer rivais parecem menos desejáveis é o (Slut-shaming) envergonhar . Ao envergonhar e difamar, as mulheres criticam e derrogam rivais do mesmo sexo por se engajar em comportamentos sexuais que são considerados "inaceitável" pelos padrões da sociedade, uma vez que violam as expectativas sociais e normas no que diz respeito ao seu papel de gênero. Por exemplo, um ato de promiscuidade sexual demonstrado por uma mulher é muitas vezes considerado não convencional e inadequado pois tais comportamentos não são vistos como atos que constituem feminilidade. As mulheres podem escolher confrontar pessoalmente ou espalhar rumores e mexericos sobre a atividade promíscua de outra mulher. Buss e Dedden exploraram diferenças sexuais na derrogação de concorrentes para investigar as táticas que são comumente adotadas por ambos os sexos para competição intrasexual [15] Os pesquisadores apresentaram para ambos os sexos uma lista de táticas que são freqüentemente empregadas por indivíduos para derrogação de concorrentes do mesmo sexo em uma tentativa de torná-los indesejáveis para o sexo oposto. Numa escala de 1 (muito provável) a 7 (improvável), os participantes classificaram a probabilidade de que membros de seu próprio sexo realizariam cada ato. Os resultados revelaram que as táticas que apontaram a promiscuidade de um concorrente foram usadas por mulheres mais freqüentemente do que pelos homens. Estas envolviam "chamar de vagabunda", "dizer a todos que ela dorme com vários homens" e que "ela engana os homens". De fato, as acusações de promiscuidade são uma causa freqüente de violência entre mulheres, onde as mulheres podem se vingar fisicamente em uma tentativa de defender sua reputação sexual..[16] Estudantes britânicas foram entrevistadas e fizeram perguntas sobre seu envolvimento em brigas,além de 89% terem afirmando que tinham realmente se envolvido em uma briga, 46% das brigas relatadas foram ataques contra a integridade pessoal[17]

Com um objetivo final de aumentar o sucesso reprodutivo às custas dos outros, o slut-shaming efetivamente funciona para despertar suspeitas e fazer com que os pretendentes questionem a fidelidade dessas mulheres. A longo prazo, os homens podem ter dúvidas sobre a paternidade de qualquer descendência produzida e uma vez que os seres humanos se esforçam para o sucesso reprodutivo, (que, para um homem é reproduzir e investir continuamente em seus próprios filhos), a decisão de acasalar com tal milher reduz drasticamente as chances de sucesso reprodutivo. Considerando isso e o alto valor que os homens atribuem às mulheres que praticam a castidade, os homens são menos propensos a terem relações de longo prazo com uma mulher supostamente promíscua devido ao medo de serem traídos.

A eficácia das estratégias: Derrogação de concorrentes versus táticas de auto-promoção[editar | editar código-fonte]

Em termos gerais, a derrogação das concorrentes é frequentemente considerada menos eficaz do que as tácticas de auto-promoção. Homens e mulheres tendem a julgar táticas de auto-promoção que mostram potencial de recursos e disponibilidade sexual como altamente eficaz de relacionamentos para curto e longo prazo, respectivamente .[18] As mulheres, em comparação aos homens, parecem mais propensas a se engajar em auto-promoção do que nas táticas de derrogação de concorrentes,[19] Com as fêmeas tendo uma tendência a se envolver em formas mais indiretas de agressão / derrogação, tais como espalhar rumores e (manipulação social)[9][10] Estudos investigam até que ponto tais estratégias possibilitam o sucesso das mulheres aumentando suas oportunidades de acasalamento. Indicadores comuns de sucesso reprodutivo são atividade sexual e comportamentos de namoro. A pesquisa descobriu que o uso de agressão indireta está correlacionado com o aumento do comportamento de namoro e envolvimento precoce na atividade sexual. Arnocky e Pavillion[20] Investigou se o uso de vitimização ou experiencia pessoal de vitimização poderia prever o comportamento de namoro dos adolescentes ao longo de um ano. Em uma avaliação de seguimento, a agressão indireta (por nomeação) foi utilizada para prever o comportamento de namoro em um ano após a avaliação inicial. Além disso, a agressão indireta parecia ser um preditor mais poderoso do comportamento de namoro do que outros fatores, como o status inicial de namoro, a atratividade por pares, a popularidade percebida pelos pares e a idade. Em geral, as mulheres que usaram agressão indireta eram mais propensas a namorar em comparação com as mulheres vitimizadas, que eram menos propensas a ter um parceiro. A noção de que a agressão dos pares está associada a resultados de namoro adaptativos é ainda mais apoiada por estudos que observam que as mulheres que freqüentemente demonstraram agressão indireta começaram a namorar muito mais cedo na vida do que os indivíduos que foram vitimas de pares femininos,.[21] popularidade no namoro  também é visto como tendo uma forte associação com o uso de agressão indireta.[22]  [23] Medidas de atividade sexual como o número de parceiros sexuais anteriores e a idade de sua primeira relação sexual foram obtidas junto com medidas de suas experiências sociais no ensino médio. Os resultados encontrados foram que as mulheres que experimentaram mais agressão do intra sexual durante a adolescência tiveram sua primeira relação sexual em uma idade mais atrasada. Em contraste, as mulheres que perpetuaram altos níveis de agressão indireta que tenderam a ter seu primeiro encontro sexual em estágios iniciais da adolescência. 

Variáveis que influenciam a competição feminina[editar | editar código-fonte]

As mulheres competem, muitas vezes, utilizando-se de estrategias de baixo risco comparando com os homens [24] Fisher(2015) sugeriram que a atratividade é a única via pela qual as mulheres competem e os homens têm mostrado uma preferência por mulheres atraentes. [25]

Outros fatores que influenciam as mulheres a competição intra sexual são:

Alta qualidade genética dos homens[editar | editar código-fonte]

As fêmeas vão promover-se mais frequentemente quando os homens demonstram várias habilidades para fornecer recursos seguros, proteção para ela e para seus filhos, ou quando os custos de competir são inferiores aos benefícios ganhados[26]Elas escolhem os homens com as mais altas qualidades possíveis que podem maximizar o sucesso reprodutivo. Tanto a atratividade como a qualidade dos gene são consideradas altamente correlacionadas.[27][28] Algumas pesquisas sugerem que a atratividade masculina é influenciada pela qualidade fenotípica das mulheres, a atratividade masculina não corresponde necessariamente à sua qualidade gênica[29] Isto sugere que mulheres com qualidades inferiores preferem homens de baixa qualidade do que homens de alta qualidade .[30][31][32] Resultados surpreendentes mostram que a promiscuidade não afeta a atratividade física que se for muito grande pode superar esta variável.[33]

Hormônios ovarianos e variações hormonais[editar | editar código-fonte]

A fase do ciclo ovariano é uma preocupação emergente na exploração de questões relacionadas ao comportamento competitivo intrasexual feminino. Verificou-se que quando a taxa de fertilidade foi maximizada durante a fase ovariana, as mulheres atribuíram classificações significativamente mais baixas de atratividade para outras mulheres. As hormonas ovarianas afetam como as fêmeas vêem seus concorrentes potenciais e fazem com que se comportem mais competitivas. [11][34]

Muitos estudos implicaram que o nível da testosterona era um dos fatores chaves no comportamento competitivo agressivo em situações sociais. [35][36] Quando a testosterona é produzida no cérebro e gônadas em ambos os sexos, os receptores andrógenos nos tecidos neurais e periféricos estão sendo possuídos e desencadeando respostas comportamentais e fisiológicas à testosterona.O papel dos esteroides androgênicos é ativar ou facilitar o comportamento agressivo.[37] Altos níveis de estrogênio são mostrados afetando a derrogação das mulheres em potenciais concorrentes (por exemplo, classificação outras faces femininas como menos atraente), mas não há efeito sobre as classificações de atratividade masculina.[11]

Dinâmica interpessoal[editar | editar código-fonte]

As mulheres competem frequentemente com seu próprio sexo para ganhar a atenção de potenciais companheiros com qualidades genéticas elevadas a fim induzir o sucesso reprodutivo.[38][39] Miller et al. (2011) em seus estudo demonstrou que a presença de individuos de outro sexo eleva a testosterona .[40] A proporção de mulheres para homens no curso da concorrência pode alterar níveis de testosterona em ambos os sexos, que os levam a concorrência.[38] A proporção não equivalente de homens com "bons genes" para um grande número de mulheres acessíveis também leva à competição intra sexual feminina. Hipótese de status biossocial [38] Indicou que para vencer na competição feminina, o aumento da produção de testosterona, facilita comportamentos agressivos, . Visto que, perdendo na competição mulheres abaixam os níveis da testosterona o que enfraquece a tendência de competir.[41][42] os níveis de testosterona correspondem a vários fatores, tais como a forma de competição,[35] características do adversário[43] o estado psicológico do cenário de referência e os níveis de hormônio da pessoa concorrentes.


  • Huddergs, L., De Backer, C., Fisher, M., & Vyncke, P. (2014). The Rival Wears Prada: Luxury Consumption as a Female Competition Strategy. Evolutionary
  • Singh, D.; Singh, D. (2011). "Shape and Significance of Feminine Beauty: An Evolutionary Perspective". Sex Roles. 64: 723–731. doi:10.1007/s11199-011-9938-z.

Referências

  1. Fisher, Maryanne; Cox, Anthony (1 de março de 2011). «Four strategies used during intrasexual competition for mates». Personal Relationships (em inglês). 18 (1): 20–38. ISSN 1475-6811. doi:10.1111/j.1475-6811.2010.01307.x 
  2. Schmitt, D. P.; Buss, D. M. (1 de junho de 1996). «Strategic self-promotion and competitor derogation: sex and context effects on the perceived effectiveness of mate attraction tactics». Journal of Personality and Social Psychology. 70 (6): 1185–1204. ISSN 0022-3514. PMID 8667162. doi:10.1037/0022-3514.70.6.1185 
  3. Hudders, L.; Backer, C. De; Fisher, M.; Vyncke, P. (1 de julho de 2014). «The Rival Wears Prada: Luxury Consumption as a Female Competition Strategy». Evolutionary Psychology. 12 (3). ISSN 1474-7049. doi:10.1177/147470491401200306 
  4. Durante, Kristina M.; Griskevicius, Vladas; Hill, Sarah E.; Perilloux, Carin; Li, Norman P. (1 de abril de 2011). «Ovulation, Female Competition, and Product Choice: Hormonal Influences on Consumer Behavior». Journal of Consumer Research (em inglês). 37 (6): 921–934. ISSN 0093-5301. doi:10.1086/656575 
  5. Haselton, Martie G.; Mortezaie, Mina; Pillsworth, Elizabeth G.; Bleske-Rechek, April; Frederick, David A. (1 de janeiro de 2007). «Ovulatory shifts in human female ornamentation: Near ovulation, women dress to impress». Hormones and Behavior. 51 (1): 40–45. PMID 17045994. doi:10.1016/j.yhbeh.2006.07.007 
  6. Shackelford, Todd (2012). The Oxford handbook of evolutionary perspectives on violence, homicide, and war. Oxford, United Kingdom: Oxford University Press. ISBN 9780199738403 
  7. Benenson, Joyce F. (1 de agosto de 2009). «Dominating versus eliminating the competition: Sex differences in human intrasexual aggression». Behavioral and Brain Sciences. 32 (3-4): 268–269. ISSN 1469-1825. doi:10.1017/S0140525X0999046X 
  8. Richardson, Deborah R.; Green, Laura R. (1 de janeiro de 1999). «Social sanction and threat explanations of gender effects on direct and indirect aggression». Aggressive Behavior (em inglês). 25 (6): 425–434. ISSN 1098-2337. doi:10.1002/(SICI)1098-2337(1999)25:63.0.CO;2-W 
  9. a b Bjorkqvist, Kaj; Österman, Karin; Lagerspetz, Kirsti (1 de junho de 1994). «Sex differences in covert aggression among adults». John Wiley & Sons. Aggressive Behaviour. 20 (1) 
  10. a b Vaillancourt, Tracy (5 de dezembro de 2013). «Do human females use indirect aggression as an intrasexual competition strategy?». Phil. Trans. R. Soc. B (em inglês). 368 (1631). 20130080 páginas. ISSN 0962-8436. PMC 3826209Acessível livremente. PMID 24167310. doi:10.1098/rstb.2013.0080 
  11. a b c Fisher, M. L. (2004). «Female intrasexual competition decreases female facial attractiveness». Proceedings of the Royal Society B: Biological Sciences. 271 (Suppl_5): S283–S285. ISSN 0962-8452. PMC 1810076Acessível livremente. PMID 15503995. doi:10.1098/rsbl.2004.0160 
  12. Massar, Karlijn; Buunk, Abraham P.; Rempt, Sanna (1 de janeiro de 2012). «Age differences in women's tendency to gossip are mediated by their mate value». Personality and Individual Differences. 52 (1): 106–109. doi:10.1016/j.paid.2011.09.013 
  13. Campbell, A (2004). «Female competition: Causes, constraints, content, and contexts». Journal of sex research. 41 (1): 16–26. doi:10.1080/00224490409552210 
  14. Leenaars, Lindsey S.; Dane, Andrew V.; Marini, Zopito A. (1 de julho de 2008). «Evolutionary perspective on indirect victimization in adolescence: the role of attractiveness, dating and sexual behavior». Aggressive Behavior (em inglês). 34 (4): 404–415. ISSN 1098-2337. doi:10.1002/ab.20252 
  15. Buss, David M.; Dedden, Lisa A. (1 de agosto de 1990). «Derogation of Competitors». Journal of Social and Personal Relationships (em inglês). 7 (3): 395–422. ISSN 0265-4075. doi:10.1177/0265407590073006 
  16. Campell, Anne; Gibbs, John J., eds. (1986). Violent transactions: the limits of personality. New York, USA: Blackwell 
  17. Campbell, Anne (1 de março de 1995). «A few good men: Evolutionary psychology and female adolescent aggression». Ethology and Sociobiology. 16 (2): 99–123. doi:10.1016/0162-3095(94)00072-F 
  18. Schmitt, David P.; Buss, David M. (1996). «Strategic self-promotion and competitor derogation: Sex and context effects on the perceived effectiveness of mate attraction tactics.». Journal of Personality and Social Psychology. 70 (6): 1185–1204. PMID 8667162. doi:10.1037/0022-3514.70.6.1185 
  19. Fisher, Maryanne; Cox, Anthony; Gordon, Fiona (1 de dezembro de 2009). «Self-promotion versus competitor derogation: the influence of sex and romantic relationship status on intrasexual competition strategy selection». Journal of Evolutionary Psychology. 7 (4): 287–308. ISSN 1789-2082. doi:10.1556/JEP.7.2009.4.6 
  20. Arnocky, Steven; Vaillancourt, Tracy (1 de abril de 2012). «A Multi-Informant Longitudinal Study on the Relationship between Aggression, Peer Victimization, and Dating Status in Adolescence». Evolutionary Psychology (em inglês). 10 (2). 147470491201000207 páginas. ISSN 1474-7049. doi:10.1177/147470491201000207 
  21. Gallup, Andrew C.; O'Brien, Daniel T.; Wilson, David Sloan (1 de maio de 2011). «Intrasexual peer aggression and dating behavior during adolescence: an evolutionary perspective». Aggressive Behavior (em inglês). 37 (3): 258–267. ISSN 1098-2337. doi:10.1002/ab.20384 
  22. Pellegrini, Anthony D.; Long, Jeffrey D. (1 de julho de 2003). «A sexual selection theory longitudinal analysis of sexual segregation and integration in early adolescence». Journal of Experimental Child Psychology. 85 (3): 257–278. ISSN 0022-0965. PMID 12810038. doi:10.1016/s0022-0965(03)00060-2 
  23. White, Daniel D.; Gallup, Andrew C.; Gallup, Gordon G. (1 de janeiro de 2010). «Indirect peer aggression in adolescence and reproductive behavior». Evolutionary Psychology: An International Journal of Evolutionary Approaches to Psychology and Behavior. 8 (1): 49–65. ISSN 1474-7049. PMID 22947779. doi:10.1177/147470491000800106 
  24. Fisher, M. (2015). «Women's competition for mates: Experimental findings leading to ethological studies.» (PDF). Human Ethology Bulletin. 30: 53–70 
  25. Buss, David M. «Sex differences in human mate preferences: Evolutionary hypotheses tested in 37 cultures». Behavioral and Brain Sciences. 12 (01). 1 páginas. doi:10.1017/s0140525x00023992 
  26. Palombit, R.A.; Cheney, D.L.; Seyfarth, R.M. (2001). «Female–female competition for male 'friends' in wild chacma baboons (Papio cynocephalus ursinus)». Animal Behaviour. 61 (6): 1159–1171. ISSN 0003-3472. doi:10.1006/anbe.2000.1690 
  27. Geary, David C. «Evolution of life-history trade-offs in mate attractiveness and health: Comment on Weeden and Sabini (2005).». Psychological Bulletin. 131 (5): 654–657. doi:10.1037/0033-2909.131.5.654 
  28. Weeden, Jason; Sabini, John. «Physical Attractiveness and Health in Western Societies: A Review.». Psychological Bulletin. 131 (5): 635–653. doi:10.1037/0033-2909.131.5.635 
  29. Riebel K, Holveck MJ, Verhulst S, Fawcett TW (2010). «Are high-quality mates always attractive?: State-dependent mate preferences in birds and humans». Commun Integr Biol. 3 (3): 271–3. PMC 2918774Acessível livremente. PMID 20714411. doi:10.4161/cib.3.3.11557 
  30. Buston, P. M.; Emlen, S. T. (2003). «Cognitive processes underlying human mate choice: The relationship between self-perception and mate preference in Western society». Proceedings of the National Academy of Sciences. 100 (15): 8805–8810. ISSN 0027-8424. doi:10.1073/pnas.1533220100 
  31. Todd, P. M.; Penke, L.; Fasolo, B.; Lenton, A. P. (2007). «Different cognitive processes underlie human mate choices and mate preferences». Proceedings of the National Academy of Sciences. 104 (38): 15011–15016. ISSN 0027-8424. doi:10.1073/pnas.0705290104 
  32. Little, A. C.; Burt, D. M.; Penton-Voak, I. S.; Perrett, D. I. (2001). «Self-perceived attractiveness influences human female preferences for sexual dimorphism and symmetry in male faces». Proceedings of the Royal Society B: Biological Sciences. 268 (1462): 39–44. ISSN 0962-8452. PMC 1087598Acessível livremente. PMID 12123296. doi:10.1098/rspb.2000.1327 
  33. Rucas, Stacey L.; Gurven, Michael; Kaplan, Hillard; Winking, Jeff; Gangestad, Steve; Crespo, Maria (1 de janeiro de 2006). «Female intrasexual competition and reputational effects on attractiveness among the Tsimane of Bolivia». Evolution and Human Behavior (em English). 27 (1): 40–52. ISSN 1090-5138. doi:10.1016/j.evolhumbehav.2005.07.001 
  34. Stockley, Paula; Bro-Jørgensen, Jakob (2011). «Female competition and its evolutionary consequences in mammals». Biological Reviews. 86 (2): 341–366. ISSN 1464-7931. doi:10.1111/j.1469-185X.2010.00149.x 
  35. a b Archer, John (2006). «Testosterone and human aggression: an evaluation of the challenge hypothesis». Neuroscience & Biobehavioral Reviews. 30 (3): 319–345. ISSN 0149-7634. doi:10.1016/j.neubiorev.2004.12.007 
  36. Dabbs, James M.; Hargrove, Marian F.; Heusel, Colleen (1996). «Testosterone differences among college fraternities: well-behaved vs rambunctious». Personality and Individual Differences. 20 (2): 157–161. ISSN 0191-8869. doi:10.1016/0191-8869(95)00190-5 
  37. French, J. A.; Mustoe, A. C.; Cavanaugh, J.; Birnie, A. K. (2013). «The influence of androgenic steroid hormones on female aggression in 'atypical' mammals». Philosophical Transactions of the Royal Society B: Biological Sciences. 368 (1631): 20130084–20130084. ISSN 0962-8436. doi:10.1098/rstb.2013.0084 
  38. a b c Miller, Saul L.; Maner, Jon K.; McNulty, James K. (2012). «Adaptive attunement to the sex of individuals at a competition: the ratio of opposite- to same-sex individuals correlates with changes in competitors' testosterone levels». Evolution and Human Behavior. 33 (1): 57–63. ISSN 1090-5138. doi:10.1016/j.evolhumbehav.2011.05.006 
  39. Buss, David M. (1988). «The evolution of human intrasexual competition: Tactics of mate attraction.». Journal of Personality and Social Psychology. 54 (4): 616–628. ISSN 0022-3514. doi:10.1037/0022-3514.54.4.616 
  40. López, Hassan H.; Hay, Aleena C.; Conklin, Phoebe H. (2009). «Attractive men induce testosterone and cortisol release in women». Hormones and Behavior. 56 (1): 84–92. ISSN 0018-506X. doi:10.1016/j.yhbeh.2009.03.004 
  41. Booth, Alan; Shelley, Greg; Mazur, Allan; Tharp, Gerry; Kittok, Roger (1989). «Testosterone, and winning and losing in human competition». Hormones and Behavior. 23 (4): 556–571. ISSN 0018-506X. doi:10.1016/0018-506X(89)90042-1 
  42. Mccaul, K (1992). «Winning, losing, mood, and testosterone». Hormones and Behavior. 26 (4): 486–504. ISSN 0018-506X. doi:10.1016/0018-506X(92)90016-O 
  43. van der Meij, Leander; Buunk, Abraham P.; Almela, Mercedes; Salvador, Alicia (2010). «Testosterone responses to competition: The opponent's psychological state makes it challenging». Biological Psychology. 84 (2): 330–335. ISSN 0301-0511. doi:10.1016/j.biopsycho.2010.03.017