Concílios de Soissons

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Concílio de Soissons)
Ir para: navegação, pesquisa

Concílio de Soissons ou Sínodo de Soissons é o nome de vários concílios provinciais realizados na cidade de Soissons, um importante centro urbano na Gália.

O primeiro concílio de Soissons ocorreu em 2 de março de 744, quando Pepino, o Breve reúne um sínodo com vinte e três bispos de Nêustria.[1] Abel de Reims foi eleito bispo nesta ocasião.

Em 13 de novembro de 833, Ebo de Reims presidiu um concílio que depôs Luís e o obrigou a confessar publicamente vários crimes, nenhum dos quais ele tinha, de fato, cometido.

No século IX, durante a vida de Lupo Servato, foram realizados cinco concílios ali:

Em 893, Balduíno II da Flandres é rejeitado como rei da França num sínodo em Soissons.

Em 1121, Pedro Abelardo foi acusado de sabelianismo num sínodo realizado em Soissons. Abelardo foi obrigado a queimar a "Theologia" e acabou sentenciado à prisão perpétua num mosteiro diferente do seu próprio, mas é provável que a revogação da sentença tenha sido combinada com antecedência, pois a pena foi revogada e ele acabou de volta à Abadia de Saint-Denis.[2]

Em maio de 1201, um concílio decidiu não dar apoiar Filipe II da França em seu divórcio de Ingeborg da Dinamarca para se casar com Inês de Merânia. O rei acabou por encerrar o debate e renunciar à dissolução do matrimônio.[3]

Referências

  1. Dierkens, Alain (1984). «Superstitions, christianisme et paganisma à la fin de l'epoque mérovingienne: A propos de lIndiculus superstitionem et paganiarum». In: Hervé Hasquin. Magie, sorcellerie, parapsychologie. Brussels: Éditions de l'Université de Bruxelles. pp. 9–26 
  2. *Marenbon, John (1997). The Philosophy of Peter Abélard. Cambridge: Cambridge University Press. p. 15. ISBN 0-521-66399-7 
  3. Wikisource-logo.svg "Philip II (Augustus)" na edição de 1913 da Enciclopédia Católica (em inglês)., uma publicação agora em domínio público

Ligações externas[editar | editar código-fonte]