Conde de Nortúmbria

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Conde de Nortúmbria foi um título nobiliárquico durante o período do início anglo-normando na Inglaterra anglo-dinamarquesa, no final do período anglo-saxão. O Condado de Nortúmbria foi o sucessor do Condado de Bamburgo. No século VII, os reinos anglo-saxões de Bernícia e Deira estavam unidos no reino de Nortúmbria, mas este foi destruído pelos viquingues em 867. Nortúmbria do Sul, a antiga Deira, em seguida, tornou-se o Reino de Iorque, enquanto condes ingleses governavam o antigo reino do norte de Bernícia de sua base em Bamburgo. A parte norte da Bernícia foi perdida para os escoceses, provavelmente no final do século X. Em 1006, Utredo, o Temerário era conde de Bamburgo, e Etelredo, o Despreparado o nomeou conde de Iorque, bem como reuniu a área de Nortúmbria ainda sob controle inglês em um único condado.

Utredo foi assassinado em 1016, e Canuto então nomeou Eirik Håkonsson conde de Nortúmbria em Iorque, mas a dinastia de Utredo manteve Bernícia até 1041, quando o condado foi novamente unido. Um descendente de Utredo, Gospatrico, foi nomeado conde por Guilherme, o Conquistador em 1067, mas o rei normando o expulsou em 1072. Gospatrico então recebeu terras na Escócia, e seus descendentes se tornaram condes de Dunbar.[1] O condado de Nortúmbria foi desfeito no início do período normando e dissolvido nos condados de Iorque e Northumberland, com muitas terras indo para o príncipe-bispado de Durham.

Os condes foram:

Vacante durante o Massacre do Norte até ...

Vacante até Estêvão ser pressionado por David I da Escócia para conceder o título a ...

Comprado por Hugo de Puiset, o Bispo de Durham em 1189, e ocupado até ou somente em 1191.[3]

Vacante até a Primeira Guerra dos Barões, quando os barões de Northumberland e Iorque fizeram homenagem a ...

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Aird, William M. (2004). «Gospatric, earl of Northumbria (d. 1073x5)». Oxford Dictionary of National Biography. Oxford: Oxford University Press. doi:10.1093/ref:odnb/11110 
  2. G. E. Cokayne; et al. (1936). The Complete Peerage (em inglês). Londres: The St. Catherine Press. p. 9:704–5 
  3. Barlow, Frank (1988). The Feudal Kingdom of England 1042–1216 (em inglês) 4ª ed. Nova Iorque: Longman. p. 352–352. ISBN 0-582-49504-0