Área arqueológica do Conhal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Conhal do Arneiro)
Ir para: navegação, pesquisa
Conhal do Arneiro visto do Castelejo, com as Portas de Ródão em fundo
O Castelejo, com vegetação arbórea, destaca-se no meio dos amontoados de conhos

A Área Arqueológica do Conhal também referida como Conhal do Arneiro, no Alentejo, localiza-se no topo norte da freguesia de Santana, no concelho de Nisa, distrito de Portalegre, em Portugal. Ocupa mais de 90 hectares delimitados pelo ribeiro do Arneiro, pela margem esquerda do Tejo e pelas Portas de Ródão (Serra das Talhadas).

História[editar | editar código-fonte]

Esta área apresenta indicadores de uma actividade mineira antiga de exploração de jazigos secundários de ouro situados em terraço fluvial, que atingiu o auge no período romano, mas terá continuado em menor escala em épocas subsequentes.

A exploração das formações sedimentares auríferas foi feita por acção hidráulica (ruina montium ou arrugia). A água utilizada no desmonte e posterior lavagem dos sedimentos e evacuação dos estéreis seria transportada desde a ribeira de Nisa em canal ou canais (corrugi) escavados nas encostas da serra das Talhadas (ou serra de São Miguel) até depósitos (piscinae ou stagna) situados a montante das formações a desmontar.

Os amontoados cónicos de grandes calhaus rolados – conhos – retirados manualmente dos canais de lavagem (agogae), e que podem atingir mais de cinco metros de altura, constituem o indicador mais visível desta actividade mineira. Subsiste ainda, próximo do extremo norte do conhal, o Castelejo, um relevo de 15 metros de altura que ocuparia uma posição central entre os canais de evacuação.

É um dos geossítios do Geoparque Naturtejo da Meseta Meridional.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • CALADO, Carlos et al. Notícia sobre vestígios de exploração romana de ouro aluvionar no concelho de Nisa: o Conhal do Arneiro. Congresso Internacional sobre Património Geológico e Mineiro. Lisboa: Museu do Instituto Geológico e Mineiro, 2001.
  • CARVALHO, Carlos et al. Geopark Naturtejo da Meseta Meridional – 600 milhões de anos em imagens: EIM/Câmara Municipal de Idanha-a-Nova, 2006.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Património de Portugal é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.