Controle bibliográfico

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

O controle bibliográfico consiste, de modo geral, em um arranjo de técnicas e procedimentos cujo objetivo é organizar e preservar determinado conjunto de suportes de informação para torná-los acessíveis, da forma mais eficiente possível, a qualquer indivíduo de que dele necessite. De forma mais ampla, o controle bibliográfico também é definido como o domínio que se possui sobre certos documentos. Este domínio pode ser exercido pela criação de bibliografias ou pela adoção de procedimentos de padronização da descrição bibliográfica, por exemplo.[1]

Em outras palavras, a ideia de controle bibliográfico está relacionada ao estabelecimento de sistemas e padrões a serem adotados na representação descritiva de itens bibliográficos tendo em vista facilitar o acesso à informação nas diferentes áreas do conhecimento.

Grings e Pacheco (2010) afirmam que o conceito de controle bibliográfico nasce junto com a própria instituição Biblioteca, já que paralelamente ao crescimento das coleções bibliográficas faziam-se necessários instrumentos que permitissem um controle local efetivo do acervo. As autoras exemplificam o caso dos catálogos da biblioteca de Alexandria como primeiros instrumentos de controle bibliográfico, passando pelas bibliografias até chegar ao ideal preconizado por Paul Otlet com o Répertoire Bibliographique Universel, concebido no século XIX.[2]

No Brasil, o chamado controle bibliográfico nacional é encabeçado pela Biblioteca Nacional, responsável pelo depósito legal[2] e pela bibliografia nacional[3]. Existe também o Controle Bibliográfico Universal (CBU), um agregador de iniciativas nacionais que tem como intuito formar um repositório abrangente e global de informações bibliográficas. O CBU é resultado de uma parceria entre a Unesco e a IFLA, estabelecida nos anos 70, visando facilitar o intercâmbio de informações entre as instituições.[2]

O controle bibliográfico na área de Biblioteconomia e Documentação no Brasil remonta aos anos 60 como resultado do trabalho do Instituto Brasileiro de Bibliografia e Documentação (IBBD), atual IBICT[1]

Instrumentos de controle bibliográfico[editar | editar código-fonte]

  • Bibliotecas nacionais
  • Depósito legal
  • Bibliografia nacional
  • Padronização da descrição bibliográfica
  • Catalogação
  • Sistemas de identificação numérica de documentos

Referências[editar | editar código-fonte]

CAMPELLO, Bernadete Santos. Introdução ao controle bibliográfico. 2. ed. Brasília, DF: Briquet de Lemos/Livros, 2006. 94 p. ISBN 85-85637-28-5

CAMPELLO, Bernadete Santos; MAGALHÃES, Maria Helena de Andrade. Introdução ao controle bibliográfico. Brasília, DF: Briquet de Lemos/Livros, 1997. 110 p. ISBN 85-85637-10-2

  1. a b CALDEIRA, Paulo da Terra (1981). «O Controle Bibliográfico na área de Biblioteconomia no Brasil». Revista de Biblioteconomia de Brasília. Consultado em 30 mar. 2019 
  2. a b c GRINGS, Luciana; PACHECO, Stela (2010). «A Biblioteca Nacional e o Controle Bibliográfico Nacional: situação atual e perspectivas futuras». InCID: Revista de Ciência da Informação e Documentação. Consultado em 30 mar. 2019 
  3. «CONTROLE BIBLIOGRÁFICO UNIVERSAL-CBU». www2.eca.usp.br. Consultado em 30 de março de 2019 
Ícone de esboço Este artigo sobre Biblioteconomia e Ciência da Informação é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.