Convenções de Leiden

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

As Convenções de Leiden, ou, na sua forma portuguesa, de Leida,[1] são um conjunto de regras e símbolos padronizados para refletir, numa publicação moderna, o estado duma escrita antiga, epigráfica ou em papiro.

Anteriormente não havia um padrão para representar, nas publicações, o estado e as correções ou restaurações editoriais feitas no texto das inscrições, papiros, ou manuscritos. A convenção de Leiden foi projetada visando emendar este problema.

A forma inicial das Convenções foi acordada em uma reunião de eruditos clássicos na Universidade de Leiden em 1931, sendo publicada em um artigo logo depois. [2]

Mais recentemente foram publicadas melhoras e ajustes deste sistema de representação. [3]

As "siglas" mais importantes[editar | editar código-fonte]

siglum explicação
[...] uma lacuna ou fenda no texto original, não restaurada pelo editor (extensão conhecida)
[— — —] uma lacuna ou fenda no texto original, não restaurado pelo editor (extensão desconhecida)
[abc] lacuna do texto original reparada pelo editor
a(bc) abreviatura no texto, completada pelo editor
<ab> caracteres erroneamente omissos pelo escriba antigo, restaurado pelo editor
{ab} texto considerado supérfluo pelo editor
ạḅ caracteres danificados ou pouco nítidos no texto, ambíguo fora do seu contexto
... traços de letras na superfície, insuficiente para restauração pelo editor (grego e uso Papirológico)
+++ traços de letras na superfície, insuficiente para restauração pelo editor (prática epigráfica romana)
ABC letras claras, mas incompreensíveis
[[abc]] texto eliminado
"vac". (=vacat) espaço deixado vazio na rocha ou página.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • DOHNICHT, Marcus. 'Zusammenstellung der diakritischen Zeichen zur Wiedergabe der lateinischen Inschrifttexte der Antike für den Unicode' (Julho 2000), disponível em <http://www.csad.ox.ac.uk/varia/unicode/Dohnicht.pdf>.
  • DOW, Sterling. Conventions in editing: a suggested reformulation of the Leiden System, Greek, Roman and Byzantine Studies Scholarly Aids 2 , Durham, 1969.
  • GRONINGEN, B. A van. 'De signis criticis in edendo adhibendis', Mnemosyne 59 (1932), p. 362-365.
  • GRONINGEN, B. A. van. 'Projet d'unification des systèmes de signes critiques', Chronique d'Égypte 7 (1932), p. 262-269.
  • HONDIUS, J. J. E. 'Praefatio', Suplementum Epigraphicum Graecum 7 (1934), p. i.
  • A.S. Hunt, 'A note on the transliteration of papyri', Chronique d'Égypte 7 (1932), p. 272-274.
  • KRUMMREY, Hans; PANCIERA, Silvio. 'Criteri di edizione e segni diacritici', Tituli 2 (1980), p. 205-215.
  • PANCIERA, Silvio. 'Struttura dei supplementi e segni diacritici dieci anni dopo' in SupIt 8 (1991), p. 9-21.
  • ROBERT, Louis; ROBERT, Jeanne. La Carie: histoire et géographie historique, II, Paris, 1954, p. 9-11: 'Signes critiques du corpus et édition'.
  • WILCKEN, Ulrich. 'Das Leydener Klammersystem', Archiv für Papyrusforschung 10 (1932), p. 211-212.

Uso[editar | editar código-fonte]

  • L'Année épigraphique, Paris: Leroux, 1888-
  • Corpus Inscriptionum Latinarum, Berlin: de Gruyter, 1853-
  • Oxyrhynchus Papyri, Egypt Exploration Society, 1898-
  • Supplementum Epigraphicum Graecum, Lugduni Batavorum : Sijthoff, 1923-

Referências

  1. Fernandes, Ivo Xavier (1941). Topónimos e Gentílicos. I. Porto: Editora Educação Nacional, Lda. 
  2. Ver Groningen (1932) e Hunt (1932); esses artigos são a parte do procedimento do XVIIIe Congrès international des Orientalistes, Leiden, 7-12 septembre 1931, Seção autonome des papyrologues.
  3. Ver p. ex. Dow (1969) e Krummrey-Panciera (1980). Cf. Robert (1953), 9-11 quem aparentemente rejeita o Leiden.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]