Crónica de Nestor

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde março de 2011)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Imagem fictícia de Nestor, segundo Viktor Vasnetsov em 1919

A Crónica (português europeu) ou Crônica (português brasileiro) de Nestor (em russo: По́весть временны́х лет; em ucraniano Повість врем'яних літ - "Crônica dos Anos Passados"), também chamada de Crônica Primária ou Primeira Crônica, é a história da primeira formação política do povo eslavo oriental, com sede em Kiev, constituída entre 850 e 1110 aproximadamente.

Nestor, um monge de Kiow, foi o primeiro e o melhor dos analistas antigos da história da Rússia. Ele morreu no inicio do século XII, e sua crónica permaneceu obscura, até ser publicada em São Petersburgo, em 1767.[1]

A sua autoria foi atribuída durante muito tempo a Nestor, um monge do Monastério de Kiev-Petchersk, falecido por volta de 1115. Essa ideia era baseada nos primeiros versos da versão de Khlebhnikovsky da crônica, que atribuía a Nestor a autoria da mesma. No entanto, a comparação com manuscritos mais antigos da crônica demonstrou que essa provavelmente foi uma interpolação feita com base em suposições e não de certezas em relação à atribuição, tal como se evidencia nos trechos abaixo, baseados na crítica produzida por Samuel H. Cross entre os manuscritos (1968: 220):

No manuscrito laurentiano da crônica, o primeiro verso é o que segue:

"se pověsti vremyan’nÿkh lět otkudu est’ poshla russkaya zemya."
(a crônica dos tempos passados, de onde vieram as terras dos Rus’)

No manuscrito hipatiano, temos o seguinte primeiro verso:

"pověst vremennÿkh lět chernoriztsa Fedoseva monastÿrya Pecherskago oktudu est’ poshla Russkaya zemlya."
(Essa é a crônica dos tempos passados de um monge do monastério das Criptas de Teodósio, de onde vieram as terras dos Rus’)

Já no manuscrito Khlebhnikovsky, o primeiro verso é o que se lê:

"pověst vremennÿkh lět Nestera chernoriztsa monastÿrya Pecherskago otkuda est’ poshla russkaya zemlya."
(Essa é a crônica dos tempos passados de Nestor, um monge do Monastério das Criptas de Teodósio, de onde vieram as terras dos Rus’)

Este documento foi redigido por volta de 1113, em Kiev, e relata a história da Rússia desde o "Dilúvio Universal" bíblico até ao ano de 1111. Entre outras passagens polémicas, está aquela em que é contado como a população local chamou o chefe viking Rurik e os seu guerreiros para restabelecerem a ordem na região, além do relato da conversão do príncipe Vladimir I de Kiev ao cristianismo em 988, após entrar em acordo com os imperadores bizantinos Basílio II Bulgaróctone e Constantino VIII.

Referências

  1. Edward Gibbon, Decline and Fall of the Roman Empire (1788), Chapter LV: The Bulgarians, The Hungarians And The Russians. Part II., Nota 45 [em linha]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • CROSS, Samuel H.; SHERBOWITZ-WETZOR, Oleg P. The Russian Primary Chronicle. Cambridge: Mediaeval Academy Of America, 1968.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]