Curicaca

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Como ler uma infocaixa de taxonomiaCuricaca
CURICACA ( Theristicus caudatus ).jpg
Estado de conservação
Espécie pouco preocupante
Pouco preocupante
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Aves
Ordem: Pelecaniformes[1]
Família: Threskiornithidae
Género: Theristicus
Espécie: T. caudatus
Nome binomial
Theristicus caudatus
(Boddaert, 1783)

A curicaca (ou curucaca) (Theristicus caudatus) é uma ave pelecaniforme[1] da família dos tresquiornitídeos que ocorre desde a Colômbia até a região da Terra do Fogo, bem como parte do Brasil. Mede cerca de 69 cm de comprimento e tem cerca de 43 cm de altura, possuindo ainda um bico longo e curvo, pescoço esbranquiçado ou alaranjado, peito alaranjado, dorso cinza-esverdeado e partes inferiores negras, além das pernas avermelhadas. Também é conhecida pelos nomes de curicaca-comum, curicaca-de-pescoço-branco, curucaca e despertador.

É considerada ave símbolo de São José dos Ausentes conforme lei nº 636, de 8 de dezembro de 2005.[2]

Taxonomia[editar | editar código-fonte]

A curicaca foi descrita pelo polímata francês Georges-Louis Leclerc, conde de Buffon em 1781 em sua Histoire Naturelle des Oiseaux com base em um espécime coletado em Cayenne, Guiana Francesa.[3] A ave também foi ilustrada em uma placa colorida à mão gravada por François-Nicolas Martinet nos Planches Enluminées D'Histoire Naturelle, produzida sob a supervisão de Edme-Louis Daubenton para acompanhar o texto de Buffon.[4] Nem a legenda da placa nem a descrição de Buffon incluíam um nome científico, mas em 1783 o naturalista holandês Pieter Boddaert cunhou o nome binomial Scolopax caudatus em seu catálogo dos Planches Enluminées.[5] A curicaca agora é colocada no gênero Theristicus que foi cunhado pelo naturalista alemão Johann Georg Wagler em 1832.[6][7] O nome do gênero vem do grego antigo theristikos, que significa "de fazer colheita"; enquanto o epíteto específico vem do latim caudatus, que significa "cauda".[8]

Em voo, Pantanal, Brasil (imagem composta)

Duas subespécies são reconhecidas: [9]


Referências

  1. a b «Storks, ibis & herons». IOC World Bird List v 6.4 (em inglês). Consultado em 23 de dezembro de 2016 
  2. «LEI MUNICIPAL N.° 636 DE 08 DE DEZEMBRO DE 2005» (PDF). São José dos Ausentes 
  3. Buffon, Georges-Louis Leclerc de (1781). «Le grand courlis de Cayenne». Histoire Naturelle des Oiseaux (em francês). Volume 15. [S.l.]: De L'Imprimerie Royale 
  4. Buffon, Georges-Louis Leclerc de; Martinet, François-Nicolas; Daubenton, Edme-Louis; Daubenton, Louis-Jean-Marie (1765–1783). «Courly à col blanc, de Cayenne». Planches Enluminées D'Histoire Naturelle. Volume 10. [S.l.]: De L'Imprimerie Royale 
  5. Boddaert, Pieter (1783). Table des planches enluminéez d'histoire naturelle de M. D'Aubenton : avec les denominations de M.M. de Buffon, Brisson, Edwards, Linnaeus et Latham, precedé d'une notice des principaux ouvrages zoologiques enluminés (em francês). [S.l.: s.n.] 
  6. Wagler, Johann Georg (1832). «Neue Sippen und Gattungen der Säugthiere und Vögel». Isis von Oken (em alemão e latim) 
  7. Gill; Donsker, eds. (2019). «Ibis, spoonbills, herons, hamerkop, shoebill, pelicans». World Bird List Version 9.2. International Ornithologists' Union. Consultado em 16 de julho de 2019 
  8. Jobling, James A. (2010). The Helm Dictionary of Scientific Bird Names. London: Christopher Helm. pp. 94, 384. ISBN 978-1-4081-2501-4 
  9. Gill; Donsker, eds. (2019). «Ibis, spoonbills, herons, hamerkop, shoebill, pelicans». World Bird List Version 9.2. International Ornithologists' Union. Consultado em 16 de julho de 2019 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Aves, integrado ao Projeto Aves, é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.