Dervano

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Dervano
Rei dos surbos
Antecessor(a) Descconhecido
Sucessor(a) governo franco
Próximo: Miliduco
 
Religião paganismo
Território de Dervano

Dervano (em latim: Dervanus) foi um rei precoce dos surbos. É o primeiro governante dessa tribo a ser mencionado pelo nome e esteve envolvido na luta de Samo contra os francos, seus antigos suseranos.

Vida[editar | editar código-fonte]

Dervano é citado por Fredegário em sua crônica como "duque dos surbos da nação dos esclavenos" (em latim: dux gente Surbiorum que ex genere Sclavinorum);[1] é o primeiro líder da tribo chamado pelo nome. Era subordinado dos turíngios e, por meio deles, do rei Dagoberto I (r. 623–639), mas quando Dagoberto foi derrotado em 631/632 por Samo em Vogastisburgo, ele declarou independência dos francos e colocou-se junto a seu povo sob o governo de Samo.[2][3][4] Desde 631/632, os surbos e outros eslavos saquearam a Turíngia repetidamente,[5] e talvez outros territórios francos.[6]

Mais relatos de Fredegário implicam que Dervano e seu povo viveram a leste do Sala. A referência a Dervano em 631/632 é também a primeira confirmação escrita da presença eslava ao norte dos montes Metalíferos.[7] Os historiadores geralmente tentam encontrar ligações entre os surbos e os sérvios dos Bálcãs. Šišić, por exemplo, cita a possibilidade de que no sul Samo, tentando atrair os eslavos dálmatas, enviou exército auxiliar para ajudá-los, composto de surbos e croatas, com referência particular aos surbos. Caso isso signifique a migração de toda a população, é difícil ver o grande movimento dos sérvios como relatam as fontes.[4] Além disso, alguns autores defendem que Dervano seria filho do Arconte Desconhecido, o primeiro líder dos sérvios balcânicos citado no Sobre a Administração Imperial do imperador Constantino VII.[8][9][10]

Referências

  1. Curta 2001, p. 109; 331.
  2. Curta 2001, p. 331.
  3. Korošec 1990, p. 17.
  4. a b Šišić 1990, p. 254.
  5. Herman 1996, p. 284.
  6. Kos 1902, p. 205.
  7. Hermman 1985, p. 35, 37, 254.
  8. Vujić 1998, p. 40.
  9. Milojević 1872, p. 1.
  10. Novaković 1977, p. 337.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Curta, Florin (2001). The Making of the Slavs: History and Archaeology of the Lower Danube Region c. 500-700. Cambridge: Cambridge University Press. ISBN 0-521-80202-4 
  • Hermman, Joachim (1985). «Die Slawen in Deutschland». Geschichte und Kultur der slawischen Stämme westlich von Oder und Neiße vom 6. bis 12. Jahrhundert. Berlim: Akademie-Verlag 
  • Herman, J.; Zürche, E. (1996). History of humanity: From the seventh century B.C. to the seventh century A.D. Paris: UNESCO 
  • Korošec, Paola (1990). Alpski Slovani- Die Alpenslawen. Liubliana: Znanstvebni institut Filozofske fakultete 
  • Kos, Franc (1902). Gradivo za zgodovino Slovencev v srednjem veku. Liubliana: Lenova družba 
  • Milojević, Miloš S. (1872). Odlomci Istorije Srba i srpskih jugoslavenskih zemalja u Turskoj i Austriji. Belgrado: U državnoj štampariji 
  • Novaković, Relja (1977). Odakle su Sebl dos̆il na Balkansko poluostrvo. Belgrado: Istorijski institut 
  • Šišić, Ferdo (1990). Povijest Hrvata u vrijeme narodnih vladara. Zagrebe: Nakladni zavod matice hrvatske 
  • Vujić, Sava S.; Basarić, Bogdan M. (1998). Severni Srbi (ne)zaboravljeni narod. Belgrado: Samostalno Autorsko Izdanje