Diagrama de Pareto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Exemplo de diagrama de Pareto

O diagrama de Pareto é um gráfico de colunas que ordena as frequências das ocorrências, da maior para a menor, permitindo a priorização dos problemas, procurando levar a cabo o princípio de Pareto (80% das consequências advêm de 20% das causas), isto é, há muitos problemas sem importância diante de outros mais graves.[1] Sua maior utilidade é a de permitir uma fácil visualização e identificação das causas ou problemas mais importantes, possibilitando a concentração de esforços sobre os mesmos. É uma das sete ferramentas da qualidade.[2] Seu propósito não é o de identificar causas. Outras ferramentas, tais como gráficos de controle, gráficos de dispersão e experimentos planejados podem ajudar a identificar as causas.[3]

Como surgiu o Diagrama de Pareto?[editar | editar código-fonte]

Um dos pioneiros em trabalhos na área de Qualidade, Joseph Juran, encontrou um padrão semelhante ao encontrado por Pareto na distribuição dos tipos de defeitos de certo produto. Após diversas análises, ele chegou a conclusão de que em grande parte das iniciativas de melhoria, poucos tipos de defeitos eram responsáveis pela maioria das rejeições (poucos vitais), ou seja, 80% dos problemas de qualidade de uma peça são causados por 20% dos tipos de defeitos. Da relação entre esses dois trabalho foi criado o conceito de Pareto.Joseph Juran cunhou o termo “Gráfico de Pareto” no início da década de 90.

O nome se originou do trabalho de Vilfredo Pareto (1848-1923), que foi pioneiro no esforço de enunciar uma lei de distribuição de rendimentos. Em essência, ele descobriu que 80% da riqueza estava concentrada em cerca de 20% da população. O termo se tornou amplamente usado na indústria depois de sua proeminência nas Mesas Redondas de Gerenciamento conduzidas na Universidade de Nova Iorque no início da década de 40.[4]

Construção[editar | editar código-fonte]

Uma vez que as ocorrências mais frequentes são identificadas, pode ser construído um tabela com cada causa acompanhada de sua frequência absoluta. Por exemplo, tipos de problemas ocorridos em uma empresa de eletrodoméstico[5].

Motivos de Problemas Frequência que ocorre
Defeito no produto 75
Demora na montagem 49
Mau Atendimento 30
Problemas com vendas através de site 20
Total 174

Em seguida, calcula-se o percentual absoluto e acumulado. O percentual é encontrado dividindo cada frequência pelo total de frequências ocorridas; Já para o cálculo do percentual acumulado, soma-se cada porcentagem à porcentagem acumulada da linha anterior.

Motivos de Problemas Frequência % % acumulada
Defeito no produto 75 43% 43%
Demorana na montagem 49 28% 71%
Mau atendimento 30 17% 88%
Problemas com vendas através de site 20 12% 100%
Total 174 100%

Por fim, o diagrama pode ser feito em qualquer software que gere um gráfico de colunas, juntamente a um gráfico de linhas.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. «Purpose of a Pareto Chart». iSixSigma 
  2. Nancy R. Tague (2004). «Seven Basic Quality Tools». The Quality Toolbox. Milwaukee, Wisconsin: American Society for Quality. p. 15. Consultado em 5 de fevereiro de 2010. 
  3. «O que é um Gráfico de Pareto? Como construí-lo? Para que serve?». FM2S 
  4. «O que é um Gráfico de Pareto? Como construí-lo? Para que serve?». FM2S 
  5. «Exemplo extraído do site Gestão de Qualidade.». Gestão de Qualidade. Consultado em 20 de novembro de 2017. 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre economia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.