Elysia chlorotica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaElysia chlorotica
Elysia-chlorotica-body.jpg

Estado de conservação
Não avaliada
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Mollusca
Classe: Gastropoda
Ordem: Opisthobranchia
Subordem: Sacoglossa
Superfamília: Placobranchoidea
Família: Placobranchidae
Género: Elysia
Espécie: E. chlorotica
Nome binomial
Elysia chlorotica
Gould, 1870

Elysia chlorotica é uma pequena lesma do mar verde, devido à presença de clorofila, que habita principalmente a costa leste da América do Norte, entre a Nova Escócia e a Flórida. [1] Este molusco se tornou conhecido por ser o primeiro animal que mostrou a capacidade de realizar a fotossíntese depois de se alimentar da Vaucheria litorea, uma alga marinha, e roubar-lhe os cloroplastos através de um processo conhecido como cleptoplastia. Porém, essa capacidade não é passada de geração em geração e para que se mantenha, a lesma deve continuar a alimentar-se da alga ou, como foi provado, roubar igualmente os genes necessários. [2]

Descoberta[editar | editar código-fonte]

A espécie foi descrita por Augustus Addison Gould em 1870. No início do século, cientistas da Universidade do Sul da Flórida, EUA, realizaram uma pesquisa sobre o genoma e os resultados foram relatados em janeiro de 2010, pelo Dr. Sydney Pierce.[carece de fontes?]

Distribuição[editar | editar código-fonte]

A Elysia chlorotica pode ser encontrada ao longo da costa leste dos Estados Unidos, incluindo os estados de Massachusetts, Connecticut, Nova York, Nova Jersey, Maryland, Flórida (leste da Flórida e oeste da Flórida) e Texas. Elas também podem ser encontradas no extremo norte da Nova Escócia, no Canadá. [3]

Características[editar | editar código-fonte]

Descrição[editar | editar código-fonte]

Os adultos de Elysia chlorotica são geralmente de cor verde brilhante, devido ao seu hibridismo, mas podem ser avermelhados ou de cor acinzentada, dependendo da quantidade de clorofila no tubo digestivo, que se ramifica por todo o seu corpo. Lesmas juvenis apresentam coloração marrom com manchas vermelhas até que ingiram as algas, ocasião em que ficam verdes. A espécie pode crescer até chegar aos 60 milímetros de comprimento, mas normalmente crescem até 30 milímetros. [carece de fontes?]

Alimentação[editar | editar código-fonte]

(A) Um túbulo definido do divertículo digestivo que se estende para a região parapodial do animal (seta). O sistema digestivo consiste em túbulos densamente embalados que se ramificam por todo o corpo do animal. Cada túbulo é constituído por uma camada de células individuais que contêm organelas animais e numerosos plastídeos de algas. Esta camada celular envolve o lúmen. (B) Imagem ampliada da epiderme de E. chlorotica mostrando plastídeos densamente embalados. Os animais são de cor cinza claro sem os plastídeos residentes, que contribuem com a clorofila para tornar os limões marinhos brilhantes.

Elysia chlorotica alimenta-se de algas Vaucheria litorea. A lesma mantém o alimento firme em sua boca e suga seu conteúdo.[4] Ela mantém os cloroplastos ilesos, armazenando-os dentro de suas próprias células de seu extenso sistema digestivo. A aquisição dos cloroplastos por meio da alimentação ocorre logo após a metamorfose. [5]

A incorporação dos cloroplastos dentro das células de Elysia chlorotica permite à lesma realizar fotossíntese. Isto é benéfico para ela porque há certos períodos em que a alga não está disponível em quantidade suficiente no ambiente para uma alimentação adequada. A lesma pode sobreviver meses somente com os açúcares produzidos através da fotossíntese realizada por seus próprios cloroplastos.[carece de fontes?]

Ciclo de vida[editar | editar código-fonte]

Reprodução[editar | editar código-fonte]

As espécies adultas da Elysia chlorotica são hermafroditas simultâneas. Quando madura sexualmente, cada animal produz esperma e óvulos ao mesmo tempo. No entanto, a auto-fecundação não é comum dentro desta espécie. Em vez disso, a Elysia chlorotica copula transversalmente. Depois que os ovos são fertilizados dentro da lesma (a fertilização é interna), a Elysia chlorotica coloca seus ovos fertilizados em cordas longas. [4]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Database of Western Atlantic Marine Mollusca , banco de dados em inglês dedicado a moluscos marinhos do Atlântico ocidental.
  2. Solar-powered sea slug harnesses stolen plant genes , artigo em inglês do NewScientist explicando sobre o animal.
  3. «A Database of Western Atlantic Marine Mollusca" Elysia chlorotica Gould, 1870». Malacolog. Consultado em 27 de junho de 2017 
  4. a b «Symbio, a look into the life os a solar powered sea slug». Web archive. 1 de janeiro de 2009. Consultado em 27 de junho de 2017 
  5. Mujer, C.V., Andrews, D.L., Manhart, J.R., Pierce, S.K., & Rumpho, M.E. (1996). Chloroplast genes are expressed during intracellular symbiotic association of Vaucheria litorea plastids with the sea slug Elysia chlorotica. Cell Biology, 93, 12333-12338


Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Categoria no Commons
Wikispecies Diretório no Wikispecies