Emiliano Mutti

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Emiliano Mutti é um geólogo italiano que fez contribuições significativas para o campo das geociências, especialmente para a dinâmica sedimentar de turbiditos e sua caracterização de reservatórios.

Emiliano Mutti nasceu em outubro de 1933 perto do pequeno lago de Orta, na região de Novara, no norte da Itália. Durante a Segunda Guerra Mundial, seu pai Ido levou a família para a pequena aldeia de montanha de Nociveglia, ao sul da Província de Parma, nos Apeninos setentrionais. Cercado por rochas e florestas, Emiliano desenvolveu forte interesse pelas rochas e as montanhas que ele nunca perdeu. Mais tarde, quando ele percebeu que as rochas no vale foram turbiditos, voltou a estudá-los e produzir trabalhos clássicos sobre sistemas deposicionais de águas profundas.

Ele completou mestrado em geologia na Universidade de Milão, em 1959. Sua tese foi sobre a estratigrafia e estrutura terciária dos turbiditos Macigno nos Apeninos Norte. De 1960-1965 foi professor assistente de Sedimentologia da Universidade de Milão.

Em 1965, o interesse pela pesquisa o levou a aceitar um trabalho no Esso Production Research Lab em Bordéus, a filial européia da Exxon Production Research Company, em Houston. Através dessa conexão, Emiliano conheceu Chuck Campbell, e os dois fizeram trabalho de campo na Itália.

Depois de várias semanas, Chuck Campbell convidou Emiliano para os EUA para treinamento adicional. O tempo gasto com Chuck era um ponto de mudança na carreira de Emiliano. Ele próprio descreve a experiência dessa maneira: "Naquela época, eu tinha muita experiência em mapeamento de campo e sabia muito bem turbiditos Chuck percebeu que eu não sabia mais nada. Ele me levou para o campo nos Estados Unidos e ensinou-me como reconhecer depósitos fluviais e marinhos rasos. O mais importante é que ele me ensinou a sua abordagem estratigráfica." Em 1969, Emiliano renunciou a Esso para se tornar professor na Universidade de Turim. Em 1971 ele recebeu seu PhD e, em 1975 ele se tornou professor titular de sedimentologia. Em 1982, mudou-se para a Universidade de Parma, onde foi professor titular da geologia sedimentar. Ele está aposentado desde 2007 e atua como consultor.

Durante sua carreira, Emiliano trabalhou principalmente em estratigrafia e sedimentologia das bacias turbidíticas em cinturões de dobramentos e, notadamente, nos Pireneus espanhóis, nos Apeninos setentrionais e Grécia. Muito de seu trabalho se resume em papéis clássicos em co-autoria com Franco Ricci Lucchi, e Bill Normark http://www.eni.com/attachments/innovazione-tecnologia/eni-award/la-commissione-scientifica/eng_MuttiCV.pdf Mini Curriculum by ENI. Desde 1989, seu trabalho tem incidido sobre a estratigrafia e análise de fácies de domínio de inundação em depósitos flúvio-deltáicos e suas relações com sistemas turbidíticos em muitas bacias tectonicamente móveis no mundo inteiro.

Emiliano é um geólogo de campo com uma dedicação muito forte por rochas sedimentares. Ele é um mestre da observação e descrição que são qualidades fundamentais ao geólogo de campo. Ele sempre carrega um bloco de notas no campo, os esboços de afloramentos são notáveis e os seus detalhes e capacidade de resolver os complexos relacionados com feições sedimentares. Todos os seus trabalhos são caracterizados por fotografias de qualidade, que também são o resultado de sua dedicação pela fotografia. Ele recebeu inúmeros prêmios e participações honorários em sociedades geológicas.

Escreveu mais de 100 artigos científicos e vários livros sobre a estratigrafia e sistemas turbidíticos, incluindo o livro-texto de estratigrafia, em 1989, com os co-autores A. Boselini e F. Ricci Lucchi e o livro publicado pela AGIP em 1982, "Turbidite Sandstones". O Professor Emiliano Mutti treinou vários geólogos, principalmente de petróleo da Petrobras, em várias atividades nas regiões dos Pirineus espanhóis e do norte dos Apeninos, na Itália.

Ele é fellow da Geological Society of London 1993. EAGE (European Association of Geoscientists & Engineers) Wegener Medal 2003 (Award for Outstanding Contribution) por sua contribuição à dinâmica sedimentar dos turbiditos e sua caracterização como reservatórios durante a metade do século passado.

Em 2004, E. Mutti ganhou a medalha Twenhofel da SEPM (Society for Sedimentary Geology), que é a mais alta medalha de reconhecimento a uma carreira de excelência em geologia sedimentar[1] .

Algumas publicações

E. Mutti, R. Tinterri, E. Remacha, N. Mavilla, S. Angella and L. Fava An Introduction to the Analysis of Ancient Turbidite Basins from an Outcrop Perspective, 1999, American Association of Petroleum Geologists.

E. Mutti & G. Davoli, Turbidite Sandstones, 1992 - AGIP, Istituto di geologia, Università di Parma.

E. Mutti, F.R. Lucchi, Turbidites of the Northern Apennines: Introduction to Facies Analysis, 1978, American Geological Institute.

Referências

  1. http://www.sepm.org/pages.aspx?pageid=47 SEPM Past winners TWENHOFEL MEDALISTS