Enterócito

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde dezembro de 2014). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Enterócito é um tipo de célula epitelial da camada superficial do intestino delgado e intestino grosso. Estas células podem quebrar moléculas e movê-las para dentro dos tecidos.

A glicose, vinda da luz intestinal, cruza a membrana apical do enterócito usando o transportador de glicose dependente de Na+; se movimenta através do citosol e sai do enterócito através da membrana basolateral (em direção aos capilares sanguíneos) usando o GLUT-2. A galactose utiliza o mesmo sistema de transporte.

A frutose, por sua vez, cruza a membrana apical do enterócito usando o GLUT-5.

Significado clínico[editar | editar código-fonte]

Intolerância à frutose na dieta ocorre quando há uma deficiência na quantidade de portador de frutose.

A intolerância à lactose é o problema mais comum de digestão de carboidratos e ocorre quando o corpo humano não produz uma quantidade suficiente de enzima lactase (uma dissacaridose) para quebrar a lactose do açúcar encontrada em laticínios. Como resultado desta deficiência, a lactose não digerida não é absorvida e é passada para o cólon. Há bactérias metabolizar a lactose e ao fazê-lo liberar gás e produtos metabólicos que aumentam a motilidade do cólon. Isso causa gases e outros sintomas desconfortáveis.

Toxinas como a toxina da cólera podem aumentar a secreção ou diminuir a ingestão de água e eletrólitos, levando possivelmente a desidratação desidratação e desequilíbrio eletrolítico.[1] Rotavirus seletivamente invade e mata enterócitos maduros no intestino delgado.[2]

Referências

  1. Joaquín Sánchez, Jan Holmgren (February 2011). «Cholera toxin – A foe & a friend» (PDF). Indian Journal of Medical Research. 133. p. 158  Verifique data em: |data= (ajuda)
  2. Robbins and Cotran Pathologic Basis of Disease, Chapter 17, 749-819