Erir Ribeiro Costa Filho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita referências, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde abril de 2018). Ajude a inserir fontes confiáveis e independentes. Material controverso que esteja sem fontes deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações (desde abril de 2018). Ajude a melhorar este artigo inserindo fontes.
Edit-delete-not encyclopedic3.svg
Este artigo ou parte de seu texto pode não ser de natureza enciclopédica. (desde março de 2018)
Justifique o uso dessa marcação e tente resolver essas questões na página de discussão.
Emblem-scales.svg
A neutralidade deste artigo ou se(c)ção foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão deste artigo ou se(c)ção.

Erir Ribeiro da Costa Filho foi o comandante da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro. O Coronel Erir Ribeiro da Costa Filho tem 54 anos, 31 de serviços prestados à Polícia Militar. É natural do Rio de Janeiro.

O Coronel foi comandante interino do Batalhão de Choque, diretor de apoio logístico do quartel-general, comandante do 2º Comando de Policiamento de Área e do 4º BPM (São Cristóvão). Atualmente[quando?], estava[necessário esclarecer] adido da Seseg, coordenando o Serviço de Emergência 190.

Na PM realizou cursos de informações, Superior de Polícia Militar, entre outros.

Foi condecorado com as medalhas Distintivo Lealdade e Constancia (2000), Ordem do Mérito D. João VI (2006), Medalha Tiradentes (2003), Medalhas de 10 e 20 anos de efetivo (2006), Medalha Ordem do Mérito PM Grau Comendador (2008), entre outras.

Em sua administração, diversos casos de benefícios a presos ilustres foram denúnciados. O mais emblemático foi o caso do Home Theater de Sérgio Cabral. Na ocasião, foi montado todo um esquema criminoso, que incluia a própria SEAP, Comandada por Erir, para implantar na cadeia de Benfica um sistema de audio e vídeo de ultima geração avaliado em mais de R$ 60.000,00.

Também foi denunciado que diversos livros das bibliotecas de outras unidades foram desviados para Benfica a fim de nutrir o hábito de leitura dos presos.

Erir foi afastado após o Ministério Público denunciar esses e outros casos de regalia para Cabral, Garotinho e outros corruptos. Com isso, Erir joga no lixo da história sua biografia, se aliando à escória política do Rio de Janeiro e reduz sua honra a zero.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]