Estandarte do Corvo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Representação moderna dum estandarte do corvo
Detalhe do tapeçaria de Bayeux no qual aparece o estandarte do corvo

O estandarte do corvo (em nórdico antigo, Hrafnsmerki; em anglo-saxão, Hravenlandeye) era uma bandeira possivelmente de natureza totémica, utilizada por vários chefes tribais víquingues e outros regentes escandinavos entre os séculos IX e X. A bandeira é descrita na arte nórdica como tendo uma forma relativamente triangular, com a borda externa arredondada, a partir da qual pendem uma série de linguetas ou borlas. Tem alguma semelhança com as veletas finamente talhadas utilizadas nas proas dos dracares.[1]

Pensa-se que o estandarte do corvo era um símbolo do deus da guerra Odim, que por vezes era descrito na companhia de dois corvos chamados Hugin e Munin e cujo propósito em carregá-los em batalha, poderia estar relacionado com o provocar o medo nos inimigos, invocando o poder do deus.[2]

Referências

  1. Priest-Dorman, Carolyn (setembro de 2000). Society for Creative Anachronism, ed. «Personal Display for Viking Age Personae: A Primer for Use in the SCA» 
  2. Bodvarsdottir, Hrafnhildur. The Function of the Beasts of Battle in Old English Poetry. Tesis de PhD, 1976, Universidad de Nueva York en Stony Brook. Ann Arbor: Universidad Microfilms Internacional. 1989.