Euclides Tsakalotos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Euclides Tsakalotos
Ευκλείδης Τσακαλώτος
Euclides Tsakalotos
Ευκλείδης Τσακαλώτος
Ministro das Finanças da Grécia
Período 6 de julho de 2015
Antecessor Yanis Varoufakis
Membro do Parlamento Helénico
(eleito pelo segundo círculo de Atenas)
Período 6 de maio de 2012
Dados pessoais
Nascimento 1960
Roterdão,  Países Baixos
Partido SYRIZA
Profissão Economista

Euclides Tsakalotos (em grego: Ευκλείδης Τσακαλώτος), nascido em 1960 em Roterdão, na Holanda, é um economista e político grego, Ministro das Finanças do Governo Tsipras desde julho de 2015.[1][2][3][4]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Família[editar | editar código-fonte]

É casado com Heather D. Gibson, uma economista britânica. É sobrinho do falecido Thrasyvoulos Tsakalotos, Chefe de Estado-Maior do Exército da Grécia que lutou na I Guerra Mundial, na Guerra Greco-Turca de 1919-1922, na II Guerra Mundial e na Guerra Civil da Grécia.[5][6]

Estudos e carreira profissional[editar | editar código-fonte]

Frequentou a St. Paul's School em Londres antes de cursar Política, Filosofia e Economia na Universidade de Oxford. Mais tarde tirou um mestrado na Universidade de Sussex e um doutoramento em 1989 na Universidade de Oxford.[7]

De 1989 a 1990 trabalhou como investigador na Universidade de Kent. Lecionou na Universidade de Kent (de outubro de 1990 a junho de 1993) e na Universidade de Economia de Atenas (de outubro de 1994 a setembro de 2010).[7] Desde 2010 é professor de Economia na Universidade Nacional Capodistriana de Atenas.[8]

Escreveu alguns livros sobre políticas económicas gregas e internacionais. Em 1991, publicou Estratégias Económicas Alternativas: o Caso da Grécia, em que defendeu Andréas Papandréu e as suas tentativas de criar uma política económica progressiva face à ortodoxia neoliberal de Margaret Thatcher e Ronald Reagan.[9]

Foi membo do Comité Executivo da POSDEP (Federação Helénica das Associações de Professores Universitários).[7]

Envolvimento político[editar | editar código-fonte]

Na Universidade de Oxford, Tsakalotos entrou na juventude do Partido Comunista da Grécia. No início da década de 1990, aderiu ao Synaspismos que acabou por se tornar o maior partido integrante do SYRIZA. É membro do Comité Central do SYRIZA e é descrito como "o cérebro da política económica do partido".[1][2]

Nas eleições legislativas gregas de maio de 2012, foi eleito deputado do Parlamento Helénico pelo SYRIZA. Foi reeleito em 17 de junho de 2012 e em 25 de janeiro de 2015.

Depois das eleições legislativas de 2015, Tsakalotos foi nomeado Vice-ministro dos Negócios Estrangeiros do Governo de Alexis Tsipras. No final de abril, Tsakalotos passou a ser o coordenador do grupo de negociação grego com os representantes dos credores.[10]

Depois do referendo grego de 5 de julho de 2015, o Ministro das Finanças grego Yanis Varoufakis demitiu-se do cargo, a 6 de julho, e Euclides Tsakalotos seguiu-o na posição.[1][2][3][4]

Publicações[editar | editar código-fonte]

Livros[editar | editar código-fonte]

  • Crucible of Resistance: Greece, the Eurozone and the World Economic Crisis. Euclid Tsakalotos e Christos Laskos. (Londres, Chicago: Pluto Press, 2013)
  • Alternative Economic Strategies: The Case of Greece. Euclid Tsakalotos. (Aldershot: Avebury Publishers, 1991)

Artigos e dissertações[editar | editar código-fonte]

  • «Contesting Greek Exceptionalism: the political economy of the current crisis» (documento de trabalho, 2010 para a Conferência Conjunta de 2011 do Observatório Helénico da Escola de Economia de Londres com a Escola Britânica em Atenas)
  • «Homo economicus and the reconstruction of political economy: six theses on the role of values in economics» (Cambridge Journal of Economics, 2005, vol. 29, pp. 893–908)
  • «Capital flows and speculative attacks in prospective EU member states» (com Heather Gibson, Bank of Greece, documento de trabalho, 2003)
  • «A Unifying Framework for Analysing Offsetting Capital Flows and Sterilisation: Germany and the ERM» (com Sophocles Brissimis e Heather Gibson, International Journal of Finance & Economics, 2002, vol. 7, 1, pp. 63–78)
  • «Internal vs External Financing of Acquisitions: Do Managers Squander Retained Profits» (com Andrew Dickerson and Heather Gibson, Studies in Economics, 1996; Oxford Bulletin of Economics and Statistics, 2000)
  • «Are Aggregate Consumption Relationships Similar Across the European Union» (com Alan Carruth e Heather Gibson, Regional Studies, vol. 33, n.º 1, 1999)
  • «Business Cycle Correspondence in the European Union» (Empirica – Journal of European Economics, 1998)
  • «Takeover Risk and the Market for Corporate Control: The Experience of British Firms in the 1970s and 1980s» (com Andrew Dickerson e Heather Gibson, 1998)
  • «The Political Economy of Social Democratic Economic Policies: The Pasok Experiment in Greece» (Oxford Review of Economic Policy, 1998)
  • «Deterring Takeover: Evidence from a Large Panel of UK Firms» (Empirica – Journal of European Economics, 1997)
  • «The Impact of Acquisitions on Company Performance: Evidence from a Large Panel of UK Firms» (com Andrew Dickerson e Heather Gibson, Oxford Economic Papers New Series, vol. 49, n.º 3 (julho 1997), pp. 344–361; 1997)
  • «Short-Termism and Underinvestment: The Influence of Financial Systems» (com Andrew Dickerson e Heather Gibson, The Manchester School of Economic & Social Studies, vol. 63, n.º 4, pp. 351–67, 1995)
  • «The scope and limits of financial liberalisation in developing countries: A critical survey» (Journal of Development Studies, 1994)
  • «Income inequality in corporatist and liberal economies: a comparison of trends within OECD countries» (International Review of Applied Economics, 1994)
  • «Testing a Flow Model of Capital Flight in Five European Countries» (com Heather Gibson, The Manchester School, vol. 61, n.º 2, pp. 144–166, junho 1993)
  • «European Monetary Union and Macroeconomic Policy in Southern Europe: the Case for Positive Integration» (Journal of Public Policy, vol. 11, n.º 3, julho 1991, pp. 249–273)

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c «Quem é Euclid Tsakalotos, o novo ministro das Finanças grego». Diário de Notícias. Consultado em 6 de julho de 2015. Arquivado do original em 7 de julho de 2015 
  2. a b c Meireles, Luísa (6 de julho de 2015). «Já há sucessor para Varoufakis: Tsakalotos, a voz moderada do Syriza». Expresso. Consultado em 6 de julho de 2015 
  3. a b Gomes Ferreira, Ana (6 de julho de 2015). «Entra o aristocrata Tsakalotos, sai o arrogante Varoufakis. A ideologia mantém-se». Público. Consultado em 6 de julho de 2015 
  4. a b Caetano, Edgar (6 de julho de 2015). «Tsakalotos. Mais tranquilo do que Varoufakis mas menos pró-europeu?». Observador. Consultado em 6 de julho de 2015 
  5. Skordas, Aggelos (28 de abril de 2015). «Euclid Tsakalotos: Who Is the Greek Economist that Sidelined Superstar Yanis Varoufakis». Greek Reporter. Consultado em 6 de julho de 2015 
  6. Smith, Helena (18 de junho de 2015). «Euclid Tsakalotos: Greece's secret weapon in credit negotiations». The Guardian. Consultado em 6 de julho de 2015 
  7. a b c «Alternate Foreign Minister for International Economic Relations». Hellenic Republic - Ministry of Foreign Affairs. Consultado em 6 de julho de 2015 
  8. «Euclid Tsakalotos: National & Kapodistrian University of Athens». uoa.academia.edu. Consultado em 6 de julho de 2015 
  9. «Alternative economic strategies: the case of Greece». books.google.gr. Consultado em 6 de julho de 2015 
  10. Chrysopoulos, Philip (27 de abril de 2015). «Varoufakis Downsized as Tsipras Forms New Greek Negotiating Team». Greek Reporter. Consultado em 6 de julho de 2015 
Precedido por
Yanis Varoufakis
Ministro das Finanças da Grécia
2015
Sucedido por