Execução fiscal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Flag of Brazil.svgGnome-globe.svg
Esta página ou seção está redigida sob uma perspectiva principalmente brasileira e pode não representar uma visão mundial do assunto.
Por favor aperfeiçoe este artigo ou discuta este caso na página de discussão.

Execução fiscal é o procedimento que a Administração Tributária brasileira utiliza para a cobrança judicial dos créditos públicos inscritos em dívida ativa.

A inscrição em dívida ativa é um controle prévio de legalidade da dívida, que torna o débito apto à cobrança[1]. Os créditos da dívida ativa prescrevem em 5 anos.

O procedimento é regulado pela Lei 6.830/1980[2].

Na execução fiscal da Dívida Ativa da União, a representação cabe à Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional[3].

Garantias e Privilégios do Crédito Tributário

O Código Tributário Nacional prevê garantias e preferências ao pagamento do crédito tributário, dentre elas a presunção de fraude<ref>Art. 185 Lei nº 5.172/66 CTN</ref>[4] na alienação ou oneração de bens ou rendas por sujeito passivo com inscrição em dívida ativa, salvo<ref></ref>[5] se o devedor tiver reservado bens ou rendas suficientes para o total pagamento da dívida inscrita.

Ícone de esboço Este artigo sobre direito é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.

Referências

  1. Art. 2.º, § 3.º da Lei 6.830/1980
  2. Lei de Execuções Fiscais
  3. Art. 131, § 3.º da Constituição Federal de 1988
  4. Art. 185 Lei nº 5.172/66 CTN
  5. Parágrafo único Art. 185 Lei nº 5.172/66 CTN

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L6830.htm