Fernando Dissenha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde janeiro de 2016).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde janeiro de 2016). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde janeiro de 2016).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas.
Ambox grammar.svg
Esta página ou secção precisa de correção ortográfico-gramatical.
Pode conter incorreções textuais, podendo ainda necessitar de melhoria em termos de vocabulário ou coesão, para atingir um nível de qualidade superior conforme o livro de estilo da Wikipédia. Se tem conhecimentos linguísticos, sinta-se à vontade para ajudar.

Fernando Dissenha (São José dos Pinhais,[1][2][quando?]) é um trompetista brasileiro. É o trompetista solo da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo(OSESP) desde 1997.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Iniciou os estudos de música com Pedro Vital, em São José dos Pinhais. Diplomou-se Bacharel em trompete na Escola de Música e Belas Artes do Paraná, onde foi aluno de Antônio Aparício Guimarães. Posteriormente teve aulas com Edgar Batista dos Santos São Paulo. Por dez anos foi trompetista da Orquestra Sinfônica do Paraná.

Em 1996 obteve seu diploma de Mestrado em Música na Juilliard School, onde foi aluno de Chris Gekker. Estudou também na Universidade de Hartford, nos Estados Unidos, como bolsista da Fundação Vitae. No ano de 1991, participou do Festival de Música de Anzio, na Itália.

Com a OSESP participou de turnês pelo Brasil, Peru, Argentina, Chile, Estados Unidos, Alemanha e Suíça. Como camerista, se apresentou e deu aulas no Festival de Campos do Jordão, Oficina de Música de Curitiba, Festival de Londrina e Verões Musicais de Gramado. Ministrou masterclasses em Porto Alegre, Goiânia e Belo Horizonte. Atualmente é professor na Escola Superior de Música da Faculdade Cantareira, em São Paulo.

No ano de 1995 foi solista da New York String Orchestra, no Carnegie Hall. O jornal The New York Times classificou a sua participação como “uma performance brilhante e virtuosa”. Como vencedor do Juilliard’s Trumpet Concerto Competition (1993), Dissenha executou o Concerto de Hummel.

Atuou também em Nova York como instrumentista convidado do American Brass Quintet e com maestros como Leonard Slatkin, Gerard Schwarz, Stanislaw Skrowaczewsky, Denis Russel-Davis, Kurt Masur, Sidney Harth e Otto-Werner Mueller. Apresentou-se como solista da Orquestra Sinfônica da Venezuela e de diversas orquestras brasileiras.

Em 2003 lançou o CD Carambola com o pianista Carlos Assis. Esse trabalho foi descrito no International «Trumpet Guild» Verifique valor |url= (ajuda). www.trumpetguild.org  como “um disco maravilhoso”. Sobre a performance de Dissenha, o ITG destacou ainda que “ele possui flexibilidade, tanto técnica quanto musical, em um grau espantoso: num momento ele está flutuando no extremo registro agudo com completa tranqüilidade, e em seguida, articula rapidamente notas graves com clareza e precisão. Seu som contém tanto elementos brilhantes quanto escuros e ele consegue criar frases com uma variada paleta de cores”.

No ano de 2004, o CD Jobim Sinfônico - no qual Dissenha atua como primeiro trompete - recebeu o Grammy Latino da Academia Latina de Artes e Ciências, na categoria de melhor álbum Clássico. Esse CD também foi incluído na lista dos nomeados para o 48º Grammy (2006), na categoria de melhor álbum Crossover Clássico. Fernando Dissenha pode também ser ouvido em diversas gravações da OSESP pelos selos Bis e Biscoito Fino.

Referências