Fissura longitudinal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Localização da fissura longitudinal no encéfalo

A fissura longitudinal (ou fissura cerebral, grande fissura longitudinal, fissura longitudinal mediana, fissura inter-hemisférica) é o sulco profundo que separa os dois hemisférios cerebrais no cérebro dos vertebrados. Dentro dela está uma continuação da dura-máter (uma das meninges) chamada falx cerebri.[1] As superfícies internas dos dois hemisférios são contorcidas por giros e sulcos, assim como a superfície externa do cérebro.

Estrutura[editar | editar código-fonte]

Falx cerebri[editar | editar código-fonte]

Todas as três meninges do córtex (dura-máter, aracnoide, pia-máter) se dobram e descem profundamente na fissura longitudinal, separando fisicamente os dois hemisférios. Falx cerebri é o nome dado à dura-máter entre os dois hemisférios, cujo significado decorre do fato de ser a camada mais externa das meninges. Essas camadas impedem qualquer conectividade direta entre os lobos bilaterais do córtex, exigindo, assim, que quaisquer tratos passem pelo corpo caloso. A vasculatura da falx cerebri fornece sangue às superfícies mais internas do córtex, vizinhas ao plano sagital mediano.[2]

Assimetria cerebral[editar | editar código-fonte]

Embora essa fissura divida o cérebro, os dois hemisférios do córtex humano não são perfeitamente simétricos, tanto em estrutura quanto em função. Por exemplo, o planum temporale, correspondendo aproximadamente à área de Wernicke, foi considerado 10 vezes maior no hemisfério esquerdo do que no direito.[3] Em contraste, o núcleo caudado, dentro dos gânglios da base, mostrou-se maior no hemisfério direito.[4]

Corpo caloso[editar | editar código-fonte]

O corpo caloso conecta as duas metades do cérebro na parte inferior de sua estrutura e entrega mensagens visuais, auditivas e somatossensoriais entre cada metade. Aqui, bilhões de neurônios e glias podem ser encontrados trabalhando juntos para enviar mensagens que formam o que é conhecido como córtex cerebral.[5] O corpo caloso é responsável pelo movimento dos olhos e pela percepção visual, mantendo um equilíbrio entre a excitação e a atenção, e a capacidade de identificar locais de estimulação sensorial. Em um cenário clínico, aqueles com epilepsia podem se beneficiar da divisão do corpo caloso.[6][7]

Função[editar | editar código-fonte]

Essencialmente, o objetivo da fissura é separar o cérebro em dois hemisférios, esquerdo e direito. Por meio de estudos de caso de danos cerebrais ou derrames em ambos os lados de cada hemisfério, há evidências de que o lado esquerdo do cérebro controla o lado direito do corpo e o lado direito controla o lado esquerdo do corpo.[8] Pacientes com AVC apresentam comprometimento unilateral após lesão no hemisfério esquerdo ou direito, afetando o lado oposto do corpo.[9] A separação de cada hemisfério permite a especialização das funções de armazenamento, procedimental e cognitiva. Por meio de "experimentos com o cérebro dividido", o hemisfério esquerdo se especializou em matemática, linguagem e logística geral.[10] O hemisfério direito é mais especializado, geralmente, em música, arte, reconhecimento facial e na maioria dos eventos espaciais.[11]

A fissura longitudinal também desempenha um papel no trato do nervo óptico. Isso é mostrado com o quiasma óptico, que leva o nervo do olho direito ao hemisfério esquerdo e do olho esquerdo ao hemisfério direito. A fissura longitudinal permite esse direcionamento incorreto e cruzamento de nervos.[12] Esse cruzamento parece ser contra-intuitivo, mas serve a um propósito adaptativo, que é nos dar estereopsia (visão profunda e tridimensional), bem como um desenvolvimento da visão binocular.[13] Esses dois componentes combinados dão a capacidade de ter um campo visual percebido maior, o que coincide com a hipótese de que esta é uma função adaptativa dada pelo posicionamento e estrutura das fissuras. Danos ao nervo, além do quiasma óptico, podem causar perda ou comprometimento do olho correspondente. Se o lado direito do cérebro for danificado e o nervo for danificado ou destruído, o olho esquerdo também acompanhará a gravidade do dano.[14]

Referências

  1. «longitudinal fissure - Ontology Browser - Rat Genome Database». rgd.mcw.edu. Consultado em 24 de setembro de 2019 
  2. Bair, Michael M.; Munakomi, Sunil (2019), «Neuroanatomy, Falx Cerebri», StatPearls Publishing, StatPearls, PMID 31424888, consultado em 24 de setembro de 2019 
  3. Jill B. Becker (2002). Behavioral Endocrinology 2e. MIT Press. pp. 103–. ISBN 978-0-262-52321-9. Retrieved 4 January 2013.
  4. Watkins, K. (2001). Structural Asymmetries in the Human Brain: A Voxel-based Statistical Analysis of 142 MRI Scans. Cerebral Cortex, 11(9), 868-877. doi:10.1093/cercor/11.9.868
  5. «A Neurosurgeon's Overview the Brain's Anatomy». www.aans.org (em inglês). Consultado em 2 de outubro de 2019 
  6. Goldstein, Andrea; Covington, Benjamin P.; Mahabadi, Navid; Mesfin, Fassil B. (2019), «Neuroanatomy, Corpus Callosum», StatPearls Publishing, StatPearls, PMID 28846239, consultado em 2 de novembro de 2019 
  7. Buklina, S. B. (1 de junho de 2005). «The corpus callosum, interhemisphere interactions, and the function of the right hemisphere of the brain». Neuroscience and Behavioral Physiology (em inglês). 35 (5): 473–480. ISSN 1573-899X. PMID 16033195. doi:10.1007/s11055-005-0082-5 
  8. Marieb, Hoehn. Brain Anatomy. http://www.wou.edu/~lemastm/Teaching/BI335/Laboratory%2001%20-%20Brain%20Anatomy.pdf
  9. Gillen, Robert; Tennen, Howard; McKee, Tara (1 de abril de 2005). «Unilateral spatial neglect: Relation to rehabilitation outcomes in patients with right hemisphere stroke». Archives of Physical Medicine and Rehabilitation. 86 (4): 763–767. ISSN 0003-9993. PMID 15827929. doi:10.1016/j.apmr.2004.10.029 
  10. «Neuroscience For Kids - Hemispheres». faculty.washington.edu. Consultado em 21 de outubro de 2019 
  11. «Neuroscience For Kids - Hemispheres». faculty.washington.edu. Consultado em 21 de outubro de 2019 
  12. Ireland, Ashley C.; Carter, Iverson B. (2019), «Neuroanatomy, Optic Chiasm», StatPearls Publishing, StatPearls, PMID 31194427, consultado em 2 de novembro de 2019 
  13. Ireland, Ashley C.; Carter, Iverson B. (2019), «Neuroanatomy, Optic Chiasm», StatPearls Publishing, StatPearls, PMID 31194427, consultado em 2 de novembro de 2019 
  14. Ireland, Ashley C.; Carter, Iverson B. (2019), «Neuroanatomy, Optic Chiasm», StatPearls Publishing, StatPearls, PMID 31194427, consultado em 2 de novembro de 2019