Flávio Tambellini

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Não confundir com Flávio Ramos Tambellini.
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde dezembro de 2009). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Flávio Tambellini (Batatais, SP em 1 de outubro de 1925 - Rio de Janeiro 24 de fevereiro de 1976), foi um diretor e roteirista do cinema brasileiro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Tambellini começou sua carreira em São Paulo como crítico de cinema e sempre se preocupou em criar leis que dessem impulso à indústria cinematográfica nacional. Estreou no cinema como produtor em 1958 com a fita "Ravina". Foi o primeiro presidente do GEICINE, Grupo Executivo da Indústria Cinematográfica, assumindo o cargo logo após a criação do grupo, em 1961.

A estréia como diretor aconteceu em 1964 com "O Beijo", extraído da peça de Nelson Rodrigues. Em seguida vieram "Até que o Casamento nos Separe" em 1968; "Um Uísque Antes...Um Cigarro Depois" em 1969; "Relatório de um Homem Casado" em 1974, com o qual ganhou o Prêmio Coruja de Ouro como melhor roteirista e "A Extorsão", que ele concluiu alguns meses antes de morrer.

Pai do também cineasta Flávio R. Tambellini, ele morreu no Rio de Janeiro vitimado por um câncer.