Florián de Ocampo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde setembro de 2015). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo.
Frontispício de Los cuatro libros primeros de la crónica general de España que recopila el maestro Florián de Ocampo..., Zamora, 1543.

Florián de Ocampo (Zamora, c. 1499 -c. 1558), em Portugal também chamado Florião do Campo,[1] foi um historiador e escritor espanhol, cronista de Carlos V.[2]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Não há certeza quanto ao seu nascimento (entre 1499 e 1513) na cidade de Zamora ou arredores.

Foi nomeado Carlos V em 1539. Em 1541 publica uma edição do que se considerava a Estoria de España de Afonso X, o Sábio, intitulada Las cuatro partes enteras de la crónica de España que mandó componer el serenísimo rey don Alonso llamado el Sabio. Esta Crónica geral de Afonso X de Ocampo reúne distintas crónicas afonsinas. As três primeiras partes, até à morte de Bermudo III de Leão, recorrem ao texto Crónica general vulgata; uma «quarta parte» (denominada especificamente por Diego Catalán Crónica ocampiana) que compreende a que então se considerava a História de Castela, desde Fernando I de Leão[3][4][5]

Em 1543 publica em Zamora a sua própria crónica, no âmbito do seu cargo de cronista real, nos seus quatro livros da Crónica general de Espanha, que compreende desde a Criação do Mundo até à morte dos Cipiões. Dez anos depois publicou um quinto livro en Medina del Campo. A obra foi continuada por Ambrosio de Morales. A finalidade desta obra inconclusa era mostrar a grande antiguidade da monarquia espanhola, e a isso sacrificou frequentemente a objectividade ou a verdade. Contém grande quantidade de elementos fictícios e lendários; recorre a invenções próprias (como o autor Julián Lucas) e aceita cronistas anteriores, espanhóis ou italianos, tendo difundido o polémico João Ânio de Viterbo.

Em 1984 foi criado em sua honra o Instituto de Estudios Zamoranos Florián de Ocampo.

Influência na Literatura Portuguesa[editar | editar código-fonte]

Florião do Campo influenciou bastantes escritores portugueses do Séc. XVI ao Séc. XVIII, que o citam frequentemente, muitas vezes para apresentar alternativas às suas interpretações[6]. Por exemplo, Bernardo de Brito, que apesar de o seguir em muitos mitos para a Monarquia Lusitana e Espanhola, não deixa de referir que Florião segue de perto a versão de João Ânio de Viterbo. Por exemplo, no episódio sobre Hércules Líbico e os Lominios, diz mesmo que "segue João Ânio em tudo":

(...) «Oro Lybico, e vindo a singular batalha, os matou a todos os três (como além de Garivay e Pineda, refere Florião do Campo, estribado em Beroso e João Annio, a quem vai seguindo em tudo)»[1]

Obra[editar | editar código-fonte]

Crónica general de Alfonso X:

Crónica general de España


Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b Monarchia Lusytana. Bernardo de Brito (1597)
  2. Álvarez Martínez, Ursicino (1965). Historia General Civil y Eclesiástica de la Provincia de Zamora primera ed. [S.l.]: Editorial Revista de Derecho Privado  Parâmetro desconhecido |ubicación= ignorado (|local=) sugerido (ajuda); Parâmetro desconhecido |enlaceautor= ignorado (|autorlink=) sugerido (ajuda)
  3. Mª del Mar Bustos, «Crónica ocampiana», en Carlos Alvar y José Manuel Lucía Megías (eds.), Diccionario filológico de literatura medieval española, Madrid, Castalia (Nueva Biblioteca de Erudición y Crítica, 21), 2002, págs. 351-357;
  4. Alberto Montaner Frutos, «La huida de Vellido, ¿por las puertas o el postigo? (o De la Chronica Naierensis y las fuentes alfonsíes)», Actas del X Congrès Internacional de l’Associació Hispànica de Literatura Medieval (Alicante, 16-20 de septiembre de 2003), Alicante, Institut Interuniversitari de Filologia Valenciana, 2005 (Symposia Philologica), vol. III, págs. 1179-1197 y
  5. Guerra en Šarq Alʼandalus: Las batallas cidianas de Morella (1084) y Cuarte (1094) (en ed. conjunta con A. Boix), Zaragoza, Instituto de Estudios Islámicos y del Oriente Próximo, 2005, esp. los apartados sobre caracterización, evaluación y evolución las fuentes alfonsíes (cap. II, § 2, págs. 102 y ss. y § 11, págs. 213 y ss.)
  6. Monarchia Lusytana. Bernardo de Brito (1597)