Forte da Quebrada

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Forte da Quebrada, Angra do Heroísmo.

O Forte da Quebrada, também referido como Reduto da Quebrada e Forte do Facheiro, localiza-se na península do Monte Brasil, na freguesia da , na cidade e concelho de Angra do Heroísmo, na costa sul da ilha Terceira, nos Açores.

Integra o conjunto defensivo da Fortaleza de São João Baptista da Ilha Terceira, a sul, no colo formado pela junção do monte do Zimbreiro com o monte dos Fachos, no único trecho onde, mesmo com dificuldade, se poderia realizar uma escalada.

Em cota baixa, sobre a rocha viva junto ao mar, a sua função era a de evitar que, em ângulo morto dos fogos do Forte de São Diogo e do Santo António, qualquer embarcação pudessem se ocultar ou encontrar abrigo.

História[editar | editar código-fonte]

No contexto da instalação da Capitania Geral dos Açores, o seu estado foi assim reportado em 1767: "18.° — Reducto da cobrada, tem quatro canhoneiras e duas peças de ferro boas e precisa mais duas com os seus reparos.'"[1]

Em nossos dias encontra-se em ruínas.

Referências

  1. JÚDICE, 1981:416.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • ARAÚJO, Miguel Cristóvão de. "O Castelo de S. João Baptista da Ilha Terceira". in Açores. Ponta Delgada: Direcção Regional de Assuntos Culturais, 1979. 84p. il. p. 79-81.
  • FRAZÃO, A. J.. "Forte da Quebrada". O Castelo, n° 136, 25 de julho de 1998.
  • JÚDICE, João António. "Revistas feitas no Castello de S. João Baptista, Forte de S. Sebastião e de todos os mais fortes que tem esta Ilha Terceira" (Arquivo Nacional da Torre do Tombo. Papéis do Ministério do Reino, Maço 611). in Arquivo dos Açores, vol. V (ed. fac-similada de 1883). Ponta Delgada (Açores): Universidade dos Açores, 1981. pp. 407–418.
  • MOTA, Valdemar. "Fortificação da Ilha Terceira". in Boletim do Instituto Histórico da Ilha Terceira, vol. LI-LII, 1993-1994.
  • VIEIRA, Alberto. "Da poliorcética à fortificação nos Açores: introdução ao estudo do sistema defensivo nos Açores nos séculos XVI-XIX". in Boletim do Instituto Histórico da Ilha Terceira, vol. XLV, tomo II, 1987.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]