François-Antoine Herman

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
François-Antoine Herman

François-Antoine Herman (por vezes referenciado como Francisco António Herman) foi um diplomata francês nascido a 30 de Março de 1758, em Sélestat[1] e morto em Paris em 29 de Setembro de 1837.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Cônsul-geral da França em Londres de 1789 a 1792, e filho do último procurador do Conselho Soberano da Alsácia, de onde emigrou durante a Revolução Francesa. Retornado sob o Consulado, foi nomeado primeiro secretário da legação da Embaixada de França em Madrid, em Novembro de 1801 e foi enviado como cônsul-geral da França em Lisboa, em Março de 1806.

Conhecido pela sua integridade, foi nomeado por Napoleão para ocupar funções de secretário de Estado do interior e das finanças de Portugal em 1807 até a retirada das tropas francesas do país, em Agosto de 1808.

O general Maximilien Sébastien Foy recorda:[2] "un ancien commissaire ordonnateur des armées françaises, Luuyt, fut nommé secrétaire d’État de la guerre et de la marine ; le commissaire impérial Herman fut affecté à l’intérieur et aux finances ; l’intendance générale de police, dont la législation de Pombal avait fait un ministère plus important que tous les autres, fut réservée à un Français, Lagarde que l’Empereur envoyait d’Italie ; l’inspecteur aux revues, Viennot-Vaublanc, fut secrétaire du gouvernement."

Napoleão ordenou-lhe que colectasse um pagamento de 100 milhões de francos aos portugueses, que ficaram arruinados pelo fim das suas ligações comerciais com os ingleses. Em 1811, foi enviado numa missão a Berlim, como comissário para a liquidação das contribuições em atraso, mas recusa o cargo de cônsul-geral em Kœnigsberg.

Nos anos que se seguem, permanece desempregado. De Janeiro a Dezembro de 1822, voltou brevemente ao activo no cargo de Director de Assuntos Políticos do ministério dos Negócios Estrangeiros, durante o período em que esta pasta está ao cargo do duque de Montmorency. Nesse mesmo ano, é nomeado conselheiro de Estado extraordinário, e comandante da Legião de Honra.

Escreveu ainda um livro, obra publicada após a sua morte: Histoire de la rivalité des Français et des Anglais dans l'Inde, tirée des papiers de feu M. François-Antoine Herman (Paris : Charpentier, 1847, XV-344-VIII, p.) — "História da rivalidade entre os Franceses e os Ingleses na Índia, a partir de trabalhos do M. François-Antoine Herman".

Fontes[editar | editar código-fonte]

Notas e referências[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. et baptisé le lendemain.
  2. Histoire de la guerre de la péninsule sous Napoléon, Paris, 1827, (page 32) [1]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Jacques Cartier, « François Antoine Herman II», in Nouveau dictionnaire de biographie alsacienne, vol. 16, p. 1535