Françoise d'Aubigné

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Françoise d’Aubigné
A marquesa retratada por Pierre Mignard, c. 1694.
Nome completo Françoise d’Aubigné, Marquesa de Maintenon
Nascimento 27 de novembro de 1635
Niort, Deux-Sèvres, França
Morte 15 de abril de 1719 (83 anos)
Saint-Cyr-l'École, Yvelines, França
Nacionalidade França Francesa
Ocupação Salonnière

Françoise d’Aubigné (Niort 27 de novembro de 1635Saint-Cyr-l'École, 15 de abril de 1719), foi marquesa de Maintenon, mas conhecida como Madame de Maintenon. Foi a esposa e depois a viúva do escritor Paul Scarron. Ela foi a fundadora da Maison Royale de Saint-Louis (em português: Casa Real de São-Luís). Casou-se secretamente com Luís XIV, rei de França e de Navarra.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Infância[editar | editar código-fonte]

Françoise d'Aubigné era a filha do huguenote Constant d'Aubigné (filho do poeta e amigo do rei Henrique IV de França : Agrippa d'Aubigné) e da sua segunda esposa Jeanne de Cardilhac. Françoise d'Aubigné nasceu no dia 27 de novembro de 1635 na prisão de Niort, onde o seu pai estava preso por conspirar contra o Cardeal de Richelieu e também por dívidas. Sua mãe batizou-a na igreja católica, e seus padrinhos foram: Suzanne de Baudéan, filha da Condessa de Neuillant e o Duque de La Rochefoucauld, pai de François de La Rochefoucauld, autor do famoso livro conhecido como as Máximas.

Em 1639, o pai de Françoise foi libertado da prisão e mudou-se com a família para a ilha de Martinica. Jeanne era uma mãe rígida e deu aos filhos uma educação protestante (apesar de seus batismos católicos). Constant voltou para a França, deixando sua esposa e filhos na Martinica. Jeanne estava sempre tentando ser "mãe e pai" para seus filhos e, finalmente, conseguiu voltar para a França em 1647. Poucos meses depois do seu regresso a França, seu marido morreu, e Françoise foi entregue aos cuidados de sua tia Louise Arthemise d'Aubigné, conhecida como Madame de Villette, irmã de seu pai. A vida na casa dos Villette, o Castelo de Mursay, em Échiré, renderam boas lembranças para Françoise. Os Villettes eram ricos e cuidaram bem da menina, mas eles eram fervorosos protestantes e continuaram a instruí-la em suas crenças. Quando isto chegou aos ouvidos da condessa de Neuillant, ela ordenou que a menina fosse educada em um convento.

Françoise não gostou da vida no convento, mas ela cresceu lá e aprendeu a amar uma das freiras, a Irmã Celeste. Após um pedido da Irmã Celeste, Françoise teve sua Primeira Comunhão.

Mais tarde, Madame de Neuillant, a mãe da madrinha de Françoise, a levou para Paris e a apresentou para homens e mulheres sofisticados, a fim de formar-se elos dos quais ela precisaria no futuro.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Françoise Chandernagor. L’allée du roi : souvenirs de Françoise d’Aubigné, marquise de Maintenon, épouse du Roi de France. Paris: Julliard, 1995. ISBN 2266067877
  • André Lambert. La reine sans couronne : Françoise de Maintenon, l'épouse secrète de Louis XIV. Paris: Del Duca, 1962. ISBN 2866470087
  • Alain Niderst. Autour de Françoise d’Aubigné, marquise de Maintenon : actes des Journées de Niort, 23-25 mai 1996. Paris: H. Champion, 1999
  • Simone Bertière. Les Femmes du Roi-Soleil. Éditions de Fallois, 1998. ISBN 2-253-14712-5
  • André Castelot. Madame de Maintenon, La reine secrète. Éditions Perrin, 1996. ISBN 2-262-01249-0
  • Eric Le Nabour. La Marquise de Maintenon. Paris: Pygmalion, 2007. ISBN 9782857048930

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Françoise d'Aubigné
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.