Françoise d'Aubigné

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Françoise d’Aubigné
Pierre Mignard - Françoise d'Aubigné, marquise de Maintenon (1694).jpg

Pierre MIGNARD, Françoise d'Aubigné, Marquesa de Maintenon (1694)
Nome completo Françoise d’Aubigné, Marquesa de Maintenon
Nascimento 27 de novembro de 1635
Niort
Morte 15 de abril de 1719 (83 anos)
Saint-Cyr-l'École
Nacionalidade  França
Ocupação Salonnière

Françoise d’Aubigné, (27 de novembro 1635, Niort15 de abril de 1719, Saint-Cyr-l'École), marquesa de Maintenon, mas conhecida como Madame de Maintenon. Foi a esposa e depois a viúva do escritor Paul Scarron. Ela foi a fundadora da Maison Royale de Saint-Louis (em português : Casa Real de São-Luís). Casou-se secretamente com Luís XIV (16381715), rei de França e de Navarra.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Infância[editar | editar código-fonte]

Françoise d'Aubigné é a filha do huguenote Constant d'Aubigné (filho do poeta e amigo do rei Henrique IV de França : Agrippa d'Aubigné) e da sua segunda esposa Jeanne de Cardilhac. Françoise d'Aubigné nasceu no dia 27 de Novembro de 1635 na prisão de Niort, o seu pai estava preso lá por conspirar contra o Cardeal de Richelieu e também por dívidas. Sua mãe batizou-a na igreja católica, seus padrinhos foram: a Condessa de Neuillant e o Duque de La Rochefoucauld, pai de François de La Rochefoucauld, autor do famoso livro conhecico como as Máximas.

Em 1639, o pai de Françoise foi libertado da prisão e mudou-se com a família para a ilha de Martinica. Jeanne era uma mãe rígida e deu aos filhos uma educação protestante (apesar de seus batismos católicos). Constant voltou para a França, deixando sua esposa e filhos na Martinica. Jeanne estava sempre tentando ser "mãe e pai" para seus filhos e, finalmente, conseguiu voltar para a França em 1647. Poucos meses depois do seu regresso a França, seu marido morreu, e Françoise foi entregue aos cuidados de sua tia, Madame de Villette, irmã de seu pai. A vida na casa dos Villette, o Chateau de Mursay, foram boas lembranças de Françoise. Os Villettes eram ricos e cuidaram bem da menina, mas eles eram fervorosos protestantes e continuaram a instruí-la em suas crenças. Quando isto chegou aos ouvidos da condessa de Neuillant, madrinha de Françoise, ela ordenou que a menina fosse educada em um convento.

Françoise não gostou da vida no convento, mas ela cresceu lá e aprendeu a amar uma das freiras, a Irmã Celeste. Após um pedido da Irmã Celeste, Françoise teve sua Primeira Comunhão.

Mais tarde, Madame de Neuillant, a mãe da madrinha de Françoise, a levou para Paris e a apresentou para homens e mulheres sofisticados, a fim de formar-se elos que ela iria precisar no futuro.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Françoise Chandernagor. L’allée du roi : souvenirs de Françoise d’Aubigné, marquise de Maintenon, épouse du Roi de France. Paris: Julliard, 1995. ISBN 2266067877
  • André Lambert. La reine sans couronne : Françoise de Maintenon, l'épouse secrète de Louis XIV. Paris: Del Duca, 1962. ISBN 2866470087
  • Alain Niderst. Autour de Françoise d’Aubigné, marquise de Maintenon : actes des Journées de Niort, 23-25 mai 1996. Paris: H. Champion, 1999
  • Simone Bertière. Les Femmes du Roi-Soleil. Éditions de Fallois, 1998. ISBN 2-253-14712-5
  • André Castelot. Madame de Maintenon, La reine secrète. Éditions Perrin, 1996. ISBN 2-262-01249-0
  • Eric Le Nabour. La Marquise de Maintenon. Paris: Pygmalion, 2007. ISBN 9782857048930

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.