Frederica de Saxe-Gota-Altemburgo (1715-1775)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Frederica de Saxe-Gota-Altemburgo
Duquesa de Saxe-Weissenfels
Duquesa de Saxe-Gota-Altemburgo
Retrato por Antoine Pesne
Duquesa de Saxe-Weissenfels
Período 27 de novembro de 1734 - 16 de maio de 1746
Antecessor(a) Joaneta Antonieta de Saxe-Eisenach
Sucessor(a) Território devolvido ao Eleitorado da Saxônia
 
Cônjuge João Adolfo II, Duque de Saxe-Weissenfels
Descendência Carlos Frederico de Saxe-Weissenfels
João Adolfo de Saxe-Weissenfels
Augusto Adolfo de Saxe-Weissenfels
João Jorge de Saxe-Weissenfels
Frederica Adolfina de Saxe-Weissenfels
Nascimento 17 de julho de 1715
  Gota, Sacro Império Romano-Germânico
Morte 12 de maio de 1775 (59 anos)
  Bad Langensalza, Sacro Império Romano-Germânico
Pai Frederico II, Duque de Saxe-Gota-Altemburgo
Mãe Madalena Augusta de Anhalt-Zerbst

Frederica de Saxe-Gota-Altemburgo (Gota, 17 de julho de 1715 - Bad Langensalza, 12 de maio de 1775) foi uma duquesa de Saxe-Gota-Altemburgo e duquesa de Saxe-Weissenfels por casamento.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Frederica era filha do duque Frederico II, Duque de Saxe-Gota-Altemburgo e da sua esposa, a princesa Madalena Augusta de Anhalt-Zerbst. Era irmã da duquesa Augusta de Saxe-Gota, esposa do príncipe Frederico de Gales e mãe do rei Jorge III do Reino Unido.

Casou-se no dia 27 de novembro de 1734 na cidade de Altemburgo com o duque João Adolfo II de Saxe-Weissenfels. O casal teve quatro filhos, mas nenhum deles chegou à idade adulta, extinguindo assim a Casa de Saxe-Weissenfels.

O corpo de Frederica encontra-se enterrado no Castelo de Wrissenfels.

O Castelo de Frederica[editar | editar código-fonte]

Quando o seu marido morreu, Frederica tinha apenas trinta-e-um anos de idade e mudou-se inicialmente para a residência destinada às viúvas dos duques de Saxe-Weissenfels, o Castelo Dryburg em Langensalza, actual Baden. Pouco tempo depois, a duquesa recebeu um jardim e mais terras, tendo decidido mandar construir um palácio em estilo rococó entre 1749 e 1751, ao qual chamou Palácio de Frederica.

Após a morte da duquesa em 1775, o palácio foi comprado pelo seu médico pessoal, Christian Friedrich Stoller. Desde 1946, o castelo é usado para realizar vários eventos culturais e casamentos.[1]

Descendência[editar | editar código-fonte]

  1. Carlos Frederico de Saxe-Weissenfels (7 de junho de 1736 - 24 de março de 1737), morreu aos nove meses de idade.
  2. João Adolfo de Saxe-Weissenfels (27 de junho de 1738 - 21 de outubro de 1738), morreu aos três meses de idade.
  3. Augusto Adolfo de Saxe-Weissenfels (6 de junho de 1739 - 7 de junho de 1740), morreu com um ano de idade.
  4. João Jorge de Saxe-Weissenfels (17 de maio de 1740 - 10 de julho de 1740), morreu com quase dois meses de idade.
  5. Frederica Adolfina de Saxe-Weissenfels (27 de dezembro de 1741 - 4 de julho de 1751), morreu aos nove anos de idade.

Genealogia[editar | editar código-fonte]

Os antepassados de Frederica de Saxe-Gota-Altemburgo em três gerações[2]
Frederica de Saxe-Gota-Altemburgo Pai:
Frederico II de Saxe-Gota-Altemburgo
Avô paterno:
Frederico I de Saxe-Gota-Altemburgo
Bisavô paterno:
Ernesto I de Saxe-Gota
Bisavó paterna:
Isabel Sofia de Saxe-Altemburgo
Avó paterna:
Madalena Sibila de Saxe-Weissenfels
Bisavô paterno:
Augusto de Saxe-Weissenfels
Bisavó paterna:
Ana Maria de Mecklemburgo-Schwerin
Mãe:
Madalena Augusta de Anhalt-Zerbst
Avô materno:
Carlos de Anhalt-Zerbst
Bisavô materno:
João VI de Anhalt-Zerbst
Bisavó materna:
Sofia Augusta de Holstein-Gottorp
Avó materna:
Sofia de Saxe-Weissenfels
Bisavô materno:
Augusto de Saxe-Weissenfels
Bisavó materna:
Ana Maria de Mecklemburgo-Schwerin
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Frederica de Saxe-Gota-Altemburgo (1715-1775)

Referências

  1. Thüringer Allgemeine, 28 de Maio de 2011
  2. The Peerage, consultado a 19 de Março de 2013

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Brigitte Buhlmann, Ingelore Thara: Kleines Lexikon der Persönlichkeiten der Stadt Bad Langensalza und von Ufhoven, Verlag Rockstuhl
  • Christoph Gottlob Heinrich: Sächsische Geschichte, Leipzig, 1782, S. 457 (Digitalisat)
  • Kerstin Sucher, Bernd Wurlitzer: Thüringen, DuMont Reiseverlag, 2006, S. 81 (Digitalisat)