Frei António de Lisboa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Morte Século XVI
Cargo Prior do Convento de Cristo, Tomar

Frei António Moniz, mais conhecido por Frei António de Lisboa (século XVI), foi um religioso da Ordem de São Jerónimo e reformador da Ordem de Cristo. Foi prior do Convento de Cristo, em Tomar, onde levou a cabo uma notável campanha de expansão do convento liderada pelos arquitetos João de Castilho (entre 1532 e 1552) e Diogo de Torralva (depois de 1554).

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nomeado por D. João III e pelo núncio papal em 14 de junho de 1529, o prior Frei António de Lisboa, "eminente humanista jerónimo", foi o grande reformador da Ordem de Cristo. O seu ímpeto reformista visou reconduzir essa Ordem à pureza de que andava afastada e dotar o convento de um corpo de monges letrados, com conhecimentos de latim, teologia e artes, contrariando a decadência do clero da congregação.[1][2]

A nova regra e os novos estatutos impostos por Frei António de Lisboa inspiraram-se na Regra de São Bento, mas adaptada aos novos tempos, em que se anunciava uma necessária renovação e melhoria do comportamento das ordens religiosas. Na sequência da sua ação a Ordem de Cristo passou a ser uma Ordem de clausura, com uma regra mais conforme às exigências rigoristas.[1][2]

Simbolicamente, o Convento de Cristo foi refundado em fevereiro de 1532, com imposição do hábito a 12 noviços (com acolhimento negativo da reforma por parte de freires/cavaleiros mais antigos). O programa reformista traduziu-se na expansão das edificações – "uma das empreitadas mais notáveis da arquitetura do renascimento em toda a Península Ibérica" –, de acordo com uma visão esteticamente sintonizada com os novos valores classicistas do renascimento a que o arquiteto João de Castilho deu forma (c. 1532-1552) e que seria concluída por Diogo de Torralva (depois de 1554).[1][2]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c Serrão 2001, pp. 45,64.
  2. a b c Pereira 2011, pp. 536, 537.
Bibliografia